Baías e Baronis – FC Porto vs Rapid Wien

Foto retirada do MaisFutebol

Na saída do estádio, entre conversas em tom amigável com os colegas da Porta19, vinha satisfeito. O jogo foi fracote mas o adversário não exigia mais e acabou por ser bem mais macio do que pensei. Gostei da inteligência da equipa na retenção da posse de bola, gostei imenso dos adeptos do Rapid, a ganir como loucos com 3 batatas na mona e gostei de uma ou outra jogada de um ou outro jogador. Acima de tudo, foi um exemplo simples que esta fase de grupos da Europa League não pode oferecer grande resistência ao nosso clube, bastando para tal jogar com alguma cabecinha e sem facilitar em demasia. O resto resume-se a talento, e disso temos nós suficiente para eliminar os nossos adversários do Grupo L. Vamos a notas:

(+) João Moutinho Este foi o melhor jogo de Moutinho pelo FC Porto. Continuo a dizer duas coisas às pessoas que o criticam e que não vêem um fora-de-série: primeiro, ele não é um fora-de-série; segundo, vão ver um jogo dele ao vivo e digam-me se o rapaz não é bom de bola. Raramente falha um passe e quando a bola chega aos pés dele há quase garantia que vai ser entregue ao jogador na melhor posição possível para continuar a jogada de uma forma positiva. Não pensem em jogadas individuais com dribles sucessivos (apesar de hoje ter feito uma dessas), atravessando barreira atrás de barreira adversária para culminar num remate brutal ao cantinho. Moutinho é cerebral, calmo, disciplinado. O FC Porto não poderia jogar desta forma sem ele.

(+) Maicon Conseguiu secar a torre que lhe apareceu à frente todo o jogo, o que já chegava para uma nota positiva, porque apesar do rapaz não ter talento proporcional à altura, incomodava bastante. Excelente no passe longo, merecia o golo que Falcao acabou por marcar e teve um falhanço terrível em frente ao guarda-redes que mais pareceu tiro ao meco, com um meco obeso que não se mexesse. Gostei muito.

(+) Cristián Rodriguez Duas assistências e muita entrega. Ainda tem de melhorar o físico e continua a ser pouco mais que uma formiga manca no 1×1, mas começa a ser uma alternativa viável a Varela.

(+) Ruben Hesitei em dar-lhe nota positiva. A primeira parte foi fraca, continua com medo de meter o pé e tem de melhorar MUITO no posicionamento táctico sem bola, mas o golo que marcou é excelente e a segunda parte foi melhor que a primeira. Precisa de ritmo para ganhar mais minutos porque gosto de o ver jogar com bola, é inteligente e sabe o que fazer. Neste momento perde para Belluschi porque o argentino está muito mais prático e rápido (o contrário do ano passado, portanto).

(+) Rotação do plantel Dar alguns minutos a outros rapazes que têm jogado pouco foi excelente. Castro e Walter puderam entrar em jogo e ganhar algum ritmo, numa altura em que estamos a meio de um ciclo complicado e em que todas as armas têm de estar afiadas.

(-) Álvaro Pereira Continuo a achar que é o jogador em pior forma na equipa-base do FC Porto. Anda desatento na defesa e falha muitos passes na construção inicial de lances ofensivos. Tem de melhorar muito.

(-) Rapid Wien Muito fraquinho. Sei que tinham várias baixas, algumas delas titulares, mas é mau demais. Houve alturas em que pensei que estava a ver uma equipa inglesa dos anos 80, tal era a parvoíce do “bola prá frente e siga que a torre há-de fazer alguma coisa”. Nem os adeptos lhes valeram, eles que estiveram a berrar todo o jogo, cheios de força (cerveja) e voz afinada (mais cerveja).

Estamos com uma média acima de 3 golos por jogo no Dragão e os adeptos gostam. Temos de continuar a ter paciência com o estilo de jogo mas creio que é um hábito adquirido. O nosso modus operandi é mais lento, mas mais inteligente, mais pausado mas mais controlado, mais eficaz ainda que com menos oportunidades. Por agora está a funcionar e Villas-Boas tem todo o mérito nisso.

9 comentários

  1. Apetecia-me falar só dos últimos vinte minutos, curiosamente, depois da saída de Hulk, pois foi, de longe, o melhor período do F.C.Porto. Foi com a saída do "Incrível" – no Estádio não me apercebi, mas disseram-me que saiu mal disposto e sendo assim, aconselho-o a tomar Rennie ou Kompensan, que a azia passa logo. Estava complicativo, cansado, trapalhão e foi muito bem substituído! – e a entrada de Belluschi, que o F.C.Porto começou a jogar melhor, de uma forma mais consistente, mais organizada, com jogadas bonitas e o terceiro golo, belíssimo, foi uma espécie de cereja em cima do bolo. Não que durante o restante período do jogo, os austríacos tivessem causados muitos problemas, não, não causaram, apenas dois lances perigosos a acabar a primeira-parte e ficou por aí o Rapid, mas porque o conjunto de Villas-Boas, principalmente e de forma notória, na etapa inicial, embora dominasse, jogava devagar, muito pelo meio, complicava, queria resolver individualmente e o jogo arrastava-se, era pouco atractivo, sonolento, enfim, não entusiasmava os cerca de 30 mil espectadores que se deslocaram ao Dragão. Melhor na segunda-parte, melhor ainda, como referi, nos últimos vinte minutos. Aí sim, o futebol praticado já teve qualidade, já entusiasmou, já esteve dentro dos níveis exigíveis à equipa portista e mudou o estado de espírito dos adeptos, pois as últimas impressões é que ficam.

