DJ Alma

foto ASF, gamada de A Bola

Não é possível ter uma equipa inteira de Messis. Não é financeiramente suportável, perdem-se a maioria dos lances de cabeça e o guarda-redes via-se lixado para defender as bolas mais chegadas ao poste. Por isso se forem a ver em quase qualquer plantel do mundo do futebol civilizado, há muitos Djalmas com número atribuído e inscrição na Liga. O Real tem um Arbeloa, o United tem um Fletcher, na Juve joga um Asamoah e até há um Kroos no Bayern. Tudo jogadores que apesar de não serem vedetas mediáticas e levarem apenas trinta ou quarenta pessoas a sessões de autógrafos, são opções dos treinadores em várias alturas durante uma época que é longa e coloca a equipa perante diferentes circunstâncias que necessitam de diferentes jogadores com diferentes características.

Djalma era um desses moços. DJ Alma (como lhe chama na brincadeira um colega meu da bola), que não mostra classe mas empenho, que não é genial mas trabalhador, que nunca marca golos brilhantes mas ajuda a criar jogadas produtivas. É um team-player, mais um que está lá para mostrar o serviço que sabe mas acima de tudo o que pode. No ano passado, Djalma ajudou a equipa sempre que foi chamado ao relvado, fosse a extremo direito ou defesa direito, desempenhou um papel extraordinário no jogo da Luz para o campeonato, surgindo de trás para a frente e ajudando os colegas com o estilo…pouco estético que sempre mostrou. O Mariano Africano, chamei-lhe na altura do jogo em Paços para a Taça da Liga, que nunca virava a cara à luta apesar da luta lhe dar quase sempre duas lapadas nos dentes sempre que tentava fazer algo para lá do que sabia.

Djalmas e Jameses. É a dicotomia do presente. Queremos mais génios que não cumprem ou formiguinhas que cumprem pouco? Precisamos mais de um Paulinho Santos ou de um Kulkov? De um João Pinto ou de um Ibarra?

The jury’s not out on that one. E ao ver a equipa a arrastar-se em campo como vi no domingo em Barcelos, inclino-me mais para os primeiros. Boa sorte, DJ Alma. Não deixes que os turcos façam pouco de ti, rapaz.

9 comentários

  1. a comparação com os outros jogadores parece-me exagerada. Os outros têm qualidade apesar de não serem estrelas da equipa. Djalma só mostrava vontade, talento pouco vi. Compara-lo com Kroos é um abuso. Kroos é um craque.
    O mariano era um mau jogador. Muito querido pelo público mas péssimo em termos mentais. Fazia um jogo bom em 30. Não pode ser. Djalma era melhorzito.
    Mas o mais importante é o treinador. Com AVB Djalma seria uma opção de real valor como muitos foram. Com VP apenas Maicon e fernando evoluíram, os restantes pioraram e alguns foram afastados como sapu, bellu, guarin, etc. Gestão danosa dos activos.
    Banal, banal, banal.

  2. Discordo desta visão do Djalma, concordo com a ideia dos trabalhadores. O Djalma é esforçado e bom rapaz, acredito eu, mas isso eu também sou e portista também e nem por isso me garantiu um lugar no FC Porto…

    A época passada, que me lembre, a sua produção limitou-se a uma assistência e um golo e já nas últimas jornadas (ou na última mesmo) o que é deveras pouco para um extremo e com tantos minutos de jogo. Invariavelmente. as suas fintas não adiantavam nada e os seus cruzamentos eram para terra de ninguém ou para o guarda-redes.

