E vão 14…


Simples, prático, eficaz. Sem grandes problemas, lá fomos buscar mais um caneco. Amanhã segue o penúltimo Baías e Baronis do ano, já que o último será a um nível diferente, mais uma questão de análise individual do plantel. Força Porto!

2 comentários

  1. A dodradinha não estava famosa: muito feijão e pouca carne, mas o objectivo foi cumprido.

    O gigante do Norte mostrou a sua força, a sua raça e invadiu o Jamor…

    Acabou o tabú, como se ele alguma vez tivesse existido…

    Jesualdo fez uma grande época e merece continuar, mas como sempre, vai partir do zero.

    Um abraço

  2. Foi um jogo fraco muito por culpa do FC Porto a quem se exigiria um futebol mais brilhante e ao alcance do seu potencial.

    Fora isso esta final constituiu uma festa do futebol onde houve fair-play, convivência pacífica entre os adeptos de ambos os clubes e muito apoio às respectivas equipas.

    Não vou enaltecer os pic-nic, as sardinhadas ou os churrascos, na mata do Jamor, tão ao gosto de alguns comentadores, para justificar as finais da Taça de Portugal no obsoleto estádio nacional.

    Nisto estou com o Presidente: Querem sardinhadas? venham à Afurada ou ao Senhor de Matosinhos.

    Quanto a Jesualdo, lá matou a curiosidade dos jornalistas. Mais duas épocas de dragão ao peito.

    Espero as devidas correcções no plantel no sentido de melhorar a qualidade do passe, da circulação da bola e do poder de fogo que nos permita ambicionar voos mais altos.

    Um abraço

Deixar uma resposta