Sejamos os nossos próprios estofadores

Odeio clichés. Estou a usar a palavra “odeio” para me referir a clichés, para verem a força da minha aversão ao uso desses recursos. Nunca estou “à beira de um ataque de nervos”, “perto do precipício” ou “com fogo no rabo”, não dou “uma no cravo outra na ferradura”, não sou “amigo da onça”, não choro “lágrimas de crocodilo” nem “faço das tripas coração”. Evito-os como um acrófobo foge dos telhados de arranha-céus.

É em grande parte devido a esse escárnio pela muleta fácil de qualquer língua que me incomoda a grande maioria das notícias dos nossos jornais. A sequência de lugares-comuns é tão escabrosa e entediante que deixa qualquer um com o nível de tédio tão alto que apetece ler um bocado de Kafka só para desempoeirar o cérebro. Salvam-se alguns cronistas que por muito antagónicas que sejam as posições defendidas perante os mais diversos assuntos do panorama da bola quando comparadas com as minhas, há alturas em que cedo à qualidade da retórica e penso para os meus bot…(não, Jorge, clichés não, és superior a isso)…e penso: “Ah, seu malvado. Confundes-me com esta retorcida verborreia e colocas-me perante a periclitante posição de ter de ceder às tuas vontades. Não deixarei que a tua vil eloquência me conquiste, pulha!”. Depois passa-me a fúria e mudo de página.

Tanta parvoíce para dizer o seguinte. Estou farto do termo “estofo de campeão”. A primeira vez que ouvi essa alarvidade fiquei a pensar que estavam a falar de um sofá muito caro, mas aparentemente é aplicada no mundo do futebol, quando uma equipa consegue chegar a uma determinada altura da época num lugar perto do topo e com possibilidades de chegar ao final em primeiro lugar. E o Braga, admito, é uma equipa que tem…aham…estofo de campeão. E nós? Toda a gente nos diz desde o início da temporada que não o temos. Que o perdemos, que o deixamos no Metro, sei lá, mas de qualquer forma a imagem que tem sido constantemente passada por jornalistas e analistas (raios, até pelos próprios adeptos!) é a de que o FC Porto é uma equipa sem técnica, sem liderança e à rasca para se manter viva e na luta pelo título, ao passo que o Braga está pujante e vibrante, com a força de duzentos sóis e a energia de duzentos mais.

Não suporto isto. Estamos em primeiro no campeonato e dependemos só de nós para sermos campeões. As exibições não têm sido geniais? Too fucking bad. Só lá estamos porque os outros têm perdido pontos inesperados? Também nós. O Braga joga melhor futebol que o FC Porto nesta altura? Veremos.

Só há uma coisa a pensar até Sábado: quem vencer o jogo mostra que tem estofo de campeão. Mas sejamos nós ou eles a sair do Axa com os três pontos, a outra equipa não é automaticamente “desestofada” porque até ao fim ainda há mais quatro jogos. O único pensamento até Sábado, repito, tem de ser este: vamos ganhar este. E depois vamos ganhar os próximos.

8 comentários

  1. Jorge,

    Compreendo essa forma de pensar…aliás: não acredito que algum Portista pense que o Porto não vá a Braga para ganhar o jogo.

    Na minha opinião, o “estofo de campeão”, a “estrelinha de campeão”, mais as “convicções” dos comentadeiros, é conversa para uma capa de jornal, ou para conversa de café a seguir a um jogo. No dia a seguir, já ninguém se lembra de coisa alguma.

    O problema, é que a equipa é tudo menos estável. Se é capaz de perder pontos contra os últimos classificados a seguir a uma grande vitória, porque raio é que o pessoal não há-de recear um jogo num campo difícil, como é “A Pedreira”?
    Acreditar na vitória, claramente. Recear perder pontos, obviamente. Com um treinador nervoso e instável como parece o nosso Mosqueteiro, ainda mais.

    Este ano, apesar de estarmos em primeiro, não quer dizer que estejamos a milhas dos outros que estão atrás (em pontos e “qualidade de jogo”, pega lá mais um chavão). Com um excelenrte plantel, a coisa está equilibrada.

    Siga ganhar os jogos que aí vêm…mas estou com esse desejo desde o início da temporada.

  2. Boas Jorge o peras no que esta a dar nos telejornais nao esta a mostrar estofo e confianca para os proximos jogos e quando confrontado com o facto do Jardim poder vir a ser o principal ele parece situado agora so resta saber a opiniao dos jogadores sobre os jogos que faltam porque da parte tecnica nao vale a pena esperar muito so esperar que nao faca de emplastro

  3. de pois de zenit em casa, depois de academica fora e casa, depois de gil fora, depois de muito equívocos …

    só peço uma coisa, que a equipa consiga respirar a essência que forma campeões, e que não aconteça como contra a académica, onde tinham a possibilidade de firmar posição na liderança.

    esta situação é consequência de graves erros de casting, quem imaginaria que se fernando se lesionar, não haja ninguem para o substituir.

    só espero a vitória, nem que seja por meio a zero..

    força porto..

  4. caro Jorge, caríssimas(os),

    votos de uma Santa e Feliz Páscoa, para vocês e para todos quantos vos são queridos!
    (extensível a quem visita este blogue de referência da bluegosfera)

    cuidado com as amêndoas e com o coelhinho (da Páscoa?)
    qual coelhinho? o do vídeo em anexo ;)

    ps:
    sobre estofos, há este vídeo aqui ;)

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todas(os) vós! ;)
    Miguel | Tomo II

  5. off-topic:

    “Acredito que a este nível é a qualidade do próprio jogador que percebe o momento de baixar ou de abrir” – VP

    Para que serve o treinador (ou o nosso treinador)?

Deixar uma resposta