Baías e Baronis – FC Porto 4 vs 0 Beira-Mar

Foi fácil, demasiado fácil. O Beira-Mar, apesar da interessante posse de bola (por nós permitida) na primeira parte, não conseguiu fazer um mínimo exigível para colocar dificuldades a uma equipa do FC Porto que parece confiante, com um jogo estruturado e com evidente capacidade para desenvolver um futebol bonito e com a possibilidade de subir o nível quando é necessário. E hoje quase não foi, porque o jogo durou apenas até ao terceiro golo e o que se seguiu foi um bocejo de trinta minutos intercalado com o golo de Maicon (bela cornada) e um ou outro pormenor de Iturbe, a somar à sequência de parvoíces de Mangala que mostrou que ainda está muito verde para alguém que, aparentemente, saiu direitinho de uma máquina de clonar Pepes. No final, um jogo agradável, três pontos no saco e a noção contínua que equipas como o Beira-Mar, enquanto continuarem a defender quando perdem por três…nunca mais saem do ponto onde estão.. Notas abaixo:

 

(+) A tranquilidade na posse de bola Defour, Moutinho e James formaram o meio-campo de hoje e mostraram o porquê de conseguirmos ter uma superioridade tão evidente. A pseudo-dispensa de um trinco como Fernando, mais agressivo e menos posicional que Defour, leva a que a bola flua bem melhor no centro do terreno. Mas é especialmente a ausência de Hulk que faz com que o espírito da equipa seja obrigatoriamente diferente, com um posicionamento mais recuado e acima de tudo com uma posse de bola mais tranquila e mais controlada. O jogo torna-se menos directo e depende mais da rotação dos jogadores e da bola entre os jogadores. E isso é o mais importante de tudo. O FC Porto não está mais forte sem Hulk. Está mais paciente, forçou-se a ser mais pausado e menos irreverente. Gosto.

(+) James Principalmente no meio-campo, James mostrou que pode vir a ser um jogador fora de série, diferente do que tivemos nos últimos anos e um activo a valorizar enquanto cá está. É diferente do “10” Diego e muito diferente do “10” Deco. Um golo (com sorte, é certo) e duas assistências (a segunda, de cabeça para Varela, é excelente) são os números que ficam depois de uma partida em que mostrou que também sabe lutar, também sabe ir ao chão e tirar a bola aos adversários, também percebe o que precisa de fazer para brilhar para os adeptos e acima de tudo perante o Mundo que o observa. Provavelmente será inclinado novamente para a ala, mas se jogar sempre assim solto e bem-disposto…voltamos a ter o puto em grande.

(+) O golo de Jackson Uma obra de arte, a perfeição futebolística em dois toques de um rapaz que precisava de se redimir depois da “Grande Borrada de Zagreb”. Continua a ser uma excelente parede para os colegas terem um ponto de referência na frente, mas pareceu mais afinado na área, mais pronto a jogar de frente para a baliza, como lhe pedimos. Mas o golo…xissa, homem.

 

(-) A excessiva dureza de Mangala Agora percebi o porquê de Abdoulaye ser convocado! Mangala, a suprir a lentidão de Otamendi para as subidas de Alex, até parecia uma boa escolha, mas havia sempre a possibilidade de ser expulso aos 10 ou 15 minutos de jogo. Pode ter sido só um jogo em que o rapaz passou mal a noite a sonhar que gajos de amarelo e preto lhe tentavam violar a namorada, mas o que é certo é que acertou em tudo que viu. E sempre com virilidade em excesso, com mau timing na intercepção e fraca noção de controlo de espaço. Pior: não acerta um passe em condições que não seja para o lado. Tem de melhorar muito a técnica e a capacidade defensiva no 1×1.

