Baías e Baronis – FC Porto 6 vs 0 BATE

216727_galeria_fc_porto_v_bate_borisov_uefa_champions_league_2014_15.jpg

Nos comentários ao artigo que antecipou o jogo, um habitual comentador (Pudget) vaticinou um seizazero. Ria-me quando li o bitaite do rapaz, untado com a previsível volúpia de uma noite que se queria mágica mas acima de tudo vitoriosa e prática. E o rapaz lá acertou, mas não creio que o fizesse de propósito, porque o FC Porto venceu bem e os números não enganam na diferença de talento entre as equipas. Mas foi um jogo em que nos correu tudo bem e que raramente se irá repetir, desde a inovação táctica de Lopetegui, passando pela exibição fabulosa de Brahimi e terminando no acerto perfeito de Maicon na defesa. Foi muito bom, quase perfeito, e deixa a moral em alta depois do jogo cinzento de Guimarães. Vamos a notas:

(+) Brahimi. O lance do segundo golo é notável por vários motivos. Impossível de dissociar do golo de Tarik contra o Marselha aqui há uns anos, pelas incontestáveis semelhanças que ambos partilham (apontado num jogo da Champions, depois de uma correria desde o meio-campo de um jogador de origem árabe, fintando meia-equipa e rematando para o fundo da baliza), é na forma como Brahimi percorre os últimos dez metros, em toque curto, drible com a bola sempre a centímetros de ambos os pés, noção perfeita de baliza e enquadramento com a mesma. E o primeiro, com o remate perfeito de pé esquerdo? E o terceiro, igualzinho ao golo contra o Lille? E o resto dos toques e arranques e fintas e deambulações da linha para o centro? E começarmos a pensar que este rapaz é um talento do carago que eu já vinha a dizer desde a pré-época que se tivesse alguma sorte e consistência seria um dos melhores jogadores do campeonato? Chegou, viu, marcou e venceu. Uma vénia, caro Yacine.

(+) Maicon. Quem viu Maicon a chegar em Julho de 2009, não acredita no que vê agora. Escrevi sobre ele em Janeiro de 2010: “É lento demais, passa a bola com força a mais e é sempre um susto quando a bola vai para perto dele e tem um adversário a pressionar. Eu que sou do tempo de ver jogar o Alejandro Díaz, digo: não serve.” e hoje começo a penitenciar-me pela falta de crença na capacidade de um jogador que tem vindo a melhorar e é hoje em dia o patrão incontestável da defesa. Perfeito na intercepção, atento no posicionamento defensivo e ágil no corte, tem estado em grande neste início de época e é um dos responsáveis por termos apenas um golo sofrido até agora. Excelente jogo.

(+) Danilo. Está cheio de moral e nota-se, tanto pela força que coloca nas subidas como na capacidade de recuperação quando a bola é perdida por si ou por qualquer colega. E Danilo vive disso, da moral que lhe é dada pelas boas exibições, ele que é um caso para entregar a um psicanalista, tão propenso que é a desânimos e desatenções em jogo. Tem-se entendido bem com qualquer um dos companheiros que jogam à sua frente mas é na solidez defensiva que se vê a evolução dele em terras lusas desde que chegou. Já não queres ser médio-centro, pois não, rapaz?

(-) As transições de Herrera. Fica sempre a impressão que podia fazer melhor. Não “mais”, apenas melhor. Herrera é o anti-Óliver: o espanhol já sabe o que vai fazer quando a bola lhe chega, ao passo que o mexicano, incorporando todos os clichés sobre o seu povo, demora uma eternidade com a bola nos pés para depois raramente tomar a melhor opção, especialmente quando baixa a cabeça e se recusa a tentar perceber o melhor caminho por onde devia fazer seguir o esférico. Sim, joga muito sem bola, movimenta-se defensivamente para tapar as investidas contrárias, mas quando recebe a bola no centro do terreno tem de ser muito mais rápido e astuto na decisão.

