Focus!!!

Este ano temos assistido a um FC Porto com duas caras. Muito prático e eficaz nos jogos grandes contra equipas fortes e que não se remetem à defesa durante quase todo o tempo de jogo, ao mesmo tempo que é menos criativo e atravessa maiores dificuldades em furar defesas que se fecham em campo, especialmente quando fecham as linhas entre meio-campo e defesa. Parece que a inspiração têm batido contra uma parede de cimento e que o movimento dos nossos elementos mais profícuos se limita a incursões de Hulk ou a cruzamentos da lateral que nem sempre chegam ao sítio certo.

Não partilho da fé comum que a equipa está desmotivada e a navegar em velocidade de cruzeiro desde o jogo contra o Benfica no que diz respeito aos jogos da Liga. O jogo de Viena provou que não estamos adormecidos, bem como a segunda parte contra o Sporting, apesar de contra-balançarem contra as exibições mais descoloridas contra Portimonense, Moreirense e Setúbal. Estes três jogos têm em comum três defesas fechadas, três formações sempre atrás da linha da bola e com fugazes tentativas de contra-ataque que raramente resultaram em perigo. Não quero arranjar desculpas, mas parece que toda a gente se está a esquecer que o jogo contra o Portimonense se seguiu a um jogo extraordinário contra o Benfica, com toda a pressão moral e física que foi libertada do lombo dos nossos homens, e que o jogo contra o Setúbal vem depois de uma vitória excepcional na neve de Viena, num jogo extremamente difícil e cansativa. É natural que haja algum relaxamento pela vantagem obtida, mas é preciso continuar com confiança mas com luta, com inteligência mas com sacrifício. Confio em Villas-Boas para conseguir dar a volta à cabeça dos rapazes e fazê-los regressar já neste sábado a uma boa exibição.

A época 2010/2011 têm sido um conjunto de altos e baixos exibicionais, mas uma coisa nos têm mantido orgulhosos e bem-dispostos: continuamos invictos e a liderar a Liga. E todos os Portistas esperam que continuemos assim durante muitas semanas.

2 comentários

  1. Envio a minha opinião pessoal, é que esta baixa na forma é «propositada», e é essencialmente reflexo de uma gestão de esforço.

    Todas as equipas têm altos e baixos, pelo que acho que é um objectivo da equipa técnica que os momentos de forma baixa sejam nesta altura: Natal, com menor densidade de jogos, com jogos menos relevantes (nomeadamente a Taça).

    Quando se chegar a Fevereiro, aí sim, é importante torne a subir as RPMs.

    Abraço a todos,
    Tiago

  2. Eu ja comentei aqui que acho que a exibicao contra o Setubal resultou em grande parte do jogo de Viena.
    Jogar na neve e no frio e muito dificil, e requer um tipo de esforco fora do normal, foi como se estivessem a praticar uma modalidade diferente. O corpo nao estando rotinado para esse tipo de esforco (diferente em termos quantitativos mas especialmente em termos qualitativos) ressente-se mais e demora mais tempo a recuperar.
    A queda drastica na qualidade de jogo do Porto na segunda parte leva-me a crer que esse foi realmente o problema. Os musculos cansados "desligaram" durante o intervalo.
    Outro jogo com uma historia semelhante foi o Porto-Besiktas. E que jogo teve o Porto alguns dias antes (se bem que com mais tempo de descanos se nao me engano)? O jogo de futebol aquatico contra a Academica.

Deixar uma resposta