(-) Bolas paradas defensivas Já falei muitas vezes nisto e continuo a insistir: é preciso melhorar nas bolas paradas defensivas. Quase sempre que há uma bola a sobrevoar a nossa área, há qualquer tipo de problema que se apodera dos jogadores porque decerto lhes falta uma vitamina qualquer que os ajude a saltar. Vinte e tal pés no chão não serão a melhor maneira de defender cantos…

(-) O buraco no meio-campo Vitor Pereira, na conferência de imprensa, disse o seguinte: “É claro para mim que, jogando com ele a 10 e apenas dois médios, perdemos consistência.”. Toda a razão. Com o triângulo a manter dois vértices atrás e um jogador solto pela frente, nota-se um certo despovoamento no topo do meio-campo defensivo que se faz notar especialmente a defender ataques rápidos. Vi situações de 3×3 vezes demais no jogo de hoje e fosse contra uma equipa mais inteligente e não sei o que teria acontecido.


Para terminar, foco-me outra vez no Beira-Mar. Uma equipa que passa grande parte do jogo todo enfiada no meio-campo, com uma táctica árvore-de-natal limitada a 50 metros, não merece mais que uma descida de divisão e uma demolição do estádio. Treinadores como Ulisses Morais continuam a insistir na mentalidade do “perder por poucos não é mau” e impedem que os clubes que defendem sejam mais, façam mais, vivam mais. Definham, como o espírito dos seus líderes. Tenho pena.

5 comentários

  1. Boas Jorge,

    Vi o resumo e parece q foi um grande jogo. Como jogou o Iturbe?

    Agora espero que o VP entenda q o James tem q jogar a 10…

    Abraco,
    Joao

  2. Bom dia,

    E já lá vão quatro anos sem perder no Estádio do Dragão. De recordar que a última derrota foi em 25 de Outubro de 2008 diante do Leixões, por 3-2. São 48 vitórias e 11 empates que marcam esta hegemonia, e que fazem do FC Porto uma equipa fortíssima na sua casa diante dos seus adeptos.
    Foi uma exibição conseguida, sem ópera, mas com um solista em destaque – El Bandido.
    Soubemos ser consistentes e ter qualidade sem El Comandante, soubemos ter segurança defensiva nas últimas partidas sem o eucalipto Fernando, que seca tudo à volta.
    Pois é meus amigos, quando saiu Hulk, os portistas mais pessimistas vaticinavam o pior, mas o futebol é um jogo colectivo.
    Era evidente que Hulk era um atleta que resolvia jogos com pontapés e arrancadas incríveis, todavia a equipa sem Hulk soube dar a volta, VP arranjou soluções e por isso, tal como o criticamos tantas vezes, também fica bem dar-lhe os parabéns, pois soube com tranquilidade gerir a saída do Incrível da equipa.
    O público foi fantástico. Bonita e merecida a homenagem a Lucho nesta fase difícil da sua vida pessoal.

    Abraço e bom domingo

    Paulo

  3. Assaltam-nos logo algumas dúvidas quando vencemos bem, equipes fracas… – como será quando for a sério, etc e tal… a verdade é que no ano passado perdemos jogos destes ou arrancamos vitórias a ferros.
    É algo triste, mas a realidade é que há equipes do campeonato português e na champions do platini que são bem mais fracas que nós. Mas, isso não é nossa culpa. E é preciso ganhar a todas.
    E, como tal, sabem muito bem estas goleadas, e servem para encher o ego aos jogadores e fazer rodar os que estão mais verdes… e, também, justiça seja feita ao treinador, ver que há trabalho de treino que finalmente está a dar frutos e que aponta para um futuro mais igual a sempre. Sermos melhores.
    Foi bom; e, o primeiro golo foi um daqueles que se fosse pelo CR, corria todos os cantos do mundo…

    Que continuem, que continuem, que continuem…

  4. Boa tarde,

    Finalmente ao fom da enésima vez que o J Mout deixou de ser o dono da bola e deixou (não totalmente) de marcar as bolas paradas e como consequência existiu perigo na área adversária. vamos ver quanto tempo irá durar?
    É por essas coisas que às vezes penso que o VP tem “medo2 das “vacas” sagradas, pois que não acredito que não analise os jogos.

    Espero que finalmente os especialistas executem o que sabem em vez de prevalecer os egos.

    É isso que distingue o Barcelona dos outros

Deixar uma resposta