    Esforçados são também o Moutinho, o Fernando, o Maicon. Mas também eram o Sapu e o Fucille e nem por isso tiveram direito a “participar”…

    Para mim o Djalma não tem categoria para ser nem da equipa B quanto mais do plantel principal. Foi embora e foi tarde e custou muitos milhões – aquele golo falhado logo aos 3 minutos contra o Zenit no Dragão ditou a eliminação da LCE, há que não esquecer…

  3. Não fossem os sacrifícios e trabalho dos sargentos e no peito das fardas dos generais não haveria senão nódoas de wisky…

    r.m.silvadacosta

  4. já me assustava o fetiche do incompetente de espinho por este cepo angolano.

    o mariano dele.
    também deviam ir ao psicólogo juntos.

    até nunca ó angolano!

    os problemas que houve para contratar esta nódoa…e evitar que fosse para um esgoto lisboeta…

  5. djalma não é nenhum sargento. qto muito soldado raso. Mas o problema é que o general é inapto e não sabe comandar as tropas.
    este porto aborrece-me…:(

  6. Ola Jorge,

    Antes de mais, apresento-me: chamo-me Jose Lopes, sou socio do Porto ha 24 anos (menos sete que a idade) e vivo nos EUA (dai escrever sem acentos, computador comprado ca). Tive lugar anual durante 14 epocas, deixando-o quando emigrei (ha pouco mais de um ano). Desde entao, acompanho o clube na medida do possivel (e nao compromentendo demasiado a vida pessoal para ficar agarrado ao pc…).

    O Djalma nunca justificou a contratacao, menos mal que foi a custo zero (provavelmente para alimentar a guerra com o Maritimo). Tenho muto respeito por jogadores que dao o que tem, mas ou isso e acompanhado por talento, ou entao nao chega. O caso do Mariano e o melhor dos exemplos: sempre prestavel, sempre a lutar, mas quase nunca com a qualidade que um jogodor que esteve 4 anos no Porto deveria ter. Creio que tu proprio ja percebeste que as tuas comparacoes nao fazem grande sentido… O Arbeloa e defesa e e regular, o Fletcher e um medio com boa capacidade de passe e que vai marcando uns golos (nao gosto particularmente, e certo), o Kroos conheco mal e o Asamoah pareceu-me excelente quando o vi, fisicamente muito bom.

    Parabens pelo blog, que acompanho ha ja bastante tempo. Prometo ca voltar. Ah, e tambem tenho saudades dos derbies no Bessa, apesar de nao simpatizar minimamente com o Boavista…

  7. Caro Jorge,
    Desculpa mas também não concordo com o essencial do post.
    Não tanto pelas comparações que fazes (também não gosto do Arbeloa e achei o Kroos banal), mas tão só pela opinião do Djalma.

    Eu também aprecio os jogadores esforçados e em particular os que têm alguma polivalência.
    Mas o Djalma não me parece que tenha os mínimos. Quando apareceu achei que tinha potencial e que se se acalmasse seria capaz de poder vir a ser jogador. Joga como se fosse melhor do que é. Pensei que fosse do nervosismo. Infelizmente nunca lhe passou e teve muitas oportunidades.
    O que mostrou consecutivamente foi uma inabilidade muito grande, disfarçada por um valente físico e muita vontade.
    Não chega para o Porto. Não é por acaso que o melhor que se conseguiu foi colocá-lo nuns turcos que acabaram de subir de divisão.

    Voltando ao perfil de jogador útil e esforçado, mas não muito brilhante, tivemos (e temos) alguns bons exemplos no nosso Porto:
    Sapunaru
    Sereno (vai fazer mais falta)
    Quim
    Bandeirinha
    Nélson
    Pedro Emanuel ou o
    Barroso (este só porque tinha um tiro monumental)

    Para mim o Djalma e o Mariano não tem lugar neste grupo. Estão um patamar abaixo e foram contratações que se revelaram erradas.
    A estes dois podias acrescentar o Secretário, o Peixe ou o Folha. Todos sem os mínimos.

    Agora não coloques lá o Paulinho Santos. Este, da escola do André, era um grande jogador. Esforçadíssimo, mas com muito talento (Lembras-te do golo que o PS marcou pela selecção?). A milhas do Djalma.

    abraço,
    PeLiFe

Deixar uma resposta