(-) O desaparecimento do meio-campo. Lopetegui arriscou, sem exageros. Aquela espécie-de-4-2-4-ou-talvez-4-4-1-1 foi uma inovação que já não via desde alguns jogos-treino de Jesualdo, ou se quisermos falar a nível oficial, desde que Octávio colocou Pena e Esnáider juntos na frente…mas talvez tenhamos de recuar até Robson para vermos uma verdadeira dupla de ataque. E esta dupla que vimos hoje não foi bem uma dupla mas acabou por fazer com que o “4″ do meio-campo se transformasse num “2″, com Casemiro e Herrera a funcionarem como tampões…que não funcionaram. Percebo a omissão de Ruben Neves (muito melhor como “6″ onde Casemiro tem mais força e experiência) e a presença de Herrera mais recuado, mas o FC Porto vê-se invariavelmente obrigado a jogar pelos flancos durante as alturas em que o adversário se vai fechando, simplesmente porque não há movimentações (nem homens) suficientes na zona central para que o jogo por lá possa fluir. E a não ser que apareça um espaço milagroso, putativamente criado pelo “1″ atrás do ponta-de-lança, a construção torna-se enfadonha e recua tudo para começar de novo. E se Adrián pode funcionar bem sem bola, a arrastar os defesas como fez no segundo golo de Brahimi, a verdade é que passou grande parte do jogo sem se conseguir safar dos (fracos) defesas nem criar jogadas de perigo, ao passo que os médios, quase sempre bem posicionados para recuperar a bola, foram incapazes de romper com ela controlada em posse. Depender de Brahimi, Tello ou Quaresma é muito frágil para uma estratégia consistente de ataque.

(-) BATE. Há uma diferença entre ser uma equipa que joga na Champions e outra que tem jogo de Champions. O BATE, infelizmente, faz parte do primeiro grupo, porque se o que mostrou hoje no Dragão é o melhor que pode e sabe fazer…então, meus amigos, cheira-me que vão corridos pelas outras três equipas com seis derrotazinhas para esconder bem lá no fundo e não mostrar a ninguém com vergonha. Salvo qualquer catástrofe, não contemos com ajudas deles nos jogos contra os outros dois grandes do grupo.


Uma grande vitória. Uma vitória grande, talvez seja o termo mais adequado, mas o que interessa é mesmo a vitória. Há dois anos que não sabíamos o que isso era em jogos da Champions no Dragão. Obrigado, rapazes.

Ouve lá ó Mister – BATE

Señor Lopetegui,

Mais uma estreia. É hoje que vai sentir o que é entrar em campo na principal prova de clubes do Mundo, superior a qualquer campeonato ou taça que se disputa por esse planeta fora. Hoje, mais que na pré-eliminatória contra o Lille, é que se começa a distinguir a qualidade dos executantes e a valia que os clubes mostram para estar a este nível durante seis difíceis jogos que arrastam multidões e criam aquele nervoso miudinho que mais nenhuma competição consegue criar no nosso estômago.

E bem-vindo também às tradicionais noites de Outono na Invicta, caríssimo! Esta promete ser mais uma inclemente jornada nocturna, com as tradicionais entradas com aguaceiros, seguidas pelo primeiro prato de chuvinha no lombo e terminando com uma carga de trovoada e relâmpagos como sobremesa para levantar as almas ainda mais alto na sonoridade e beleza de uma noitada de vitórias europeias! Quem não se lembra de jogos à chuva como contra a Lázio ou das saraivadas contra o Áustria de Viena? É que essa conversa de verão já lá vai, por isso toca a calçar as galochas e a vestir a gabardine porque o Porto está como sempre esteve: molhado.

E as galochas também servem como metáfora para este jogo. Não conheço o BATE tão a fundo como o meu caro amigo, mas tenho a certeza de uma coisa: se jogarmos com a intensidade a meio-campo que fizemos no Domingo em Guimarães, bem podemos estar tramados com F grande porque não acredito que estes bielocoisos venham cá brincar ao futebol. Isto é malta de barba bem rija, uma espécie de Brian Wilson em cirílico que nos vai lixar se tiver a mínima hipótese. Fecha bem o centro do terreno e faz lá um favor à malta, tira o Herrera e mete o Evandro e aposta em mais estrutura e menos parvoíce. E aposta no Quaresma ou no Adrián numa das alas. É malta com calo nestas coisas e pode equilibrar a inexperiência dos outros putos do meio-campo.

Bate no BATE. É impossível fugir desta piada, Julen.

