Why England Lose…again!

Vi o Inglaterra-Itália com os dentes a ranger e uma emoção a encher a minha alma de futebol, daquele futebol que gosto e anseio nunca deixar de gostar. Perdido o Espanha-França graças ao perfeito timing de um casamento agendado para o mesmo dia, jurei não abdicar deste confronto de gigantes e ainda bem que o fiz. O jogo foi dinâmico, vivo, duro, excitante, bom. E a Itália mereceu ganhar, por incrível que possa parecer se olharmos para o que tem sido a Itália até agora. O cinismo dos seguidores morais de Herrera abriu-se, desabrochou num festival de técnica perfeita, excelente controlo da bola e das emoções e tudo contra uma Inglaterra que é sempre mais fraca do que nos querem fazer pensar. Tiveram sorte de chegar aos penalties e já foi demais. Mereciam ter ido para casa com alguns no saco.

Lembrei-me de imediato de Simon Kuper e Stefan Szymanski, autores do “Why England Lose“, livro com que arranquei a rubrica “Na estante da Porta19“, aqui há quase um ano. Nele, logo nos primeiros capítulos, os autores explanam aquilo a que chamam “Why England Loses And Others Win” e que acabou por dar nome à obra completa. Eis os tópicos que na altura se aplicavam a um campeonato do Mundo mas que se podem transferir para um campeonato da Europa sem dificuldade:

  • Fase 1: Antes do torneio – a certeza que a Inglaterra vai vencer o Campeonato
  • Fase 2: Durante o torneio, a Inglaterra defronta um antigo inimigo numa guerra
  • Fase 3: Os ingleses concluem que o jogo foi alterado devido a um azar que só a eles poderia acontecer
  • Fase 4: Para além disso, todos os outros fizeram batota
  • Fase 5: A Inglaterra é eliminada sem sequer ficar perto de vencer a Taça
  • Fase 6: No dia depois da eliminação, o regresso ao dia-a-dia
  • Fase 7: Encontra-se um bode expiatório
  • Fase 8: A Inglaterra arranca para o próximo Campeonato com a certeza que o vai vencer

Fase 1? Check. Sempre com a maior das arrogâncias
Fase 2? Ainda hoje vimos isso, check.
Fase 3? Talvez, porque falharam dois penalties. Ainda por cima dois gajos chamados Ashley. Só a nós, yadda yadda. Check.
Fase 4? Claro, a Espanha é sempre beneficiada e o Platini quer que a Alemanha chegue à final. Check.
Fase 5? Quartos-de-final. Check.
Fase 6? To be confirmed…
Fase 7? Vai uma aposta? Rooney e a suspensão de dois jogos, Capello demitiu-se, a polémica Terry/Ferdinand…aposto num check.
Fase 8? Nem preciso de esperar muito, vem já aí a próxima fase de qualificação para o Mundial 2014. Espero pelo check.

Ou seja, Kuper e Szymanski estão quase perfeitos na análise. Sic transit gloria mundi. Ou no caso dos bifes…not so much.

PS: Pirlo. Meu Deus.

13 comentários

  1. Caro Jorge,

    A Inglaterra está cada vez mais fraca. A jogar à defesa durante 120 minutos contra a equipa a Itália, que nem tem uma equipa famosa. E isto depois de terem feito aquele jogo também muito defensivo contra a França.
    Acho vergonhoso. E é um problema para os bifes, que eles têm tentado atenuar com as limitações de internacionalizações para jogar na liga inglesa. Mesmo assim, estão de rastos.
    Sim eu sei que há o Lampard (não deve tornar a existir em fases finais) e o Bale (este sim é um enorme jogador e ainda vai dar que falar), mas mesmo assim…
    Abraço,
    PeLiFe
    BASEL84.BLOGSPOT.PT

  2. Acho que a “Fase 1” este ano foi muito diferente. A equipa partiu para o europeu muito desfalcada (lesões e castigo do Rooney), principalmente no meio-campo, e envolvida em polémicas (Rio Ferdinand, etc.) e a maioria dos adeptos tinha espectativas muito baixas. Que só subiram com o primeiro lugar no grupo.

    Além de que Roy Hodgson significa jogar na retranca, muito longe de euforias tipo Eriksson. O problema é que o cattenaccio é (era?) italiano e Grécia há só uma, portanto ontem, após 2 anos de trapalhadas e má preparação, voltaram a casa.

    Para mim, é uma pena que um futebolista enorme como Steven Gerrard, que carrega uma equipa às costas, tenha de se contentar com esta Inglaterra tão desorganizada. Merecia melhor sorte.

  3. Boas Jorge,desde de ja o meu pedido de desculpas por estar a irromper este seu espaco sobre os ingleses para opinar sobre os tugas. Sobre todas as equipas que estao no euro nos somos os que nao ganharam nada,ninguem merece este euro mais que nos ,esta e a minha opiniao nunca fui um amante portugues forveroso,mas depois magnifico 84 que me maravilhou em crianca,muito bom 2000 surprendeu-me,mea culpa em 04,eu ainda culpo o figo por se ter imposto como a figura e nao se resgardou para o necessario momentos decisivos ,nao deixando o deco impor o ritmo,quanto escolari nao falo,agora creio que Portugal foi junto com a italia a que teve mais dificuldade em passar nao por culpa do adversario ,mas por culpa propria,temos tudo para eliminar os nuestro hermanos se pressionarmos o portador da bola e com atencao as costas na desmarcacao,saidas atentas para o ataque sem ser so estemporarias rapidase mais 48h de descanco,mas sinto que se chegarmos a final nao estou a ver a vencermos

  4. el loco Abreu qualificou o uruguai para as meias de 2010 com um panenka, e o ultimo penalti da carreira do Zidane foi um dito cujo ,alguem sabe aonde

  5. Não achei o jogo nada delirante; os últimos 20 + 30 minutos foram uma verdadeira seca… a Inglaterra sem meio campo, não acertava uma jogada que fosse, e os italianos andavam a passo naquela, deixa-os pousar, deixa-os pousar… mas nada. Nem pouso nem golo…
    Fiquei com medo que esta itália ganhe o título…sempre a jogar na mesma tecla…por muita técnica que haja, não gosto…
    mas, enfim, também não gosto do jogo da Espanha…
    (pena que o destino não tenho posto uma contra a outra nesta fase;e, agora espero muito que não ponho mais…)

    claro que a Inglaterra foi justissimamente para casa…tal como a Grécia, tinha uma equipe abaixo das outras…

Deixar uma resposta