Baías e Baronis – Oliveirense vs FCP


(foto retirada do MaisFutebol)

Algumas semanas depois da primeira tentativa no lamaçal de Oliveira de Azeméis, realizou-se finalmente o jogo da 4ª eliminatória da Taça de Portugal frente ao Oliveirense. E quase que adormecia ao ver a partida. Fraquinho, ao nível do adversário que enfrentamos. Para primeiro jogo do ano ficaram algumas boas indicações e outras menos interessantes. Ora deixem-me lá desenferrujar os dedos depois da pausa natalícia:

BAÍAS
(+) Álvaro Pereira e Rodríguez fizeram do flanco esquerdo aquele que foi claramente o mais perigoso neste jogo. O lateral subiu muito bem, rápido e agressivo e tentou sempre combinar com o extremo, mostrando que está em forma e pronto para encarar esta nova fase da temporada com acuidade ofensiva e atenção na defesa. Já Rodríguez fez um jogo mais à imagem do ano transacto, com garra, empenho, nunca virando a cara à luta e mostrando alguns pormenores de toque e remate que dão esperança aos adeptos. Gostei.
(+) Belluschi foi o melhor jogador do FC Porto. Não sendo um jogador extraordinário, tem um toque de bola acima de 90% dos colegas e é o único jogador que não recrimino por falhar passes. Afinal, a função dele é essa, procurar espaços e colocar a bola nos avançados, o que por vezes corre mal mas quando corre bem…as artérias defensivas estão cortadas e há uma linha directa para a baliza. Se continuar com o empenho que mostrou hoje e a aguentar 90 minutos, pode ser finalmente o construtor de jogo que tanto procuramos.
(+) O facto de Orlando Sá e Yero terem ganho alguns minutos, apesar das condicionantes que Jesualdo tinha para este jogo, com Falcao e Farías lesionados e Hulk castigado, acabam por ser benéficas em virtude dos jogos que temos pela frente. Alternativas aos titulares têm de ser testadas e estes jogos que fazem parte de competições menores (onde, convenhamos, esta se enquadra) são excelentes para colocar a malta em campo e dar-lhe minutos. Dito isto, Yero quase não teve um único momento positivo e Orlando Sá teve um regresso à competição pouco feliz, falhando um penalty (que arrecadou) e mostrando compreensível lentidão e fracos atributos técnicos. Mas só jogando é que ganham o ritmo que precisam e que a equipa pode aproveitar em jogos futuros.
BARONIS
(-) Se virem um jogo da liga inglesa, espanhola, francesa, italiana, alemã, qualquer dos campeonatos de topo por esse mundo fora, e forem avaliar os atributos técnicos das equipas que lutam pelo título, aposto que a nossa fica em último ou perto disso. Façam um exercício e contem o rácio de passes acertados/falhados, particularmente nas segundas-partes dos jogos, e vejam a quantidade absurda de jogadas de ataque desperdiçadas, cruzamentos sem nexo cortados pelos adversários ou saídos directamente para lá da linha de fundo. Contem os lançamentos mal efectuados, as reposições atrapalhadas, os cortes para o ar e os domínios de bola mal feitos. Tudo são factores que minam o nosso jogo, tudo são pequenos nadas que dão num jogo feio, mal pensado e ainda pior executado. É confrangedor ver o FC Porto jogar.
(-) Sou da opinião que alguns jogadores devem ser poupados nestes jogos. Apesar de ser necessário manter o ritmo nesta fase que arranca logo depois das férias de Natal e o facto de Jesualdo, Helton aparte, ter apostado na mesma equipa que considera titular (aparte nos jogos grandes, onde Belluschi parece ter lugar apenas depois dos 75 minutos) parece confirmar esta teoria, continuo a achar que se devem poupar alguns elementos-chave, o que provavelmente irá acontecer já no meio da semana, frente ao Leixões. Teremos muitos jogos em pouco tempo e há que poupar os nossos rapazes para as batalhas que se avizinham. Uma dessas peças é Fucile. É daqueles jogadores que só se motivam nos jogos grandes e nestes confrontos contra equipas pequenas faz-me lembrar o melhor jogador de uma equipa de bairro, que vê o jovem gordinho em frente a ele e tenta fintá-lo para depois perder a bola e acertar-lhe na canela só para mostrar que pode fazer o que lhe apetece. Fucile é um jogador fulcral no FC Porto 2009/10 e deve ser dada hipótese de o mostrar. Mas não nestes jogos. Miguel Lopes passou o jogo no banco, a ver o detentor do lugar para o qual compete a brincar e a facilitar em quase todos os lances em que se envolveu. Vocês, ficariam motivados? Eu, garantidamente, não ficava.
Foi pouco mas chegou. Falhou-se mais um penalty e apesar de nunca termos visto a nossa baliza em grande perigo, acabamos por andar a brincar uma boa parte do tempo. Temos muitos jogos e isso pode estar na cabeça dos jogadores mas, como sempre, exijo mais. Contra o Leixões optaria por uma equipa quase na sua totalidade composta por elementos de segunda-linha. Se não me interesso muito pela Taça de Portugal, a da Liga então ainda menos. Podemos ser eliminados na fase de grupos que não sou capaz de arrotar para mostrar que me interesso, por isso vamos lá dar uma hipótese ao Miguel Lopes, ao Valeri, ao Nuno André Coelho, ao Prediger, ao Abdoulaye, ao Sérgio Oliveira, ao Engin, ao Dias, ao Claro, ao Yero, ao Alex, a todos que podem mostrar serviço e oferecer alternativas credíveis. Porque jogar sempre com os mesmos é uma chatice.

Deixar uma resposta