Ouve lá ó Seleccionador – Dinamarca

Amigo Paulo,

Não estás habituado a receber estas missivas da minha parte, tens razão. Compreendo que não me conheças, porque apesar de já ter falado de ti e sobre ti, nunca até hoje tinha falado contigo ou para ti. Hey, Paulo, it’s me Jorge. Apresentações feitas, adiante.

Acho que posso falar em nome da maioria da população que sabe que na selecção há mais jogadores para lá do Ronaldo, porque o resto dos vedetófilos só querem saber se o puto joga bem ou mal e não se interessa pelos outros. Já sei que não gostas, mas que podes fazer? Aguenta, como tens feito. E continua a convencer todos os que vão entrar hoje no Parken que são um grupo dos melhores da Europa, mas fá-los ver que têm de provar isso em campo. Podemos não estar ao nível da Espanha ou da Alemanha, mas temos de ser capazes de lutar contra Franças e Holandas sem ter medo dos gajos e a Dinamarca está abaixo deste segundo grupo. E imagina como vai ser bonito ver o país unido atrás da Selecção, mas lembra-te que desde que o Scolari enfeitiçou o povo luso com promessas de grandiosidade e espírito nacional (kudos para a ideia, palmada para a execução), nunca mais houve harmonia. É triste mas é verdade. E por isso estamos todos à espera de podermos voltar a bater palmas com entusiasmo às nossas cores, mesmo a rapazes como o João Pereira ou o Postiga, porque se tu os escolheste é porque achas que são melhores que os outros que deixaste de fora. E se conseguires vencer, rapaz, os meus parabéns pela ousadia.

Só me resta desejar-te boa sorte para hoje. Se ganhares és um herói porque pegaste numa equipa de rastos e sem grandes alterações conseguiste fazer um bom trabalho. Se perderes e ficares em segundo, já sabes o que te espera. Afinal, estiveste uns aninhos no Sporting.

Só te faço um pedido: se vires que o jogo está resolvido, seja a nosso favor ou contra, faz-me um pequeno favor: oferece um rebuçado ao Sereno e dá-lhe a alegria de poder ser internacional A pelo país dele. Quando o mandares entrar, diz-lhe: “Estás a ver aquele grandalhão louro na frente? Sim, o Bendtner. Trata de lhe espetar uma cotovelada na nuca!”. Fazias de mim um homem feliz. Não gosto daquele gajo nem coberto de compota de mirtilo.

Sou quem sabes,
Jorge

2 comentários

Deixar uma resposta