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – Guimarães 1 vs 1 FC Porto

215287_galeria_vitoria_sc_v_fc_porto_primeira_liga_j4_2014_15.jpg

Primeiro ponto de ordem sobre o resultado: não gosto de perder pontos contra ninguém. Seja o Benfica, o Vilaverdense ou o Dínamo de Bucareste, é sempre mau. Mas perder pontos contra esta cambada de malfeitores de preto e branco é uma mancha que me deixa sujo, chateado e triste. Jogámos o suficiente para vencer o jogo e mesmo com uma arbitragem que enervou toda a gente de azul-e-branco, a verdade é que devíamos ter saído de Guimarães com os três pontos e deixado aquela cáfila de mãos na cabeça. Não conseguimos por culpa própria e com um pé Montypythoniano a pisar-nos a traqueia. Siga para as notas:

(+) Brahimi. Estupendo no arranque e na recepção orientada, foi o principal criador de perigo para o adversário e merecia que o golo não lhe tivesse sido anulado. É já “o” jogador do FC Porto 2014/2015, ao lado de Jackson, e será em condições normais titularíssimo de uma equipa ainda a procurar a melhor estrutura no meio-campo, onde Brahimi diz que prefere jogar. Mas é quando pega na bola em zonas próximas dos flancos que mais brilha, flectindo quase sempre para o centro à procura de espaço por onde furar e de colegas com quem combinar. Activo, mexido, vivaço…é o que se quer e especialmente o que precisamos de ter naquela zona do terreno.

(+) A entrada de Evandro. Ajudou a estabilizar um meio-campo que até então tinha o idiota do Herrera a falhar passes em demasia, Casemiro com vontade mas sem acertar e Ruben Neves sem conseguir manter-se de pé e a deixar André x 2 passar vezes demais por si. Evandro pode e talvez deva ser titular, pela simplicidade que coloca em jogo e pela estrutura que proporciona ao meio-campo…e não fossem alguns arranques de Herrera ainda o continuarem a manter na equipa, a grande maioria dos jogos que vi do mexicano fazem com que seja, neste momento, segunda escolha.

(+) Maicon. Teve breves momentos de desconcentração durante a segunda parte mas em nada mancha (mais) uma excelente exibição do brasileiro. Forte no jogo físico, foi contra o enervante Tomané que passou a maior parte do jogo em duelo e conseguiu aguentar-se sem cravar um murro nos dentes do adversário, o que é de louvar tendo em conta a insistência do avançado do Guimarães em se tornar num dos jogadores portugueses mais enojantes da Liga, pegando no facho já meio apagado mas ainda bem seguro nas mãos de Briguel. Prático, bem na intercepção e no posicionamento a policiar a zona defensiva, sabe que é lento a arrancar e compensa com a movimentação bem coordenada e a antecipação da jogada do adversário. Está para a defesa do FC Porto como Aloísio estava no tempo dele. Com a devida proporcionalidade de talento, claro.

(-) O meio-campo sem força. Desiludiu-me imenso ver este meio-campo do FC Porto a ser tão tenrinho contra o equivalente minhoto da cena “The Bride vs Crazy 88″ do Kill Bill. E não foi um filme em estreia absoluta, porque em casa contra o Moreirense e até um certo ponto no jogo de Paços, vimos uma zona central do terreno e ser calcada (fisica e metaforicamente) por um adversário que pressionava os nossos jogadores e conseguia chegar mais depressa à bola, obrigando a equipa a jogar bem mais pelos flancos do que seria desejável. É verdade, sim senhor, que a nossa mais-valia poderá ser a multiplicidade de escolhas do meio-campo para a frente. Mas na zona de cobertura defensiva e/ou de construção ofensiva, está-nos a faltar muita agressividade e qualquer equipa que se decida a correr mais que os nossos ganha vantagem imediata. E contra este Guimarães, que quase só sabe correr (continuo a estranhar os votos de louvor generalizado a Rui Vitória quando as suas equipas raramente mostram que trabalham mais que as outras a não ser no ginásio…) e empurrar, raramente houve nervo para lá de uma ou outra imagem de um jogador do FC Porto, habitualmente Casemiro, a impôr o seu físico para recuperar a bola. Algo terá de ser feito para mostrar aos adversários que aquela zona é nossa. Nem que seja à pancada.

(-) A parvoíce do lance do penalty. Não é preciso dizer muito. Jackson, na nossa própria área, decide adiantar a bola para a tirar do caminho do adversário, que se coloca entre o colombiano e o esférico. O capitão tenta chegar à bola sabendo perfeitamente que está ali um careca de barba que vai cair ao mais pequeno toque…e acerta-lhe na perna. Burrice. Muita burrice.

