Global Player Migration Report 2011

O relatório da Professional Football Players Observatory é uma excelente forma de percebermos os padrões migratórios daqueles que são os animais mais importantes do mundo, muito acima do banais gansos-de-faces-brancas ou dos pombos-torcazes: os jogadores de futebol.

Global Player Migration Report 2011 - página 22

Quando vemos que a grande maioria dos clubes portugueses que “importa” jogadores aos contentores, vindos de todos os pontos do Mundo mas preferencialmente do Brasil, é interessante avaliar alguns rácios que este relatório nos apresenta. Gosto particularmente dos trajectos de carreira trans-nacionais, como está exemplificado acima.

Olhando para o gráfico, reparem no padrão a verde, que liga por ordem Brasil – Portugal – Roménia. O mesmo poderia suceder com o Chipre ou com outros países de futebol inferior ao nosso. É curioso, mas nada que não soubéssemos por experiência. Citando do relatório:

The career paths of footballers are increasingly fragmented in many national associations. Contrary to the expectations of clubs, agents and the players themselves, transnational trajectories are more often downward than upward.
For example, many Brazilians who first migrate to Portugal are unable to move up to better leagues and end up playing for Cypriot, Romanian or Armenian clubs. Similarly, many Irish and Welsh footballers who move to England fail to settle in this country and are subsequently re-transferred to Scotland. The only significant transnational circuit in which the intermediate
association is a stepping stone is that leading players from Argentina to Mexico through Chile.

Podemos ver também que o FC Porto está no quarto lugar do ranking de clubes que mais exporta jogadores de qualquer nacionalidade, com 16 jogadores. O Benfica está em 2º com 22 e o Sporting em 16º com 12. Este rácio de rotação do plantel torna mais evidente a necessidade de comprar e vender em permanência para equilibrar balanças comerciais, ao contrário de clubes como o Barcelona ou o Chelsea, que compram pouco mas bom.

Podem fazer download do relatório completo aqui ou em alternativa no site da PFPO. Vale a pena.

Deixar uma resposta