Obrigado, Nuno!

Esta apanhou-me de surpresa. Nuno foi um digno jogador e um ainda mais digno representante do nosso clube. Deu o que tinha a dar e acaba por sair numa altura em que estava a começar a ficar provado que não tinha para oferecer ao clube, e principalmente à equipa, muito mais que espírito de balneário e alma azul-e-branca.

No momento de saída, Nuno disse ao site oficial:

«O Futebol Clube do Porto é muito mais que um grandioso Clube, é uma escola de valores como a Lealdade, Fidelidade, Dignidade, Honestidade e Dedicação, que faz de todos os que passamos por esta Casa melhores pessoas. Agradecido pelas palavras do Sr. Presidente Jorge Nuno Pinto da Costa, sinto-me Honrado e Orgulhoso por pertencer à bela história do Futebol Clube do Porto. Sou e serei Porto!»

Pinto da Costa honrou o jogador e o homem:

«O Nuno Espírito Santo fica na história do FC Porto devido à participação em alguns dos feitos mais extraordinários da história do nosso futebol, mas também pelo profissionalismo e pelo espírito de Dragão que sempre encarnou ao longo de todos estes anos. No momento em que decide assumir uma nova etapa, este é um sublinhado que se impõe e ao qual devo juntar os votos de sucesso. O sucesso, de resto, tem estado presente na sua vida no futebol. Em nome do FC Porto, e em meu nome pessoal, quero deixar-lhe um abraço e o nosso “muito obrigado”»

As seis épocas que passou no clube foram recheadas de sucessos e triunfos, desde campeonatos a taças europeias, e Nuno sempre mostrou ser um factor de união e nunca de cisão, sempre colocando a equipa à frente do indivíduo. É destes exemplos que precisamos para o futuro e não vejo no nosso balneário muitos rapazes que lhe possam seguir as pisadas.

Fica a homenagem bem merecida agora que nos deixas, Nuno. Boa sorte para o futuro!

PS: alguém aposta que vai dar um saltinho até Málaga?…

10 comentários

  1. Isto não augura nada de bom…

    O ano passado estavam as coisas mais equilibradas:
    . Deusébio e Jesus no Benfica
    . o Para e o Espírito Santo no FCP
    e o Benfica foi campeão!

    Agora se o Espírito Santo se vai.. hmmm… só espero que não seja para o Benfica, para completar a Santíssima Trindade! É que ele até parece gostar deles, a ver pela ajudinha que lhes deu lá no reino dos Allgarves!

    Só brincadeirinha, o Herlander foi um grande profissional, pelo que os portistas devem estar agradecidos, e perdoar aquele frango no churrasco na taça da cerveja!

  2. É mau para o nosso balneário o arrumar de luvas de Nuno, partindo do pressuposto que Bruno Alves e Meireles poderão abandonar o clube.

    Ficam a faltar jogadores portugueses no balneário que encarnem a mística azul e branca.

    Abraço

  3. É mau para o nosso balneário o arrumar de luvas de Nuno, partindo do pressuposto que Bruno Alves e Meireles poderão abandonar o clube.

    Ficam a faltar jogadores portugueses no balneário que encarnem a mística azul e branca.

    Abraço
    Blogue Pronuncia do Dragão

  4. O facto de perdermos jogadores com peso no balneário não estará relacionado com o facto de o nosso treinador ser jovem e preferir, se calhar, jogadores mais "moldáveis"?
    Espero que não, que seja apenas o decurso natural da vida de um profissional de futebol.

  5. @Vila: concordo com o que dizes. tudo vai depender do tempo de estado de graça que Villas-Boas tiver. espero que os adeptos sejam compreensivos (como eu vou ser) porque está aberta a primeira página de um livro novo, que se quer positivo. é preciso é ter paciência e confiar nas decisões do novo treinador…
    @Dragus: sai um mas entrarão mais. a mística não só se herda mas também se constrói!

  6. Concordo,Jorge.
    A Mística é algo muito importante mas também se constrói,com o tempo.
    Por vezes,urge a necessidade de mudar as coisas e sem dúvida que esta é a altura indicada para tal.Saiu Nuno mas entrou Pedro Emanuel,não se esqueçam disso.

  7. a minha colherada a propósito da mística no nosso futuro balneário vai neste sentido: há que confiar na liderança do treinador-adjunto que dá pelo nome de Pedro Emanuel – um jogador que aprendi a apreciar e que me convenceu totalmente naquele fatídico jogo de Milão, ante o Inter, em que, mesmo manco (literalmente) correu para a baliza (literalmente) e evitou o que seria, na altura, o terceiro golo da equipa nerazzurra.

    saudações PENTACAMPEÃS!

Deixar uma resposta