Carta aberta a Jesualdo Ferreira


Caro Professor,

Estamos no início de uma nova época. Temos jogadores novos, uma equipa renovada, treinadores experientes (V/Exa incluída) e uma direcção dinâmica. Temos força e ganas de vencer e nada nos pode parar se continuarmos fiéis aos nossos princípios e à nossa ideologia ganhadora. O sol ainda não brilha, culpa principalmente de frentes nubladas e da subida de vendas do Record, mas nada disso nos atemoriza.
No entanto, a razão de me dirigir a si é menos heróica e prende-se com uma ideia prosaica que me assola desde há uns tempos. E olhe que algo que assola um rapaz da minha estatura não pode ser ignorado durante muito tempo como o ferro de engomar, a separação do lixo ou a namorada. Enfim, continuemos.
Compreendo a ideia principal da sua estratégia dentro do campo. Habitualmente quando entro no Dragão e tenho de subir aquelas desgraçadas escadarias que me lixam os gémeos, vou a pensar na equipa que vai entrar em campo. Acaba por ser uma boa maneira de me distrair dos putos à volta a berrar com os pais e evita que patine nos inúmeros folhetos que vão sendo atirados para o chão. Mais um degrau. Voltando aos meus pensamentos, a equipa que costuma entrar em campo raramente é igual à que tenho na minha cabeça. Chame-me mau treinador, raios, chame-me otário, mas é a mais pura verdade. Quase nunca acerto, acaba sempre por jogar o Farías quando pensava que decerto iria entrar com Mariano, ou era o Fernando quando assumia que Guarín tinha mais capacidades para a posição (era no início da época, peço desculpa pela heresia). Havia sempre uma outra variável que me lixava e sempre que me sentava na cadeira falava com os meus colegas e descobria que mais uma vez tinha atirado B-4, água.
Cheguei a culpá-lo pelas miseráveis escolhas que fazia e que, quando comparadas com as minhas próprias selecções, empalideciam de timidez, tal era a minha arrogância ofensiva e determinação “footballmanageriana” de desfazer implacavelmente e sem complacências todo e qualquer rival que se apresentasse à frente. Destruir seria o termo mais indicado. Sim, era isso, destruir os outros. Como se atreviam a fazer-nos frente? Morte, hereges!!! No entanto, algum tempo passou e comecei a constatar, contra todas as fibras do meu ser, que lhe chamavam professor por algum motivo. O senhor ensinou-me a ter mais calma, qual Mourinho em frente a Ferguson, Sacchi perante Cruyff ou Tino de Rans à frente de um dicionário. E relaxei, confiei em si, e os resultados estão à vista.
Este ano tenho a certeza que vou começar por fazer o mesmo. São tantas as incógnitas no nosso plantel que tenho ainda mais indecisões mentais em tentar acertar com os 11 fulanos de azul e branco que vão subir ao relvado e por isso sinto-me renitente em parar o jogo de adivinhação. Mas sinto-me com força e assim sendo decidi deixar mais uma vez o benefício da dúvida para os intervenientes (S/Exa, neste caso) e encostar-me na cadeira de camisola vestida e cachecol ao pescoço e simplesmente apreciar os espectáculos que concerteza nos vai voltar a proporcionar nestes próximos 10 meses.
Tenciono arrancar esta nova filosofia amanhã, por volta das 21h, no meu jardim zen preferido. Aquele que tem vista para o Dolce Vita, por muito inestético que possa parecer para os que nunca visitaram.
Com os meus mais sinceros cumprimentos e votos de um bom arranque,
O Jorge da Porta19

1 comentário

  1. Carta que reflecte um exame de consciência que talvez muitos portistas deveriam fazer, estou a referir-me naturalmente a essa massa «assobiativa», defensores da perfeição que naturalmente também não possuem.

    Mas considero que esse exercício de adivinhação é até saudável se depois conseguirmos perceber a razão das divergências entra a nossa e a escolha do Professor.

    Erros todos cometem, pelo que Jesualdo não está imune. Mas se os resultados continuarem a ser tão positivos, porque não relaxar e confiar nos que preparam a equipa para os triunfos. Ninguém mais do que eles quererão tanto as vitórias.

Deixar uma resposta