Less will be more

A época está agora a começar e rapidamente vamos ser re-inundados pelos programas da praxe, aqueles púlpitos em forma de cadeiras forradas com as cores de cada pregador, onde os eméritos juízes em causa própria manifestam o gáudio ou a indignação pontual e sempre bem fundamentados em factos bem adaptados à defesa da situação em análise (naquela semana, porque se mudarmos a agulha e invertermos os actores, a argumentação muda e o prego vê-se revirado mais depressa que o Dí Maria a cair na área do adversário), prosseguindo semana após penosa semana em cruzadas pessoais travestidas de interesse comum a favor ou contra qualquer moínho quixotesco que lhes tenha apetecido inventar na altura.

E nós, os não-mediáticos membros da prole que gosta da bola, sofremos com as muitas idiotices que rodeiam as efémeras pérolas de inteligência futebolística e análise fria dos acontecimentos para nos perdermos em discussões estéreis em que ninguém nunca pode sair vitorioso, porque quando uma posição se torna de tal forma inflexível não admite, por definição, o contraditório, e somos arrastados para o marasmo da opinião alheia, criando cada vez mais anti-corpos sem motivo e abdicando do pensamento próprio.

No more, I say, no more.

Declaro aqui a firme intenção de alterar a minha rotina semanal que fui mantendo nos últimos anos e deixar de ser um espectador bovino destes programas com o interesse quase religioso que tinha no passado. Não vou cortar “cold-turkey” (ou seja, a 100%), ainda posso deitar o olho de vez em quando em situações em que me sinta tentado a perceber, caso tenha ocorrido qualquer situação fora do comum, mas quero dar mais importância ao futebol e cada vez menos a algumas figuras que só o prejudicam. Fica desde já o meu pedido de desculpas ao Miguel Guedes, um dos poucos que mereceria maior atenção da minha parte. Miguel, dude, estou certo que compreendes. Os programas de análise da bola, como o Jogo Jogado ou o Pontapé de Saída, ainda posso ir ouvindo/vendo, mas o resto vai deixar de ser uma parte permanente das minhas noites semanais.

Só me fica uma certa pena de uma coisa: perder o inesgotável filão de estupidez que vai sair das bocarras de alguns elementos dessas homilias em directo, personificadas por aquelas personalidades que sem ser preciso grande empenho aprendemos a odiar. Enfim, lá vou eu ter de arranjar maneira de me indignar com os cruzamentos falhados do Palito ou os cortes inconsequentes do Maicon…

10 comentários

  1. Jorge,

    tens toda a razão. é mau demais. sou benfiquista e principalmente o cervan e o rui gomes da silva metem-me vergonha. e não é exagero nenhum dizer que vi apenas um ou dois excertos de programas de cada 1 deles. mas vou ver se consigo reduzir ainda mais a dose este ano… até ao zero absoluto.

    1. esses dois são do melhor que já vi e ouvi, sinceramente. mas há mais, e não são só do teu clube, nem o meu fica imune…
      retórica a mais futebol a menos. opto pelo contrário.

      um abraço,
      Jorge

  2. Jorge, um dos poucos programas que aí referiste e que efectivamente falavam de bola..acabou! Falo do Pontapé de Saída..”perdeu espaço na grelha da RTP-N”, segundo eles..

    É bonito ver esta tua abstinência, sim senhor.. :)

    Abraço!

    1. Infelizmente o jogo jogado foi cancelado como se pode ver na pagina do FB, penso que escrito pelo “nosso” Alvaro Costa. Provavelmente com o dedo do benfiquista de paredes. Não entendo nada de nada mas quem sou eu … um simples portista que gosta de ver e ouvir falar de futebol de uma forma isenta ??? talves mas isso não vai de encontra aos futeboleiros da CS.

      Um abraço

      http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.com/

  3. Pessoalmente eu prefiro ser evangelizado sub-liminarmente. Vou ao site da RTP e ponho o Trio de Ataque (o único que ainda consigo ver até ao fim) a correr enquanto me ocupo com outras coisas que não façam barulho.

    Mas é de facto muita politiquice e pouco futebol!

  4. Eu honestamente nunca vi um programa desses inteiro (normalmente não consigo ver mais de 5 minutos) da mesma forma que não consigo ver os programas da manhã dos 3 canais informativos do tipo “opinião pública” e explico porquê: é que por muito que goste de futebol e do Porto ou por muito que me interesse um determinado tema em discussão (num nos tais programas da manhã) em menos de 5 minutos aparece um faccioso/mentiroso/pau mandado/atrasado-mental (no caso dos de futebol) ou um atrasado-mental/ignorante/faccioso (político) (no caso do segundo) que me tira do sério e a única coisa que consigo fazer é trocar de canal para não ter de ouvir tamanhas barbaridades…
    Will miss pontapé de saída :(

    Cumprimentos azuis e brancos de sesimbra

  5. Já desde os tempos do “O esférico rolando sobre a relva!” que não se vê um programa de bola decente.

    São todos maníaco-depressivos, tanto mais que já nem o Dr. Pôncio pode animar com as suas tiradas.

    Mas cheira-me que esta tua decisão tem a ver com a alteração de grelha do PortoCanal…

Deixar uma resposta