Empresários

Os resultados da SAD do FC Porto ontem apresentados aos investidores (1º trimestre do exercício 2009/2010) mostram números que, apesar de positivos acabam por revelar uma verdade que todos os adeptos já sabiam e em grande maioria, discordam. A fatia de 3,2 milhões de Euros que foi entregue a empresários que mediaram os negócios de Cissokho, Lisandro, Ibson e Bolatti, somando aos intermediários pelas contratações de Belluschi, Guarín, Valeri et al.

Um lucro de 19,6 milhões de Euros é fácil de justificar, tendo em conta a política seguida pela SAD desde há alguns anos, onde potencia os jogadores que compra a níveis relativamente baixos, faz o seu valor subir através da exposição ao mercado europeu em jogos da Liga dos Campeões e, não duvido, através de algumas manobras de especulação bem direccionada, e acaba por os vender a níveis muito acima do que é normal para um clube da nossa dimensão. Acima de tudo, esta situação verifica-se quase todos os anos, como já foi estudado por essa Europa fora, desde o Times até ao L’Equipe.
Por isso a questão coloca-se: conseguiríamos obter resultados operacionais nestes montantes sem negociar com empresários? A resposta é especulativa: provavelmente não.

Hoje em dia os empresários funcionam como sempre fizeram, agindo como agentes dos jogadores, mas há uma vertente que se soma e que faz grande parte da diferença: são também donos dos passes. Quando se negoceia com um clube que retém os direitos desportivos do atleta também é necessário entrar em negociações com os detentores dos direitos económicos do jogador, peça fulcral em qualquer contratação. Parece-me complicado pensar em vender Cissokho por 15 milhões sem a intervenção da Idoloasis – Sociedade Unipessoal, Lda ou Lisandro López por 24 milhões sem contar com a mediação (e lucro) da Robi Plus Ltd.
Antigamente negociava-se com os presidentes, com os clubes e o jogador recebia um telefonema a dizer: “Vais para ali. Faz as malas.” e estava feito. Mandavam-se três ou quatro olheiros para a província, abriam-se meia-dúzia de treinos de captação e lá apareciam os putos de chuteiras (os que as tinham) prontos para jogar à bola e mostrar o que sabiam. Hoje em dia o mercado é diferente, o mundo é diferente e os instrumentos pelos quais se rege a sociedade são bem diferentes, positivos ou não. É por isso que este valor de 3,2 milhões, podendo parecer exagerado, é uma alavancagem essencial para negócios desses valores.
Imoral? Talvez.
Exageradamente dispendioso? Sem dúvida!
Necessário? Infelizmente, sim.
A única coisa que se exige neste momento é um cuidado especial para não se deixarem cair em vendas de banha da cobra. Porque Predigers e Guaríns e Benítez há aí aos montes. Só não precisam é de vestir de azul-e-branco.

Deixar uma resposta