Órfãos?

Nesta teia de relações em campo há jogadores que são um pouco como os ‘pais’ dos outros. Os defesas-centrais, voltam a ser o exemplo. Há sempre um que na dupla cresce sob a ‘asa’ do outro. Não é um drama. É, até, natural, num plano técnico e humano de complementaridade sem comparação com outros lugares do campo. Pensamos num e logo imaginamos o outro. É o melhor que pode acontecer a uma equipa ao analisar os seus centrais.

Por isso, para o FC Porto perder Bruno Alves é perder mais do que um mero central. Sai, também. o ‘pai’ do outro… central. Gritando com todos, colegas e adversários, fazendo de cada corte uma afirmação de carácter, a seu lado qualquer central, mesmo saído do berço, se sente maior. Rolando foi o último exemplo. Sem esse seu ‘capitão natural’, perde-se uma base do ADN dos onzes azuis-e-brancos desde há décadas. Um traço que dá condições (primeiro mentais, depois técnicas) para os outros jogadores crescerem e serem melhores até do que verdadeiramente são.

Luís Freitas Lobo
in Expresso

O principal problema em perder Bruno Alves é este. A questão que se coloca é: quem virá para ser o novo “pai”?

8 comentários

  1. Excelente comentário do Sr. Luís Freitas Lobo.

    Concordo com a análise, sempre tivemos um "nº 2" muito forte nos últimos anos, João Pinto, Jorge Costa, Vitor Baia e por fim Pedro Emanuel e Bruno Alves…

    Por principio não gosto que o nosso capitão seja Guarda-Redes, acho que deve estar algures entre os centrais e meio campo…

    Quem vai ser? Acho que vai ser mais uma das decisões difíceis de Villas Boas, pq não acredito que o Raul Meireles fique (embora não tenha visto movimentações em contrário).

    Na ausência de Meireles, falta um jogador que possa dar umas chapadas (figurativas!!!) nos colegas e dizer, "Vamos para cima deles cara$%&!!!", todos nós nos lembramos das corridas do Broas e do Bicho a mostrar em momentos difíceis o que deveriam fazer em campo e inclusive puxar pelo público…

    Não sei, se calhar já existe alguém assim no balneário e que me está a escapar…

    Cumprimentos

  2. É um problema complicado, mas o clube já teve muito tempo para pensar e repensar a matéria, a substituição de Bruno Alves deverá estar preparada há muito.

    Vamos ver se a solução nos agrada e dá confiança.

    Com o Bruno sai esse Pai, sai um dos melhores centrais do mundo, sai um grande capitão e um jogador muito experiente.

    Não é fácil substitui-lo.

    As hipóteses que mais me agradariam seriam Ricardo Carvalho (Chelsea) ou Miranda (São Paulo).

    2 jogadores experientes e de extrema qualidade, capazes de entrar no imediato no onze tornarem-se líderes naturalmente, cada um é caso específico mas não os vejo como inatingíveis. Muito pelo contrário.

    Rodriguez..NÃO!

    Aguardemos…

    fromporto

  3. Mas quem será o pai da criança…

    Eu até gosto do Rolando,a sério…por uma questão hereditária seria ele o pai,mas não vejo nele perfil para isso,mas nem é pelas suas qualidades técnicas,é que para ser o patrão,é preciso muito mais do que isso.

    Mas bom,fomos e somos uma autêntica escola de centrais,há anos que vemos chegar,vencer e partir jogadores de enormíssima qualidade,numa sucessão que tinha tanto de eficaz como de natural.

    Aguardemos pois então.

    Nunca se sabe…se calhar ele está mesmo por baixo do nosso nariz e nós não sabemos.
    Ninguém dava um chavo pelo Pepe,ou um tostão furado pelo Bruno…e olhem agora…


    Mas bom,seja como for,temos mesmo que ir ao mercado…e RÁPIDO

  4. Jorge, acho que El Teórico desta vez está coberto de razão.
    Já o disse e mantenho, que a forma como o F.C.Porto vai resolver os problemas cá atrás, pode vir a fazer a diferença entre uma boa época ou uma má época. Uma defesa segura, que dê confiança à equipa, até pode disfarçar alguns defeitos, principalmente nesta altura da temporada em que ainda estamos a apalpar terreno. Se Fucile ficar, fica resolvido um problema, o outro tem de ser muito resolvido. Todos os indícios apontam para Rodríguez, mas pode ser que sejam apenas indícios…

    Um abraço

  5. Desde a saída do Pedro Emanuel, que não havia pai. Ou melhor haver, havia… um tal de Washington Alves…e esses quero-os bem longe do dragão!

    Sempre pensei que o sucessor do Bruno seria o Nuno André Coelho. Pena já ter saído.

    O ideal para transmitir a mística seria o R.carvalho ou o R.costa, mas tanto um como outro parecem-me alvos impossíveis. Comprar por comprar acho que não vale apena. É ficar com os que temos e adicionarmos o André pinto.

Deixar uma resposta