Um apelo à calma

Começo por citar algumas palavras que escrevi aqui há uns anos, na altura que Villas-Boas arrancou como treinador principal do FC Porto:

“Naquele que será talvez o início de época mais importante dos últimos anos, em que precisamos de estabilidade e tempo para maturar, para evoluir positivamente, para solidificar ideias e estratégias, para crescer como colectivo numa altura de indefinição…numa época onde temos muitos novos jogadores todos eles bastante jovens, com o período de adaptação que todos atravessam numa fase de mudança de hábitos, ritmo e vida…e é nessa altura que esta corja de adeptos aparece para se congratularem com o que para eles é o óbvio, eles que provavelmente eram os primeiros a contestar Jesualdo quando as coisas corriam menos bem.”

Parece-me lógico que as coisas mudaram um pouco desde então. É verdade que não estamos no arranque de uma nova era. Não há passagem de testemunho de um treinador cansado com uma equipa cansada e adeptos cansados. Não acabamos de sair de uma temporada em que a Taça de Portugal pouco serviu para limpar a imagem de uma temporada fraca com um pecúlio limitado. Não tivemos duas derrotas consecutivas num torneio fora de Portugal contra adversários de calibre igual ou até um pouco inferior ao nosso. Mas houve algumas coisas que não mudaram.

Continuamos com a desconfiança natural num treinador que era jovem, inexperiente e olhado de lado por ter passado um naco da carreira dele ao lado de um dos homens que se tornou um vencedor a nível europeu da forma mais rápida que há memória triunfadores do futebol mundial. Continuamos com o plantel instabilizado com notícias diárias de putativas saídas de membros fulcrais (Bruno Alves e Raul Meireles em 2010, Álvaro Pereira e Hulk em 2012). Mas acima de tudo continuamos com adeptos a reclamar por tudo, com tudo e de tudo, antes mesmo de vermos a bola a rolar num ambiente diferente, onde os pitões podem rasgar e a competição já magoa. Continuamos numa espécie de limbo virtual, como se nos colocássemos num qualquer football manager ou casino online em que os jogadores e apostadores se lançam numa demanda doentia pelo cinismo do botabaixo e ficam chateados quando vencem porque não vencem como queriam vencer. Onde se compram e vendem nomes e números pelo prazer do jogo e da competição pessoal em detrimento da causa maior: o FC Porto.

Por isso, meus caros, vamos lá ter um bocado de calma. Ao menos esperem até haver algo que possam criticar, se é que vai aparecer. Villas-Boas, depois do fraco Torneio de Paris, surgiu na Supertaça em grande e venceu o Benfica por 2-0. Dêem o benefício da dúvida a Vitor Pereira. Sim, mais uma vez. Deixem o homem fazer o trabalho dele. Depois, se as coisas não resultarem, critiquem. Mas façam-no com factos, não com conjecturas. Vocês, os portistas, são melhores que isso.

15 comentários

  1. Bom dia Jorge,

    Subscrevo inteiramente as tuas palavras.

    Não entendo o porquê de tanto criticarem VP ainda a época a doer não iniciou, e mais, é de relembrar que o actual plantel ainda não conta com Danilo, Alex Sandro, Hulk … e um João Moutinho a 100%.

    Na época transacta critiquei muitas vezes VP, e nem coração nem razão me faziam acreditar no título que acabamos por conquistar.
    Pinto da Costa, mais do que ninguém sabe como resolver as situações. Se VP não foi despedido na época pasada, após a derrota com a Académica, foi porque PC viu que o problema não era o treinador e a sua inexperiência, como o próprio VP assumiu.

    Se VP continua é porque é humilde, tal como demonstrou aquando dos festejos, quando podia ter elevado o ego após tantas criticas, é um treinador que trabalha, e cujo handicap é a forma de obter a liderança de balneário. Mas PC já culmatou essa situação com Lucho e Paulinho Santos.

    VP este ano dispõe de um plantel que lhe permite ser tricampeão e ir bem longe na Champions.

    Basta serenidade, humildade, carácter, mística … SER PORTO!

    Um abraço

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

  2. Caro Jorge,

    Como muito bem disses-te, a conjuntura é muito diferente da do AVB… este não é um tipo novo é o mesmo que fez todas as asneiradas do ano passado, como perder e empatar com Apoel’s, ser humilhado pelo Manchester City, os empates com equipas acessíveis em casa onde a equipa não exibiu qualquer futebol, derrota humilhante na taça, etc…

    Portanto, a fase do beneficio da duvida já passou.

    Mesmo assim, eu como muitos portistas, esperávamos ansiosamente por esta pré-temporada, pois poderia ter sido um ano em que o homem não teria tido todas as condições iniciais, e as ideias teriam que ser as que foram e não as suas.

    Ora que chegamos ao fim da Pré-temporada e estamos exactamente iguais… futebol zero, não se vê uma equipa, não se vê uma estrutura táctica eficiente, andamos sempre a precisar de jogadas individuais para resolver o jogo.

    Portanto o que se passou o ano passado, não foi nenhum erro, é o que o VP tem mesmo planeado para o Porto.

    Assim sendo a margem de manobra é zero… não quer com isto dizer que no dia que vamos ao estádio ou estamos a ver pela TV, isso conte seja para o que for, pois nesse dia somos Porto, nem que fosse o Paulinho a treinar a equipa, agora gostaria de ir para o Sofá ou para a Bancada, muito mais confiante das nossas capacidades, como normalmente ia com AVB; Mourinho ou mesmo o Co Adrianse.

