Coerência

O problema é quando os responsáveis vêm a público criticar a arbitragem , aludindo exclusivamente aos lances em que foram prejudicados – e omitindo o resto – , fazendo passar a mensagem de que não ganharam unicamente porque o árbitro não deixou. Ou seja , dizem o que os adeptos querem ouvir. Isto aconteceu agora com o Sporting , tal como já sucedeu com Benfica e FC Porto. E voltará a acontecer com todos eles.

Mesmo sendo politicamente incorrecto , onde eu quero chegar é aqui : os clubes não estão verdadeiramente preocupados com o cenário decepcionante da arbitragem. A única coisa que lhes interessa é queixarem-se quando são prejudicados e assobiarem para o lado quando são beneficiados. Portanto , preparem-se para mais do mesmo : más arbitragens e discursos a condizer. 

Mário Fernando, in Jogo Jogado

 

Não há muito mais a dizer. Mário Fernando continua a ser dos poucos jornalistas desportivos coerentes e racionais neste país.

2 comentários

  1. É violentíssima, de facto, mas a verdade é que dificilmente a coisa acabaria de outra maneira na Luz ou no Dragão. Qual é a frequência dos vermelhos directos para os grandes quando jogam em casa com equipas pequenas?

    E a verdade é que o Sporting tem razões de queixa da arbitragem. Nessa altura, já o Olhanense podia ter um penalty contra e estar a jogar com dez. O que o Mário Fernando escreve é uma daquelas verdades naturais, mas passa ao lado de um aspecto importante: embora isso não desculpe tudo (o Sporting tem obrigação de não depender de uma boa arbitragem para ganhar ao Olhanense), a verdade é que o Carlos Freitas tem alguma razão.

Deixar uma resposta