Baías e Baronis – Estoril Praia 1 vs 2 FC Porto

Ainda há-de haver um jogo fora do FC Porto nesta liga em que não me dê um pequeno fanico a meio. Não sei o que se vai passando pela cabeça dos jogadores quando optam por não entregar o corpo nem a alma até que cheguem a uma situação que possa trazer instabilidade para o resultado final e os ponha de forma a que um feijão não consiga caber no esfíncter de cada um. E temi que nos acontecesse o mesmo que em Vila do Conde ou em Barcelos, mas acabamos por ter a mesma sorte (conquistada graças a uma boa meia-hora na segunda parte) que tivemos em Olhão. Mas custa-me ver que basta acelerar um bocadinho para conseguir marcar um golo…mas mal nos apanhamos na frente, logo volta a passividade e entregamos a bola ao adversário para continuar a sofrer voluntariamente até ao final do jogo. Talvez os adeptos sofram mais que os jogadores, mas há sofrimento, pelo menos para mim. Notas abaixo:

 

(+) Jackson Parece mais rápido, mais prático e mais solto que quando cá chegou. Melhor, portanto, na linha do que seria de esperar depois de algumas semanas de adaptação. E estou a gostar do que vou vendo no colombiano, com boa noção de baliza, inteligência para servir como pivot no centro do ataque e acima de tudo com um posicionamento muito bom e sempre atento às movimentações dos colegas. Um dos centrais do Estoril sacou-lhe um golo feito depois de um lance de Varela, ainda na primeira parte, mas a desmarcação a antecipar o passe do colega foi exactamente o que espero de um ponta-de-lança. Foi o melhor em campo do FC Porto, para lá do golo da vitória.

(+) Otamendi Gostei muito de Otamendi na zona defensiva, a jogar muito prático, sem passes parvos a 40 metros e a levar a bola para a frente sem correrias loucas a fintar meio-mundo. Falhou um golo que era mais fácil de marcar mas salvou várias bolas no centro da área (não teve culpa no golo, para lá de estar envolvido no marasmo que é a nossa defesa em bolas paradas…ver abaixo) e tapou bem as subidas de Mangala que tentou o que pôde, como pôde, quando pôde. Otamendi é um jogador que não vai parar de oscilar ao longo de toda a sua carreira, alternando o perfeito com o excesso de confiança até ser velhote. É o que temos.

(+) O apoio dos adeptos portistas Muita gente portista hoje a apoiar a equipa, nunca desanimando e a dar uma amostra do que Pinto da Costa conseguiu fazer ao longo dos seus mil jogos (uma vénia, NGP!) como presidente do FC Porto: agora temos muita gente em todo o país que apoia o clube nas suas deslocações, algo que era impensável nestes números aqui há uns anos. Parabéns à malta que lá esteve, só espero que não tenham ficado muito chateados com a primeira parte.

 

(-) Passividade Chateia-me que um jogador do Estoril chegue primeiro à bola que um do FC Porto. Chateia-me que um ressalto seja conquistado por um jogador do Estoril porque um do FC Porto não meteu o pé à bola. Chateia-me que um jogador do FC Porto não consiga dar três passos sem se ver rodeado por adversários de amarelo só porque os colegas não se mexem para receber o passe. Mas o que mais me chateia é mesmo ver que temos de estar a perder para que haja uma reacção visível e activa contra as forças do infortúnio. É verdade que podíamos ter marcado vários golos e que os próprios jogadores pareceram mostrar, na entrada para a segunda parte, que estavam interessados em jogar a um ritmo mais elevado que tinham feito na primeira, mas chateia-me dar 45 minutos de avanço ao adversário. Fazemos isto vezes demais para que possa considerar uma situação ocasional e é o principal ponto que Vitor Pereira terá de analisar com o ponto de vista de melhorar a atitude competitiva. Nem todos os clubes são o Benfica ou a Juventus, o Bayern ou o Barcelona. Mas num campeonato, é contra estas equipas que se constroem as pontes que nos permitem encarar esses jogos com mais tranquilidade. E este ano já lá foram quatro pontinhos para o demónio porque os jogadores não se mentalizaram que todos os jogos são para vencer. Chateia-me e devia chatear Vitor Pereira.

(-) As bolas paradas defensivas Parece que não adiantou o jogo contra o Dínamo, porque apesar deste Estoril não ter um rapaz que marque cantos como o Miguel Veloso, parece tão fácil marcar golos contra o FC Porto neste tipo de lances que me espanto não haver equipas que tentem com todas as forças sacar canto atrás de canto contra nós. As marcações são lentas, nada incisivas, e a táctica do “vou ficar a olhar para ele para o distrair com a minha capacidade de telecinésia”. Não funciona, meus caros, parece que vão mesmo ter de saltar e atacar a bola antes que o adversário o faça. E não consigo entender como é que ninguém ainda se apercebeu disto, tantos têm sido os lances de perigo que deram em golo (ou quase) na nossa baliza. Ah, espera, já se aperceberam. Só que ainda não deram a volta a isto. A resposta? Practice, practice, practice!


