Jesualdo e a estratégia

A experiência no jogo contra o Besiktas foi simpática, mas parece ser apenas uma alternativa ao esquema principal que Jesualdo pretende implementar este ano e que é idêntico aos anos anteriores: um 4-3-3 com constantes rotações e por isso sem posições fixas no ataque, que depende bastante do apoio dos laterais, enquanto que no meio-campo haverá um homem a defender em frente aos centrais, aliado a um médio de cobertura (o tradicional box-to-box) e outro mais criativo e pronto a municiar os 3 homens da frente. O costume, portanto.Na entrevista de JF ao jornal “O Jogo”, o nosso treinador confirma a tese dos 3 avançados (ler aqui), o que pode fazer com que Falcao seja uma opção quando estiver apto a fazer 90 minutos, jogando no centro e abrindo espaços para os dois avançados das alas poderem romper as defesas.

Continuo a achar que Hulk está talhado para jogar de trás para a frente, em corrida, e por isso terá de ter um homem no centro a apoiá-lo, segurando a bola para os “one-twos” para os quais Hulk está mais que à vontade.
Numa rápida análise aos outros sectores, Helton na baliza parece-me continuar a ser a primeira opção, no centro da defesa Bruno Alves (caso não saia) e Rolando deverão a ser titulares, se bem que Maicon deu boa imagem frente ao Aston Villa e pode entrar a qualquer momento. Nuno André Coelho parece partir em atraso na luta por um lugar, até porque tem sido experimentado quase sempre como lateral-direito, vá-se lá saber porquê. Nesta última posição Fucile recolhe a preferência do treinador, e deverá manter-se como titular. Tem, na minha opinião, que “abaixar a crista” para evitar excessos de confiança, mas é sem dúvida o melhor que temos. Na esquerda, Álvaro Pereira está a ser uma boa surpresa e está certinho para o lugar.
Na intermediária, dois lugares ocupadíssimos (sem ligação à metáfora absurda d’A Bola, aqui) por Fernando e Meireles. Nem vale a pena falar mais sobre esses dois, estão certos no lugar certo. Já para o outro lugar, o de Lucho, porque não dizê-lo, está complicada a sucessão. Belluschi mostrou o suficiente para ser primeira opção, mas não é facto assente que a agarre. Guarín tem sido muito utilizado por Jesualdo, talvez para o expôr a uma potencial venda, talvez para dar mais uma hipótese ao colombiano, mas creio ter sido um desperdício de tempo. Tomás Costa não está ainda em forma e Valeri não jogou suficiente para justificar um chuveiro no fim das partidas em que entrou. De Prediger nem falo, não vi a jogar.
No ataque, só há um lugar cativo. Hulk. O resto vai orbitar à volta do brasileiro, com Mariano a lutar com grande empenho por um lugar que não lhe deverá fugir no início mas que a curto prazo será substituído quando Cebola Rodríguez estiver apto a jogar de início a fim. O outro lugar é mais uma incógnita: Varela ou Falcao? Varela coloca Hulk ao meio enquanto que Falcao puxa Hulk para trás e obriga a equipa a começar jogadas mais no meio-campo e menos nas alas.
A opção final é de Jesualdo. A época a doer começa no Domingo e espero conseguir comprar bilhete para estar em Aveiro. Cá vai a minha ideia do que deveria ser o onze portista para a Supertaça:
Comentários?

Deixar uma resposta