Baías e Baronis – Paços de Ferreira 1 vs 1 FC Porto

foto retirada de desporto.sapo.pt

Não foi bom. Não foi aquele FC Porto que estava à espera de ver, que ainda estou à espera de ver desde o início da temporada com algumas honrosas excepções. Este foi mais um entre tantos jogos em que vejo a equipa a definhar na fase crucial do jogo, depois de entrar com alguma sofreguidão e com pouca inteligência, a usar e abusar do jogo directo e das desmarcações aéreas pelas laterais (vá-se lá saber porquê) e com uma tremenda incapacidade de jogar um futebol atraente e criativo. Se a história ainda vier a falar do FC Porto de 2011/2012, será em grande parte com uma expressão: cansados, tanto na cabeça e nas pernas. Pela enésima vez desperdiçámos pontos num jogo que controlamos e a culpa é toda nossa. Cássio fez um excelente jogo, é verdade, mas a quantidade de golos falhados é inadmissível. Vamos às notas:

 

(+) Hulk Merecia mais. Já o disse mais que uma vez que perdoo a Hulk o que não consigo perdoar a outros rapazes, porque a produção ofensiva e as características físicas do nosso Givanildo fazem com que seja um homem que decida um jogo e por isso permito-lhe que tenha desvarios como tantas vezes lhe acontece, quando tenta furar uma parede de cimento humano e não consegue. E depois levanta-se e tenta outra vez. E chateia, mas só quando se percebe que o rapaz deixou de pensar, pôs as metafóricas palas nos olhos e só anda em frente. Hoje teve alguns momentos desses, mas como se viu no golo (uma chouriçada causada por ele), um arranque de Hulk pode ser a diferença entre vencer um jogo e…empatá-lo, como hoje. Fez tudo o que pôde. Sofreu um penalty nítido que não foi marcado (sim, sim, o Sapu também teve aquele lance na primeira parte que podia perfeitamente ser sido assinalado). Tentou muito. Não chegou, mas não foi por culpa dele.

(+) João Moutinho Forte no meio-campo, intenso no contacto e inteligente em posse, tentou mais uma vez pautar o jogo como de costume e conseguiu-o em longos períodos do jogo. Na primeira parte ao lado de Defour (é verdade, o belga jogou! não repararam? é, esteve lá, mas quase nem se notou) e na segunda entre Fernando e Lucho, continua a ser dos poucos que não tem medo da bola e coloca-se sempre pronto para a receber. E depois? Espaço, não há. Linhas de passe, poucas. Remata a 40 metros? Não. Passa para o lado? Que remédio…

(+) Cássio Este fulano, a par do Peçanha ou do Pedro Roma, faz parte daquele lote de guarda-redes que fazem sempre jogos fabulosos contra equipas grandes e abrem aviários industriais quando jogam com equipas “do mesmo campeonato”, seja lá o que isso queira dizer. Quem nos manda ser uma equipa grande? Estupor.

 

(-) As bolas paradas defensivas, mais uma vez Reparem no lance do golo do Paços. Está quase toda a equipa do FC Porto na área. Melgarejo, um gigante de quase um metro e setenta e dois centímetros, salta completamente sozinho no meio do que me pareceram 8 ou 9 jogadores azuis e brancos. Fossem 4. Fosse só um, porra! Estou farto de ver um canto a ser assinalado contra nós e sentir as duas nozes que habitualmente estão da parte de fora a recuarem para o interior do meu corpo, tal é o cagaço que me assola por ver as bolas (as de couro) a voar por cima da nossa área. Muito mau, outra vez.

(-) Perdoem-me o vernáculo: as putas das tabelinhas! Já falei disso várias vezes mas não me calo. O FC Porto transformou-se (e esse efeito agravou-se com a chegada de Lucho) numa tentativa de imitação do Barcelona com as tabelinhas e os triângulos do meio-campo. Só há uma diferença, diria que importante: NÓS NÃO SOMOS O BARCELONA! O James não é o Iniesta, o Hulk não é o Messi, o Moutinho não é o Xavi (talvez seja o mais parecido de todos) e o Rolando definitivamente não é o Piqué. A forma de jogar não pode ser a mesma porque o talento não é o mesmo. Se somarem a quantidade de bolas perdidas neste jogo e em todos os jogos que já fizemos e em que abusamos destes lances…imaginem cada uma dessas situações transformada num remate à baliza. É.