Correndo o risco de discordar com a minha própria introdução, a verdade é que conquistámos três pontos num campo complicado, com os nossos adeptos a irem em grande número para apoiar a equipa, que apesar de não ter feito um jogo excepcional conseguiu fazer com que nos safássemos de 40% das deslocações ao sul com vitórias. Ficam a faltar três jogos abaixo do Mondego e o resto fica cá por cima ou na Madeira. Olha, por falar nisso, na sexta-feira vem cá o Marítimo ao Dragão. Espero que o jogo seja mais calmo que o de hoje.

7 comentários

  1. continuo a detestar este mister como detestava o jesualdo ferreira ou o fernando santos,
    realmente nao percebo cestas coisas…. o que é que ainda anda lá a fazer o rolando?
    porque é que a equipa nao consegue manter o fio de jogo durante mais de 5 minutos?
    porque é que esta especie de treinadores não consegue por a equipa a dar show de bola?
    hoje notou-se mas mesmo que ele se benzeu por ter ganho, é muito cagâo pa ser treinador do porto, depois ainda a questao das substituições…… até o meu afilhado de 5 anos me perguntou, nunca mais mete o neguinho que parte tudo? foi tiro e queda, estava 1 minuto atrasado…lol
    mais vale ficar em casa que a equipa safa-se sozinha, depois as subs são sempre as mesmas, ahhh hoje inovou, para nao acontecer como em vila do conde, meteu o tá tudo rolando, pois o ataque do estoril tava fortissimo.
    Continuo a dizer que com este mister não vamos mais alto que campeonatos… é pena.

    1. Claro que se formos sempre analisar tudo a partir de um culpado, neste caso o treinador, sempre encontraremos razão para que a culpa seja dele… tantos treinadores do porto de que não gostou que nos deram campeonatos, que provavelmente festejou, e que são completamente diferentes entre si , p.ex. – jesualdo: transições rápidas – vitinho: posse de bola – que já deveria ter reparado que qualquer coisa na análise não é muito imparcial ….
      quantos jogos de merda não fizemos com o Libras? – alguns não perdemos com uma sorte do caraças – por exemplo o jogo de Dublin contra o Braga… mas pronto. O que interessa são as public relations e a imagem que se tem. Todo o resto se apaga.

  2. Vira o disco e toca o mesmo, que é como quem diz, mais um jogo com duas faces.

    Parece-me que os atletas têm consciência que não são capazes de aguentar a carga de jogos a que o calendário os submete, com a mesma disponibilidade física e mental.

    Eu até posso entender que se queiram resguardar de excessos, mas já não compreendo a forma. Acho que têm uma abordagem errada.

    Primeiro deviam trabalhar incansavelmente para construir um resultado seguro e confortável,para depois sim, procurarem uma toada mais repousada, capaz de lhes permitir descansar controladamente.

    Fizeram precisamente o contrário, ainda por cima consentindo um golo perfeitamente evitável, que os obrigou a correrem e a lutarem mais do que provavelmente estariam à espera.

    Apesar de tudo, vitória justa, que premeia a longevidade de Pinto da Costa como o Presidente mais ganhador do Mundo. Parabéns também para o avançado colombiano que vai marcando golos importantes e se vai afirmando como o único goleador de jeito do plantel.

    Um abraço

  3. Ainda bem que ganhamos porque se não estaria muito mais irritado.
    O que se viu ontem foi mais um jogo igual a tantos outros desta época e da época passada.
    Não culpo o treinador porque a culpa não é dele, a culpa deve ser do preparador físico pois eles não correm e como o treinador não sabe porquê alguém deve saber e para mim só pode ser quem lhes trata do físico.
    Enfim mais do mesmo, o melhor é encarar os jogos com o espírito com que entrei ontem, ou seja vamos lá ver o que nos sai hoje na rifa??? deixar andar porque se não irrito-me tanto que qualquer dia ainda morro e não vale a pena, se morresse de alegria não me importava nada agora por ver que não jogam porque não querem isso a mim mata-me. Volto a insistir já vi equipas do mágico Porto com muito menos qualidade técnica mas PORRA, davam tudo do 1º ao último minuto e mesmo que não ganhassem saía-mos felizes, agora isto??? é uma grande treta para não dizer pior, que saudades que tenho do meu verdadeiro Porto, cheio de raça, vontade, querer e determinação.
    Qualquer dia estamos iguais aos mouros não ganhamos por causa dos árbitros etc..
    A equipa B é a vergonha total, devem estar à espera de descer para depois acabarem com ela, não entendo o Porto está a deixar de ser Porto, com isto vão-se todos os valores criados durante 30 anos pelo o nosso GRANDE PRESIDENTE JORGE NUNO PINTO DA COSTA.

  4. Boas!

    Deves gostar muito de maça… podre! Pensei que ia chegar aqui e ver um “Baroni” para o Moutinho… Ele é bom jogador, disso não há dúvida, mas ontem não jogou nada bem.. demorava a soltar a bola, os passes não saiam bem, em vez de passar logo dava sempre uma pequena corrida quase para entregar a bola de pé para pé ao colega… vi o jogo no estádio junto dos Super, e que espectáculo é assistir ao jogo junto da claque!! Tirando a parte que, não me sentei um minuto…
    Ganhamos e é o que conta, mas a primeira parte… não foi digna do Porto, não digo mais porque acabamos por ganhar com uma boa segunda parte.
    Sexta lá estamos!!
    Abraço

Deixar uma resposta