Baías e Baronis – Belenenses vs FCP


(foto retirada do MaisFutebol)


Naquela que foi uma das melhores semanas da época, esta vitória acaba por ser mais fácil que esperada e o jogo terminou com menos golos do que devia. Jogamos bastante bem, com inteligência e boa ocupação de espaços na zona ofensiva, sem o tradicional golo adversário para nos lixar a consciência e com algumas boas exibições individuais, nomeadamente a de Hulk, que se alheou da clara pressão que iria estar sobre ele e que me deixou apreensivo antes do jogo no Restelo. Estava enganado. Givanildo exibiu-se a grande nível e arrastou o FC Porto para uma vitória sem espinhas, extremamente importante para ainda tentarmos lutar para ir à Champions, agora que estamos a apenas 5 pontos do Braga. Notes:

BAÍAS
(+) Hulk. Melhor produtividade era difícil. Um golo, dos melhores deste campeonato, mais duas assistências (seriam três mas o árbitro invalidou uma jogada legal) para golo e uma constante sensação de pânico na defesa contrária dizem tudo. Hulk regressou em grande, com uma brilhante exibição pautada pela força, garra, vontade de mostrar serviço (também para Dunga) e acima de tudo a passar a bola, algo que raramente se via no brasileiro durante os primeiros meses da temporada. Só espero que continue assim, pelo menos nos 7/8 jogos que nos restam até terminar a temporada.
(+) Rolando. É raro dar um Baía a este moço, mas hoje mereceu-o. Não só pelo golo que marcou mas também pelo bom jogo que fez, cobrindo bem a área onde aparecia Lima e Yontcha, que raramente tocou na bola durante a partida.
(+) Falcao. Continua a parecer um pouco cansado mas a questão é que voltou a marcar e pareceu entender-se bastante bem com Hulk durante todo o jogo. O homem luta imenso durante o jogo e apesar de hoje ter estado menos apoiado pelos flancos, recebeu bastante apoio de Guarín e Ruben na zona central, o que ajudou a não ficar tão longe do meio-campo. É uma pena que o rapaz já tenha 4 golos anulados no campeonato, já estaria a liderar a tabela de melhores marcadores…

(+) Helton. Depois de vários jogos afastado da equipa voltou em grande com excelentes defesas e a mostrar uma segurança que deixou a malta da defesa sem preocupações. Continua a ser um mal-amado mas sinceramente mantenho-me na minha convicção que é o melhor guarda-redes do plantel e que Beto, apesar de ter qualidade, não consegue destronar Helton quando o brasileiro está de cabeça tranquila e não se põe a inventar muito. Não percebi o comentário negativo que vem no Público, mas enfim, por isso é que tento não ler as crónicas de outros sites antes de escrever a minha…

(+) Guarín. Não fez um grande jogo, parece-me evidente. Mas não inventou muito, o que já é bom; tentou rematar várias vezes, o que não é mau; principalmente equilibrou o meio-campo, dando a força necessária que faltou a Meireles e a Ruben, desgastados na segunda parte. Não saiu e ainda bem, já que estava a ser o melhor médio da equipa. Porra que esta custou escrever.
(+) Tradição. A entrega da coroa de flores a Pepe.

BARONIS

(-) Belenenses. É fraca demais para ficar na Liga Sagres e acaba por ser uma equipa com quem não percebo como empatamos no Dragão e chegamos aos 30 penalties neste mesmo Estádio do Restelo. Fraca a defender, desorganizada no meio-campo e lenta no ataque, apesar dos fogachos de Lima, talvez o único rapaz que se safe naquela equipa, a par de José Pedro, que aos 31 anos ainda pode jogar noutra equipa com bem melhores argumentos. António Conceição não parece ser capaz de dar a volta ao barco e é daquelas equipas que, com todo o respeito para com os adeptos azuis, espero que desça de uma vez e deixe de fazer sofrer quem gosta de futebol. A coroa de flores para o Pepe vai ter de esperar uns anitos até que o clube volte a mostrar que tem valor suficiente para ficar entre os grandes.


Um jogo em que não dou Baronis a jogadores do FC Porto (ou ao seu treinador) é sempre positivo e como já não acontecia há tanto tempo, é sinal que a colheita foi boa. Voltamos a jogar no Dragão no próximo Sábado e temos em perspectiva um Braga vs Guimarães que nos pode trazer ainda mais sorrisos caso o Vitória se lembre de lá ir ganhar. Ah…as saudades de lutar pelo título…

3 comentários

  1. No regresso do injustiçado, o F.C.Porto conseguiu uma vitória natural, tranquila, sem discussão, numa exibição que não foi brilhante, muito longe disso, mas teve períodos razoáveis, principalmente quando o protagonista era Hulk.

    Depois de uma vitória em Vila do Conde, para a Taça, que nos colocou com pé e meio no Jamor, agora mais uma vitória que permite encurtar distâncias para o segundo lugar e acalentar esperanças na luta por um lugar na Champions.

    É pouco, estamos habituados a muito mais, mas nesta altura temos de ser realistas e fazer tudo de maneira que, se esse objectivo não for conseguido, não seja por não termos feito a nossa obrigação.

    Um abraço

  2. Não foi um grande jogo de futebol. O FC Porto continua com as mesmas dificuldades, as mesmas limitações, a mesma falta de qualidade no passe.

    Contudo, foi um enorme prazer rever Hulk, que sem estar no pleno das suas capacidades fez miséria na defensiva lisboeta.

    Percebe-se as razões da decisão do pavão vermelho de afasta-lo dos relvados o mais tempo possível.

    Um abraço

Deixar uma resposta