    Para mais e eu já comentei isso no meu blog, um gajo que em 1 ano (12 meses) consegue desvalorizar e ostracizar 7 jogadores, é porque algo está mal com ele, enquanto líder de homens…

    http://fcpsempredragao.blogspot.pt/

    1. discordo com intensa veemência do que escreveste no blog. não tenho tempo para entrar em detalhes mas a forma como ligas pontos tirados do ar é exageradíssima. eu continuo a acreditar no trabalho das pessoas. e dou o benefício da dúvida a Vitor Pereira porque quero. se não o fazes, muito bem, mas a forma como lhe cascas não me parece a mais correcta. esperemos que comece a época e os jogos a sério. depois já posso dizer alguma coisa de concreto. até lá, é dizer mal por dizer mal, sem produtividade.

      cumps,
      Jorge

      1. Dizer mal por dizer mal é se fosse um treinador novo.

        Eu não digo mal, faço análises aquilo que acontece em campo e no clube.

        E se a esperança que as coisas mudassem, começou assim que a época acabou, está rapidamente a acabar com o fim da pré-época.

        Como já tenho dito várias vezes, espero sinceramente estar muito enganado e vir a elogiar Vítor Pereira pela sua inteligência táctica e técnica, nos jogos que aì vem a começar pelo da Supertaça e para isso cá estaremos todos Sábado, pelas 22:30 da noite, para analisar o que o FCP fez ou não no campo

        Eu deixo-te sós esta frase do meu pai, quando o levei ai acima ver o Apoel o ano passado: “Enquanto este tipo estiver aqui, não ponho mais os pés no estádio, pois isto não dá gosto nenhum ver”.

        O meu pi é a razão de eu ser Portista, e não ia ao Porto à mais de 20 anos.

        O que mudou do Apoel para o Lyon, da semana passada? Nada! Nem no discurso do treinador, que disse que tinha sido um bom jogo e tudo…

        1. sem desrespeitar o teu pai, mas já ouvi essa frase muitas vezes e comigo não cola. eu continuo a ir e esperava que a grande maioria continuasse a ir. não vai, tenho pena, mas não é por isso que desisto.

          enfim, se chegarmos ao fim da época e as coisas não tiverem melhorado, pago-te um fino. caso contrário…pode ser Stella Artois, obrigado :)

          abraço,
          Jorge

  3. “Mas façam-no com factos, não com conjecturas. Vocês, os portistas, são melhores que isso.”

    Infelizmente tenho sérias dúvidas sobre a última frase…o que tenho lido por essa net fora vindo de muitos portistas envergonha-me!

  4. ninguém está a defender ninguém. o que é uma estupidez é acusar antes de ter os factos. é uma boa forma de minar o próprio progresso.
    Amigo Jorge, eu pergunto não será esse o objectivo de muita gente?
    Um abraço
    manuel moutinho

  5. Tem sido das coisas que mais me angustiam como portista é ver tanto adepto em harakiri no apoio à equipa. Ainda nem começou e já somos incompetentes e destruidor de valores. Perdemos tudo antes de sequer ter começado. Não há esperança, nem união e muito menos apoio. Não são todos, claro, mas há uma percentagem considerável que continua (e continuará) a ver VP como um corpo estranho no corpo da família portista.

    CTRL+ALT+DEL, reset, restart anyone?

  6. Bem, nem tanto à terra, nem tanto ao mar!
    Nunca durante a temporada passada quando caiam críticas por todo o lado, deixei de apoiar o treinador. Porém, vi um jogo de apresentação muito tristinho. Muito sem sal. Muito sem garra e sem ideias.
    Mas, o Jorge também viu esse jogo, e sabe bem do que falo.Naquele vamos fazer de conta que com lateralizações e atrasos conseguimos marcar golos.
    Acontece que este é o momento de pedir muito mais. O momento de pedir uma equipe que apresente “sintomas” de personalidade. Que em breve tenha jogadores que saibam jogar de olhos fechados, que cada um jogue sabendo que pode confiar nos outros.
    Não se pode pedir menos!

  7. O Vítor Pereira ainda merece benefício da dúvida? Isso é mais ao menos a mesma coisa que o James ser considerado jogador revelação nesta época…

    O que se pode pedir é ter fé que ele melhore, que a sua ideia melhore e consequentemente que o desempenho da equipa melhore. O homem é honesto e trabalhador mas falta-lhe imenso talento para ser treinador do FC Porto. Já vamos na segunda época e por isso o exemplo de Villas-Boas parece-me descabido

  8. Bem, a época está a começar animada.

    Percebo bem as ideias aqui expostas nestes comentários. Por um lado, há que dar realmente tempo e crédito a quem apesar de tudo conseguiu ser campeão. Compreendo portanto a postura sensata do Jorge. Mas, por outro lado, acho que já todos vemos futebol e o nosso clube há tempo suficiente para sabermos quando a equipa joga pouco – e a verdade é que esta equipa de VP sempre jogou pouco – e portanto não dá confiança nem faz esperar o melhor. Alguma consistência defensiva (ao nível nacional, pelo menos) e bons valores individuais foram (e vão) resolvendo probelmas, mas não chegam para atingir patamares superiores, leia-se, europeus. Uma equipa que segundo o seu treinador tem como modelo de jogo o futebol apoiado e de posse e não consegue fazer quatro passes seguidos…

    Dito isto, e sendo que nada me move a favor ou contra VP em termos pessoais, e sendo ele o actual treinador do meu clube, nada me resta senão torcer pela equipa. Como sempre. Não me peçam é para fingir que estou confiante e entusiasmado. Seria estar a enganar-me. Assim, o melhor é aguardar para ver: desejando (muito) o melhor mas (bem) preparado para o pior.

    abraço, João

Deixar uma resposta