O guerreiro cansado

(foto retirada do blogportista)

É um caso que me está a provocar algum mal-estar no seio, diria até na mama da massa associativa e que creio merecer algumas considerações perfeitamente aleatórias, infundadas e auto-opinativas do género que apenas bloggers podem ter. Estas considerações, no entanto, são baseadas na crescente onda de descontentamento que se tem apoderado da opinião conjunta do
s adeptos e que, de acordo com a estatística, não podem estar todos errados. Disclaimer avançado, siga para o texto per se.
Raúl Meireles tem sido nos últimos anos o verdadeiro sinónimo da garra e da alma portista. Desde que chegou ao FC Porto, na longínqua época de 2004/05, mostrou ser um jogador muito combativo, que nunca vira a cara à luta, encarando cada lance como o último da partida, marcando a posição no meio-campo como um médio de cobertura muito eficaz e que consegue fazer o verdadeiro box-to-box, tão famoso e útil no futebol moderno. No fundo, era daqueles que a malta gosta, que aplaude quando recolhe a bola dos pés (ou das pernas) do adversário e que incentiva a equipa com gritos constantes para a movimentação correcta e adequada dos colegas, que leva a bola para a frente e remata quando vê uma abertura, marcando os cantos e servindo para várias posições, quer a trinco quer um pouco mais avançado. Na primeira época de azul-e-branco, essa época terrível pós-Mourinho, foi um exemplo de dedicação, entrando sempre com mais força que saber mas sempre empenhado em fazer com que a equipa crescesse apesar da paupérrima forma dos colegas Diego, Costinha e Maniche, já sem grande vontade de continuar no Dragão.
Na temporada seguinte, com a chegada do grande Lucho González, Meireles adquiriu mais algum protagonismo, lutando com Ibson pela titularidade desde o início e depois de várias batalhas vencidas acabou por conquistar a posição, formando aquele meio-campo louco de Adriaanse à frente de Paulo Assunção e ao lado de Lucho. Era uma das figuras da equipa, transformando o jogo da equipa e servindo como verdadeira sombra do argentino, libertando-o para manobras ofensivas ao mesmo tempo que servia como primeira barreira defensiva às investidas adversárias. Era um jogador à Porto, que não tinha medo de nada nem ninguém, que metia o pé por vezes com virilidade em excesso, assustando as bancadas e fazendo os adeptos recear pela sua permanência em campo.
Mais um ano se passou e chega Jesualdo ao comando da nau portista. Raúl Meireles cresceu tanto em importância como em número de tatuagens. Transformou-se no verdadeiro pêndulo da equipa, oscilando para trás em apoio a Assunção e para a frente como suporte ofensivo às deambulações de Lucho, tapando os buracos necessários e surgindo como apoio à entrada da área, preparado a rematar quando possível e na rotação das bolas para os extremos sempre que fosse possível. Continuava com uma acção preponderante na criação de jogo ofensivo e era fundamental na estratégia do professor para o meio-campo. Em 2007/08 a equipa foi sofrendo algumas alterações mas a base manteve-se e Meireles continuava como titular. O trio Assunção-Meireles-Lucho era sem dúvida o melhor a jogar no país, e o ex-boavisteiro começava a afirmar-se igualmente na Selecção, graças às lesões de Tiago e à má forma de Maniche. Entretanto, continuava um padrão que se verificava desde que chegou: Meireles não aguenta 90 minutos seguidos. Era já motivo de aposta entre a malta da Porta19 o minuto a que Meireles ia ser substituído, porque raramente falhava a troca. Aí por volta dos 70 minutos lá subia a placa número 16 e entrava outro rapaz para o lugar dele. Em 2008/09, começa a descer de forma. Primeiro de uma forma leve, notando-se uma menor intensidade no jogo defensivo, com menos agressividade e menos capacidade de pressão ao adversário, somando-se uma maior vocação ofensiva tal era a má forma de Lucho. Tal deveu-se, sem dúvida, a indicações do treinador, ansioso por ter mais um elemento no apoio a um ataque com Lisandro a marcar menos, Mariano no tradicional sub-rendimento e tanto Rodríguez como Hulk sem mostrar credenciais efectivas, Meireles tornou-se mais presente no meio-campo ofensivo e mais ausente nas tarefas defensivas, entregues quase em exclusivo a Fernando.
Este ano, com a saída de Lucho, Meireles é um jogador diferente. Para pior. Não mete o pé na disputa de bola, falha passes que antigamente fazia de olhos fechados, continua a não aguentar mais de 60 minutos em bom nível e tem sido quase inexistente nos últimos jogos, levando a equipa que já de si está debilitada pelas muitas ausências por lesão ainda tem de arranjar uma maneira de suprir as exibições negras de Meireles.
A mudança de número parece não lhe ter feito bem, e ao 16 dos últimos anos responde o 3 este ano com uma qualidade exibicional que está a seguir a evolução dos algarismos que ostenta nas costas. Precisamos de um Meireles forte e agressivo, de novo um elemento forte no meio-campo e que aguente pressão ofensiva com estoicismo e vontade de vencer. Este Meireles não serve, e com a pressão positiva de Guarín na mente dos adeptos, ele que tem entrado sempre com garra e tem de facto feito em 10/15 minutos o que Meireles não consegue fazer em 75/80, começa a firmar as credenciais para candidatura ao lugar do Raúl. Para quando ver o mais tatuado dos portistas no banco? Creio que beneficiaria tanto a equipa como o próprio Meireles como até a Selecção Nacional ver Raúl a descansar as pernas e sobretudo a cabeça…

1 comentário

  1. O Meireles é um enigma. Eu na selecção vejo-o a correr. Será que lá a relva é diferente.
    Infelizmente o nosso clube parece ter alguns lugares marcados, onde aconteça o que acontecer os jogadores que ocupam esses lugares são intocáveis. Infelizmente Meireles é um desses casos.
    Abraço

Deixar uma resposta