33%

Chegou este fim-de-semana o primeiro marco no campeonato nacional, o terço da prova. Faltando metade desse terço para chegarmos ao meio da prova (pensem, não é complicado), é altura para fazer um pequeno balanço do que tem sido a época do FC Porto, quer em termos nacionais como também internacionais.
Começando pela parte fácil, a internacional. O apuramento na fase de grupos da Liga dos Campeões surgiu com mais facilidade do que seria de prever, tendo em conta o grupo que nos calhou em sorte. À previsível derrota em Londres no primeiro jogo seguiu-se uma sequência de 3 vitórias consecutivas e o carimbo para a próxima fase, que adiciona aproximadamente 19 milhões de euros, mais coisa menos coisa, aos cofres da SAD. Ao passo que o jogo frente ao Atlético foi ganho com garra e alguma sorte, os outros dois encontros contra o adversário mais fraco do grupo expuseram alguns dos problemas que temos tido. Falta de agressividade e ineficácia de controlo do meio-campo levaram a duas vitórias sofridas contra um APOEL que deveria ser considerado como fraco demais para nos colocar problemas, que no entanto apareceram. Valeu Hulk em casa e Falcao fora para somar 6 pontos e uma liberdade de consciência europeia adiada para Fevereiro de 2010. Pronto, feito, embrulhado, please sir may I have another, siga para o campeonato nacional.
É inegável que estamos a atravessar um momento muito mau. Se em termos pontuais não estamos de qualquer forma arredados da competição, o futebol praticado tem sido medíocre e nada de acordo com os pergaminhos da equipa. Como li no Flama Draculae (http://flamadraculae.blogspot.com/2009/11/cem-nada.html), e concordo, ao fim de 100 jogos, Jesualdo está 100 capacidade de levar a equipa para mínimos patamares de qualidade que os adeptos exigem. De reparar que decorrido um terço do campeonato, o FC Porto já desperdiçou…um terço dos pontos em disputa. É muito ponto perdido e que nunca mais se recupera, alguns dos quais em terrenos que apesar de tradicionalmente difíceis, raramente pareceram tão difíceis como este ano.
Num rápido resumo, aqui fica a minha separação do trigo e do joio, do que está bem e do que está mal:
POSITIVO:
  • Apuramento já garantido para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões;
  • Estabilidade exibicional de Helton, com muito menos erros que em anos transactos;
  • Afirmação de Fernando com maturidade e disciplina táctica;
  • Subida de forma de Fucile, aliando criatividade à garra e agressividade positivas;
  • Vitória no único jogo “grande”, em casa frente ao Sporting;
NEGATIVO:
  • A ausência de um meio-campo criativo nas transições ofensivas;
  • A quase total displicência no meio-campo defensivo, com pouca ou nenhuma pressão sobre o adversário;
  • Fraca produtividade do ataque, pouco apoiado e com baixos níveis de inspiração e confiança;
  • Muitas lesões traumáticas no plantel;
  • Cultura de expectativa, com recuos permanentes no relvado à espera que o adversário falhe e perca a bola;
  • Abaixamento de forma de elementos nucleares na equipa, casos de Raúl Meireles, Cristián Rodríguez ou Hulk;
  • Argumentos tácticos pouco esclarecidos, com opções no mínimo questionáveis para posições estruturalmente fundamentais (Mariano a criativo, dois pontas-de-lança sem entrosamento, entre outras);
  • Número incrível de falhas técnicas, passes falhados ou precipitados, cruzamentos sem destino e más opções de transição ofensiva;
  • Bolas paradas ofensivas com eficácia reduzidíssima, muitos cantos marcados directamente para o guarda-redes e inúmeros livres directos a passar longe da baliza;
  • Bolas paradas defensivas com fracos níveis de concentração, permitindo situações perigosas para a baliza;
Parecem muitos pontos negativos, não é? Se forem a analisar um a um vão ver de certeza que correspondem a muitas das reclamações de quem vê o jogo da parte de fora. É lógico que estamos ainda muito a tempo para recuperar o tempo perdido, mas à entrada para o segundo terço do campeonato não estou muito optimista. Cá ficam algumas sugestões:
  • Aposta em sangue novo. Estou em crer que não será preciso reforçar nenhum sector do terreno quando temos vários lesionados e alternativas jovens que podem servir mas embatem na permanente hesitação de Jesualdo em “queimar” os jogadores muito cedo.
  • Belluschi tem de justificar a contatação. Um jogador de 5 milhões de euros não pode fazer 2 ou 3 jogos razoáveis e depois ficar encostado por tara do treinador ou por falta de condição física. Temos um jogador que ganha bem e que é, aparentemente, o único que é adequado à posição que pertencia a Lucho e que está a ser constantemente colocado no banco.
  • Tem de haver uma rotação do plantel de uma forma mais consistente e sem alterações de posição. Guarín é um médio com características semelhantes a Meireles, não Belluschi; Mariano, quando muito, pode ser um extremo, nunca um número 10. Estas e outras alterações abanam com a estrutura táctica da equipa e não deixam criar entrosamento e jogo de equipa.
  • As compensações defensivas têm de ser incutidas nos jogadores da frente de uma forma mais vincada. Hulk passa a vida para lá do meio-campo, Rodríguez ainda não consegue fazer o campo todo a correr para trás e para a frente, e o único que ajuda na defesa é Mariano, que com as limitações técnicas que mostra acaba por compensar em esforço o que tem de menos em talento. É angustiante ver os laterais habituais (Fucile e Álvaro) que são por natureza muito ofensivos, a apanhar com dois e três jogadores pelo seu flanco, sem saber muito bem onde se devem meter.
  • O apoio central no meio-campo ofensivo é quase não existente. Falcao, quando acaba por conseguir dominar a bola no meio dos centrais, tem de recuar ou descair para os flancos e desperdiçar potenciais jogadas de ataque.
Sou um treinador de bancada, e se ainda não tinham percebido, ficou bem patente nestas linhas. Cabe a Jesualdo fazer as alterações que bem entender para levar o barco a bom porto. E vamos todos ficar à espera que corra melhor do que até agora.

1 comentário

  1. Concordo plenamente com as sugestões . No entanto parece-me que este PORTO precisa de mais opções tanto a meio-campo como na frente. Não me parece que Tomás Costa seja uma solução válida para render ao trio titular que que deveria ser constituido por : Fernando , Raul Meireles e Belluschi, com Guarín na primeira opção do banco. Nada esta perdido pois estão ainda 60 pontos para serem conquistados.

    Saudações Portistas
    O Tripeiro

Deixar uma resposta