 

Nada está perdido. Que eu trepe a quarenta palmeiras se desisto deste campeonato. Mas é certo e sabido que há sempre qualquer coisa que falha: ou as pernas funcionam e a defesa troca-se toda; ou a defesa está alinhadinha e pronta para o combate e o ataque não marca golos; ou os golos entram mas as pernas falham e mais golos entram…mas na nossa baliza. Nada corre bem, nada parece resultar, as opções tácticas caem por terra, os passes saem pelas linhas laterais e os remates saem pelas de fundo. Mas ainda tenho esperança. Ainda sofro a ver os jogos, ainda continuo a acreditar. E hoje pareceu-me ver alguma crença nos próprios jogadores…até ao golo do Paços. Depois, mais uma vez, a moral caiu a pique. Mais uma moedinha, mais uma voltinha…

21 comentários

  1. Caríssimo Jorge,como li num blog da blogosfera ficaria imensamente feliz de ver este incompetente despedido na festa do título,mas para mal dos nossos pecados vai sê-lo nos festejos dos rivais(queira Deus que seja do Braga). A expressão facial de Vítor Pereira na flash é de uma resignação e impotência que até mete dó! Que acabe depressa este pesadelo!

  2. eu estou de blackout aos jogos so queria dizer que o villas para o chelsea ja arranjou um adjunto que ganha no porto deixou utopias

  3. É verdade que só jogou uma metade, mas a diferença que é ter um Fernando naquele meio-campo é brutal. Antes de mais porque o Defour não é um 6 e porque o Defour rende mais se entrar aos 60 para o lugar dum Lucho exausto. Depois porque o brasileiro é mesmo muita bom. Bolas, o gajo vinha roubar a bola a um amarelo que estava colado à nossa bandeirola de canto para sair com ela jogada, para depois interceptar um contra-ataque ainda no início e deixar o Porto em cima deles, para logo a seguir abrir na direita e dar opções de jogo, para depois cortar outro contra-ataque na esquerda. Tudo isto numa jogada, porra! Deus queira que não se lembre mudar de ares no Verão, faz mesmo muita falta.

    Falando da exibição mais em geral, a equipa até esteve bem, a defesa relativamente segura e o ataque lá ia criando umas oportunidades. É verdade que uns estiveram uns furos abaixo do costume, mas a equipa jogou o suficiente para levar um 2 ou mesmo 3-0 para casa.

    Num aparte, lembro-me dum jogo em que um amigo gritou para a equipa “é precisa garra, pessoal. Vamos lá, mais garra.” Escusado será dizer que nos rimos todos porque era um jogo entre amigos num intervalo que não contava para nada, mas razão teria ele se dissesse o mesmo a meio deste jogo para o plantel. Não há mesmo nenhum jogador PORTO CAR**** na equipa inteira. Nenhum gajo que meta medo aos outros e à própria equipa, que se fosse preciso pegava num jogador pelo colarinho e lhe berrava nas trombas “esta merda é para ganhar!”. Pronto, nunca vi o Jorge Costa fazer isso, mas se era capaz? Não duvido. E quem jogava com ele também não.

    Já temos um comandante, mas para comandar as tropas é preciso quem as meta em sentido. E o problema é que este treinador não é essa pessoa nem tem quem o ajude no plantel. Ai Pedro Emanuel, a falta que tu cá fazes…

    1. olhe eu nao comentar o jogo nem comentario mas ouvi dizer que esta la o paulinho santos para por em sentido so se ja esta velho ja viu que um trabalhador incansavel do norte com trabalho mostrado de decadas como o Jose Mota ninguem lhe da opurtonidade e o portageiro do peras deram lhe um banco de sonho

  4. Não vale a pena chover no molhado.

    Tantas e tantas vezes já se escreveu, se falou e se avisou sobre lances fortuitos, e ainda assim, o FCP não aprende a lição.

    Quantas e quantas vezes já vimos esse filme?

    Muitas e ainda assim, um anão paraguaio 3 centímetros mais alto que Moutinho consegue marcar um golo de cabeça, de bola parada, com todos os grandalhões do FCP lá dentro da área.

    E o pior é que não há desculpas de cansaço, fadiga, calendário, gestão de plantel, nada!!!

    A partir de agora, só jogamos 1 vez por semana e após a páscoa teremos 2 semanas de descanso, devido à final da taça da cerveja, enquanto a galinhada vai ter nos próximos 14 dias Chelsea e Braga no galinheiro, Chelsea lá e a lagartada no WC 21, 4 jogos para quebrar fisica e mentalmente os kung-fu pisa-pisa lampiões.

    E com 1 jogo semanal, sem calendário apertado, sem precisar gerir plantel, sem fadiga muscular ou o diabo que seja para dar desculpas, e ainda assim não formos campeões, É DESPEDIR TODA A GENTE!!!!