    Resumindo: compreendo que seja preciso poupar – o próximo jogo do campeonato, por muitas razões que falarei na altura própria, é dificílimo…; aceito que o facto do adversário nunca ter mostrado grandes argumentos, também ajude a uma atitude mais relaxada, mais confiante; mas, atenção, só se consegue motivar e levar público ao Dragão, juntando, já não digo sempre, às vitórias, bons jogos. Se as boas exibições forem apenas de forma esporádica, a motivação e mobilização fica mais difícil. Para que o estado de graça se mantenha, é preciso ter sempre presente o passado recente: também ganhamos, conquistamos títulos, mas o entusiasmo…

    Uma palavra final para a extraordinária claque do Rapid de Viena… Que belo exemplo de fair-play deram os austríacos, apoiando sempre, mesmo que a derrota, desde muito cedo, se adivinhasse… Muito bem!

    Um abraço

  2. Mais uma vez vimos o mesmo jogo.

    Apenas com algumas diferenças de opinião:

    1. Ruben Micael – Ainda está muito lento. Apesar do golo não foi um jogo bem conseguido. Ainda não tem lugar no plantel titular.

    2. Falcão – Gostei do que vi e do jogo do Falcão. COmbativo e lutador. É sempre um jogador á porto.

    Agradeço ainda ser um companheiro na luta pela defesa do Moutinho. Grande jogador que nem sempre é compreendido.

  3. Bom dia,

    Ontem fizemos um jogo quanto baste para levar de vencida o Rapid de Viena, que ofensivamente poucos problemas nos criou.

    Na primeira parte, dominamos o jogo sem deslumbrar, com Hulk individualista e menos bem que nos anteriores jogos, mas "tantas vezes vai o cântaro à fonte, que lá deixa a asa" e assim foi, num dos inúmeros cantos conquistados acabamos por chegar à vantagem na primeira parte.

    Na segunda parte, e depois da entrada de Belluschi melhoramos imenso, e o resultado poderia ter sido mais volumoso.
    Realce para as excelentes prestações de Ruben e Rodriguez, jogadores pouco utilizados esta época.
    E Moutinho que rubricou uma excelente exibição.

    O golo de Ruben é uma excelente jogada de circulação de bola e tabelas, com uma finalização fantástica.

    Mais uma vez a SIC demonstrou o péssimo serviço que presta. Primeiro estavam sempre a antever a substituição de Cebola, que no entender deles estava a jogar mal, quando ele foi a par de Ruben um dos mais empenhados e melhor em campo.
    Depois estão sempre a falar no clube deles, ao ponto de gritar golo de Gaitan, quando Falcao marcou … lamentável.

    Abraço

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.com

  4. Jogo com adversário acessível, permitindo gerir o plantel (descanso merecido para Sapunaru, Belluschi e Varela e minutos para Fucile, Rúben, Rodríguez, Castro e Walter).

    Depois de um jogo intenso frente ao Braga, foi pois natural quer esta gestão quer até o menor fulgor competitivo da equipa, que apesar disso, desenvolveu momentos bem interessantes, com destaque para Moutinho (a melhor prestação com o nosso emblema até ao momento), Rúben, Fernando e Rodríguez.

    Vitória confortável e justa, nesta «cavalgada» de vitórias consecutivas em jogos oficiais (dezoito), sem propaganda nem folclore.

    Um abraço

  5. Ó Jorge, acho que está tudo dito relativamente ao jogo, só não podia deixar de te dizer que vi o mesmo num restaurante aqui em Luanda e que na mesa ao lado estava um dos ídolos recentes do FCP, e actual treinador do 1º de Agosto, esse mesmo, o Drulovic!

  6. paga-lhe um fino e diz-lhe que se ele volta a "galar" a minha mulher como fez à saída de um treino do FCP aqui há uns anos, vai ter de sofrer as consequências :)

  7. Jorge gostaria de te fazer uma pergunta.
    tenho 13 anos e descobri à pouco tempo que o meu pai é primo do gaspar do rio ave e o meu pai disse-me que achava que o gaspar ja tinha jogado no porto.
    é verdade?????

  8. ora viva. o teu pai tem toda a razão, o gaspar jogou no FCP em 1997-98 (http://www.zerozero.pt/equipa/portugal/fc_porto/1997_98/ficha/127/default/9). lembro-me que na altura tinha barba bem preta, o que é um contraste para o louro que agora usa na nuca :)

    não era um central extraordinário mas era certinho e não inventava. lutar pela titularidade contra Aloísio e Jorge Costa não é para qualquer um e acabou por andar emprestado, acho eu, e depois foi vendido ao Paços.

    por isso podes dizer ao teu pai que está certíssimo! :)

    um abraço,
    Jorge

Deixar uma resposta