(-) A arbitragem. Não é meu hábito queixar-me dos árbitros e continuo a achar que é dever da nossa equipa conquistar os três pontos para que não tenhamos de andar atrás dos gajos do apito a protestar por tudo e por nada. Mas há dias em que nada lhes corre bem (ou tudo, dependendo do ponto de vista mais ou menos cínico) e os nossos rapazes são prejudicados activamente em mais que um ou outro lance ocasional. Hoje, em termos de lances concretos, foi só isto: um golo mal-anulado por fora-de-jogo inexistente e um penalty que ficou por marcar. Se o fora-de-jogo é difícil de apontar e como tal mais complicado de criticar, o penalty foi ridículo. Alguns minutos antes tinha sido apontada uma falta contra nós que foi exactamente igual, quando André x 2 viu o seu braço agarrado numa situação em tudo semelhante. Mas não foi na área. Na área deles. E portanto não foi falta. Ou foi. Mas não foi marcada. Não percebi. E também não percebi a quantidade absurda de lances em que ao jogador do FC Porto era apontada falta por exagerado contacto físico, quando uma situação idêntica com as camisolas trocadas resultava nos braços esticados do árbitro para mandar seguir. Enervou-me, enervou toda a gente.


Primeiros pontos perdidos em grande parte por culpa própria mas também com muita imbecilidade arbitral. Não é dramático, minha gente.

Ouve lá ó Mister – Guimarães

Señor Lopetegui,

Duas semanas sem futebol em condições. Duas semanas, caríssimo, e já me sinto como um drogadito a quem roubaram a dose, as agulhas e o amor-próprio. Já dei comigo a vasculhar os canais da nossa televisão às duas da manhã para ver se ainda apanhava um bocadinho do Gibraltar vs Polónia, só para tapar um bocadinho a vontade de ver de novo algum futebol em condições, mas não fiquei saciado, not in the least. E se estás a estranhar ler esta missiva tão antecipada em relação ao que é normal…é porque este fim-de-semana promete e explico-te porquê.

Vou passear e só volto no Domingo. Até lá, rodeado de algumas dezenas de amigos (família e putos ao barulho, e uso a expressão “barulho” com toda a propriedade, porque vai haver e muito) num retiro anual dos amigalhaços que jogam futebol aos sábados. E entre esses, alguns portistas, um benfiquista (herege) e uma multiplicidade de lagartagem que ainda hoje não entendo como é que o grupo se manteve unido e coeso com esta distribuição clubística tão aberrante. Mas lá nos temos vindo a manter unidos e até nas discussões sobre futebol, que são múltiplas e perenes, os ânimos raramente se animam para lá da parvoíce e acabamos todos amigos. E como tal, devo chegar a casa em cima da hora para ver o jogo de Guimarães! E à hora que te escrevo estas palavras, não sei sequer a tua lista de convocados, o que é uma enorme tristeza para quem tenta fazer a antevisão a um jogo, especialmente um tão importante como este. Não tenhas dúvidas, os gajos odeiam-nos com a força de duzentos bombas atómicas forradas a esterco, por isso convence os teus rapazes que não é preciso jogar muito, é só preciso jogar bem e serem rijos. A comandita à volta do relvado também tende a ser inclinada para a estupidez por isso vai preparado para levares com uma cabecinha de porco ou uma selecção variada de isqueiros. São coisas antigas, não tentes compreender.

Admito que alguns rapazes estejam cansadotes, por isso cheira-me que vais descansar um ou dois a pensar no jogo de quarta-feira. Não faças isso, ou pelo menos pesa bem o binónio talento/condição física, porque se não estás habituado a campeonatos, fica o conselho: perdem-se pontos nas primeiras jornadas que te lixam a classificação mas acima de tudo a moral, tua e dos teus. Tens opções que chegue para ir rodando, mas aconselho-te a encontrares as melhores rotinas entre os gajos que mais gostas, sejam eles quem forem. Vai haver muito tempo (e oportunidade) para rotações de plantel, não queiras fazer tudo de uma só vez!

Escolhe quem quiser. Mas entra em campo com espírito de vitória e esquece a próxima quarta-feira. Bate nestes e depois bates no BATE.

Sou quem sabes,
Jorge