    Estou mesmo furioso, e não me venham falar de penaltys e arbitragens, porque o FCP sempre ganhou contra 11, 14 ou 6 milhões!!!

  5. Este Porto resume-se ao seguinte: “One Trick Pony”

    A profecia (“Insubstituivel só o Hulk!”) lançada por Pinto da Costa na pré-época vem mais uma vez morder-nos os calacanhares.

    Apesar de tentar e esforçadamente remar contra a maré dos acontecimentos, é dolorosamente óbvio que qualquer equipa já aprendeu a defender contra o Porto: anulando o Hulk anula-se o ataque portista.

  6. caro Jorge, caríssimas(os),

    a vossa é também a minha frustração.

    vamos «acarditar» que será possível.
    “ser Porto” também inclui desventuras como a de esta época ;)

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

  7. Bom dia,

    Ontem mais uma vez fomos incapazes de ter o estofo, manha e astucia para controlar o jogo e conseguir a vitória.

    Mais uma vez sofremos um golo num erro grosseiro, neste caso de Rolando, que se esqueceu do homem, que durante todo o jogo havia marcado de forma eficiente.

    Mais uma vez falhamos na finalização. Qualquer João Tomás do nosso campeonato finalizaria algumas delas.

    Mais uma vez o árbitro deixou por marcar um penalti que daria a tranquilidade a uma equipa intranquila.

    Por tudo isto, nem razão nem coração me fazem acreditar que esta equipa consiga o bicampeonato.

    Os adeptos não merecem isto.

    Abraço e boa semana

    Paulo

  8. Pronto….é isto.

    “A culpa é minha…(epa tás estúpido?) É NOSSA!”.
    Por breves segundos, pensei que o Vitinho ia fazer uma coisa que nunca o vi fazer, mas que está nos livros, tendo razão ou não, para tal. Mas foi apenas um espasmo que o tipo teve. Logo lançou a culpa para “Nós”…aliás, mais para eles… os jogadores. É um tipo que decididamente não sabe liderar homens, um tipo que não serve para treinador principal do Porto. Que deixa “os mininos” nervosos, sem confiança…que deixa os adeptos à beira de um ataque de nervos e a acreditarem que a cada jogo que passa, o resultado é totalmente imprevisível – seja contra o Braga, Beira-Mar ou Setúbal. Não basta dar a táctica contra equipas grandes, é preciso o (enorme) “resto”!
    Tudo bem que os jogadores já precisaram de um belo par de bofetadas, do Presidente ao roupeiro, mas agora não me parece o caso. Tudo aparenta estar intranquilo e receoso. Porquê ilibar o “Mosca”?

    Resta imaginar como vão ser os jogos dificílimos que nos restam: Quais? Todos, claro…tanto o Olhanense, Beira-Mar e sportem em casa. Braga, Marítimo e Rio Ave fora…
    Oremos.

  9. No commets!

    P.S.- Os adeptos gastam fortunas para ver o Porto do próprio bolso,não é à mama como alguns Portistas que se tivessem de pagar do bolso deles não punham lá os coutos, deixam as famílias e depois estes meninos mimados que ganham fortunas fazem esta merda… assim não!

  10. Viva,

    O Porto teve oportunidades para ganhar “com tranquilidade”? Teve. O Helton teve das noites mais calmas deste campeonato? Teve. O Manko é mesmo só um pinheiro? Infelizmente é.

    No entanto, o problema é mais complicado. Falta-nos jogadores para o meio campo. Quem diria que ia sentir falta (já nem digo de Guarin) mas de um Tomás Costa, um Castro..alguém que possa entrar, correr e impor o físico.

    Um problema que não era complicado de antever depois de entrarmos numa purga de médios (já nem o C. Rodriguez, que podia ajudar, é opção). E, infelizmente, não consigo vislumbrar qualquer saída. A subida de Palito? A recuperação de Danilo?

    Não sei.

    Abraço

  11. Temos que ser realistas e analisar com o distanciamento possível sem nos deixarmos atraiçoar pela paixão votada ao nosso Clube do coração.

    O coração diz-me que, apesar de tudo, podemos ser campeões, mas realisticamente, entendo que temos poucas hipóteses. Esta equipa está muito longe do FC Porto dos últimos anos. Não tem liderança nem estofo. É um conjunto à deriva, que só admira é como, a jogar desta forma, ainda é o líder do campeonato.

    Está na cara o desfecho destas prestações. Não, não é atirar a toalha ao chão, é apenas e só a constatação de uma realidade que há uns meses atrás não se adivinhava.

    Quero muito que o FC Porto, ainda assim, seja campeão, mas se conseguir, será um campeão sem honra nem glória!

