Vamos pôr mais um P em Braga!

No ano passado este jogo ditou o início de um fim que a imprensa anunciava desde 2006 quando Jesualdo pegou na equipa, com uma batelada de golos falhados a somarem-se a uma exibição muito pobre. Na altura escrevi:

“Por onde começar? Num jogo em que aparentemente nenhuma das equipas quis vencer, o Braga, sem fazer muito por isso, acaba por marcar num chouriço do tamanho das sapatilhas do Shaquille O’Neal. Ainda assim, Helton não fica isento de responsabilidades no golo, o que depois da excelente exibição em Londres acaba por marcar o pleno regresso às displicências que nos habituou. Fraco.”

“Depois de alguma consistência conseguida com Belluschi, eis senão quando aparece Guarín de aparente pedra e cal na equipa, transformando um meio-campo já de si pouco criativo numa parede defensiva demasiado próxima dos centrais e a deixar um espaço extraordinário para os avançados. Falcao muito preso na área, Hulk a inventar e apenas Varela a conseguir produzir o mínimo aceitável, era confrangedor para não dizer vergonhoso ver o FC Porto a organizar jogo antes do meio-campo.”

Adivinham quem foi o trio do ataque nesse jogo ridículo? Hulk, Varela e Falcao. Por isso não quero acreditar que a chave da vitória num campo complicado é simplesmente a presença desses três magníficos em simultâneo dentro do campo.

Há mais soluções tanto técnicas como tácticas. Só é preciso cabeça e vontade de ganhar.

Deixar uma resposta