  12. Boas

    Sinceramente ainda não recuperei do soco nos estômago de ontem.

    Fui à mata real. Impressionante o cordão humano desde a saída da auto-estrada até ao estádio com uma concentração grande de pessoas às portas da mata real. Era o nosso dia. O arranque para o bi.

    Entramos nervosos mas melhoramos. Marcamos. Desperdiçamos. Sofremos. Desesperamos. Empatamos.

    A jogar como jogamos ontem, em 10 jogos contra o Paços ganhávamos 9 e empatávamos 1. Aconteceram os 10% como tem acontecido muitas vezes esta época.

    A explicação é obvia. Falta de “killer instinct”. Não temos ponta de lança. Embora não pertencendo ao clube de fãs de Vítor Pereira, acho que o homem ao longo da época tem vindo a melhorar mas não pode fazer mais. As 3 opções para ponta de lança que deram ao homem esta época são más. Walter, Kléber e Janko (que mau jogo ontem…). Fernando Santos e Oliveira, tiveram um Jardel, Mourinho o Derlei e o McCarthy, Adriense o Lisandro que sobrou para Jesualdo que ainda teve Falcão tal como AVB. Que diferença.

    Continuamos a depender só de nós mas as pessoas não acreditam. O povo saiu de rastos. Eu também. Pó caralho com isto.

    Abraços

  13. “A jogar como jogamos ontem, em 10 jogos contra o Paços ganhávamos 9 e empatávamos 1. Aconteceram os 10% como tem acontecido muitas vezes esta época.” -excelentemente resumido o campeonato do FCP. A este Porto aplica-se a máxima: nada é tão mau, que não consiga ficar pior.
    Nada a fazer, a não ser sofrer até ao fim. Todos os jogos do FCP neste momento são de tripla.

  14. Boas!

    Tou de rastos com esta época do nosso grande FCP. Desde o início da época, tirando um jogo ou outro mais ou menos conseguido, o PORTO não joga nada. Tembém é verdade que ontem não foi dos piores jogos que fizemos esta temporada, mas não podemos desperdiçar tantas oportunidades de golo. Uma equipa que faz 23 remates e muitos deles em direção à baliza, tem de marcar 2 ou 3 golos. E no final o Rolando mais uma vez adormeceu e deixou que um “gigante” de 1,70m lhe ganhasse a bola de cabeça.

    Apesar de tfodos este desespero, temos de estar com a equipa, lutar com eles, incentivá-los e depois no final da época pedir explicações sobre o que se está a passar.

    Ninguém ama mais o PORTO que os seus adeptos, e esses sim, fazem grandes sacrifícios para os acompanhar a todo o lado e não deixarão de o fazer.

    Saudações Azuis

  15. Boas,

    mais um resultado negativo, desta vez penalizando a má finalização dos jogadores do Porto, a bola esta época parece que tem espinhos e os jogadores a pontapeiam sem carinho, sem confiança, sem certeza do caminho em que a estão a direccionar, e isto um jogador com moral brinca com as oportunidades e até mesmo quando sai mal o remate ela acaba por entrar. Portanto um pouco de altivez e um fato macaco bem oleado e estaríamos a vencer jogos, só o fato macaco sem uma boa dose de confiança não chega nem vice-versa.

    Ah e para finalizar, estou farto de tentar enaltecer as qualidades do Rolando quando falo com os meus amigos da 2ª circular, a época do rapaz está a ser horrível e pronto, já dei comigo a compará-lo ao Polga e isto diz bem da má época que ele está a fazer.

    Abraço.

    PS: O Braga que ganhe hoje para ver se o 2º lugar nos abre os olhos para partirmos para um final de época vitorioso.

  16. Como diz a canção:”É PRECISO TER CALMA”,mas lá que vai ser difícil vai,e eu não me importo que seja sem honra nem glória,porque o clube do regime,já ganhou muitos campeonatos como este e piores!
    cumprimentos

  17. Pois bem. A mim o que me faz impressão é, numa altura em que o Benfica já treina abordagens inspiradas no futebol americano, o Porto ainda não conseguir responder de forma minimamente coordenada aos lances de bola parada. E é coisa que já vem do ano passado…

  18. apenas 1 pequeno reparo. Penso que no lance do golo do Paços a culpa deve também ser repartida pelo Helton. Numa bola metida para o centro da pequena-área o GR tem obrigação de varrer tudo…
    Aliás julgo que este é um dos poucos pontos menos bons do Helton.

    Quanto ao jogo, apenas mais do mesmo que vimos durante a época inteira…

Deixar uma resposta