Baías e Baronis – FC Porto 2 vs 0 Sporting CP

foto retirada de desporto.sapo.pt

Perto do final do jogo, já depois do segundo golo ter finalmente entrado na baliza do Sporting, as claques começaram a entoar a música do costume. “Outra vez, outra vez, campeonato c’o caralho outra vez…”, e o estádio cantou, como quase sempre faz quando o Sporting nos honra com a sua visita e sai daqui habitualmente a pedir almofadas para sentar o rabinho dorido no autocarro. E cantei com eles, com alegria, até que um dos meus colegas de bancada disse a melhor frase da noite: “É mesmo verdade, as músicas clássicas são as melhores!”. Pumba, embrulha. Dá sempre gosto vencer um clássico, mas este teve o dom adicional de enervar um estádio inteiro pela nossa falta de capacidade de impôr um ritmo consistente e forte de início a fim contra uma equipa que está muitos níveis abaixo da nossa. Custa-me ver brincadeira e um quase desprezo pelo adversário quando o resultado está a um lance fortuito de passar de positivo a negativo. Ainda assim foi uma boa vitória, com menos brilho que na quarta-feira contra o PSG mas ainda assim uma vitória com todo o mérito. Notas abaixo:

 

(+) Otamendi Quase perfeito nos cortes e nas intercepções, fez com Maicon e depois Mangala uma dupla praticamente intransponível no relvado do Dragão. Estava em todo o lado pelo chão e pelo ar, ajudou a pressionar à frente e tapou o que era preciso com o vigor habitual que por vezes é exagerado mas hoje esteve na medida certa. Firme na saída com a bola controlada, foi no lado direito da defesa que melhorou quando Vitor Pereira (bem, depois de ver que Mangala não se estava a adaptar bem a ocupar a mesma zona de Maicon) o trocou para essa posição e foi o melhor em campo do FC Porto.

(+) Helton Mais uma vez, como tinha feito em Faro e Zagreb, foi o guarda-redes que uma equipa grande precisa, porque está poucas vezes em acção mas fê-lo sempre com segurança e impediu que o Sporting marcasse sem ser merecido mas que poderia ter colocado dificuldades indesculpáveis à nossa defesa. Duas grandes defesas e várias saídas da baliza marcaram-no como pivotal na vitória de hoje.

(+) O golo de Jackson Começo a achar que marca os golos mais difíceis e falha os fáceis, mas mais uma vez fez uma obra de arte digna de passar em todas as televisões do Mundo acima de qualquer golo de Ronaldo ou Messi. O controlo da bola na coxa, a inflexão do corpo e o calcanhar em pleno voo foram inesquecíveis para quem tiver estado hoje no Dragão. Se ao menos conseguisse fazer o mesmo em jogadas…vá, normais…e tínhamos aqui uma pérola. Assim…ainda tem muito que provar.

 

(-) Baixar o ritmo cedo demais O jogo de hoje deixou-me nervoso sem necessidade e esse é o pior tipo de nervosismo que posso ter durante um jogo para lá de um ou outro jogador lesionado e a chuva que me pode molhar no regresso a casa. É aquela atitude de “cagão”, como se diz no Norte, de quem olha de cima para baixo sem o respeito que o adversário merece e não procura chegar a um patamar de qualidade que seja condizente com o valor das duas equipas, é essa arrogância negativa que me chateia. Porque um bom resultado de um a zero rapidamente se transforma num infeliz empate graças a um remate fortuito ou um lance azarado do guarda-redes, e ainda há uma semana tivemos um excelente exemplo disso mesmo, em Vila do Conde. E a culpa não pode parar nos jogadores, porque Vitor Pereira não conseguiu colocar os rapazes a jogar com a intensidade que mostraram na passada quarta-feira contra o PSG durante mais que os primeiros vinte minutos, em que estivemos novamente bastante bem. Das duas uma: ou Maicon é o líder espiritual da equipa e quando não está em campo há um relaxamento natural graças à falta do “pastor”, ou os gajos olharam para o Sporting e não o temeram. Mas têm sempre de temer o adversário, ou no mínimo darem-lhe o benefício da dúvida. Hoje fomos arrogantes e tomamos o jogo como ganho antes disso acontecer. Não gostei.

(-) Danilo Está-me a começar a preocupar o rendimento de Danilo na lateral-direita. Constantes desconcentrações no flanco, persistentes falhas no passe e pouca audácia a subir no terreno colocam uma pressão extra na utilização do brasileiro em detrimento de Miguel Lopes que é menos jogador mas muito mais consistente e lutador. Danilo tem de subir a produtividade sob o risco de começar a ser “queimado” pelos adeptos e já sei por experiência que não será fácil recuperar a imagem perante os adeptos.

(-) Sporting É fraquinho, este Sporting, e nem as perenes reclamações contra arbitragens lhes safa a imagem de uma equipa desorientada, com poucas ideias e com jogadores sub-aproveitados. A um meio-campo forte em nomes mas fraco em produtividade e um ataque que pouco cria apesar da velocidade de Carrillo, o posicionamento de Wolfswinkel e a técnica de Pranjic juntam-se dois centrais com mais corpo que inteligência e dois laterais que sobem o suficiente para intimidar mas nunca passam da mediania. Cedric talvez seja o melhor jogador deste Sporting, o que é dizer muito.


E agora, mais uma paragem para selecções e duas semanas sem jogos do meu clube. Chateia-me, mas é assim que o campeonato está estruturado. Talvez funcione para a recuperação de Maicon e Alex Sandro, titulares indiscutíveis neste FC Porto 2012/2013, e deixe descansar alguns jogadores que passaram uma semana intensa com as nossas cores. Que não haja lesões e o desgaste das viagens seja colmatado por um regresso em condições à competição. Por agora descansemos. As emoções voltam em breve.

7 comentários

  1. Boas jorge,

    Antes de mais 3 pontos.

    Depois de o grande jogo de 4ª feira o Porto entrou muito bem pressionando e dominando os primeiros 20 minutos. Depois do golo o Porto baixou as linhas, no meu entender sem sentido, os passes começaram a falhar, a pressão deixou de existir, e é aí que temos que melhorar. Não pode acontecer, somos superiores, independentemente do cansaço que pode existir, temos que como disse VP depois do Rio Ave continuar a procurar o 2º golo.
    Relativamente as queixas dos calimeros, comecei a ficar preocupado quando o arbitro começou a distribuir cartões aos jogadores do Porto logo no inicio do jogo o que penso que tambem nos limitou … os penaltis são claros, a expulsão ja deia ter sido mais cedo, por isso os calimeros continuam a chorar … e se não se põem finos ainda vão lutar para não descer de divisão.
    O golo do “Action” Jackson … fabuloso !!!! e penso que com mais meia duzia de jogos vai melhorar ainda mais … temos ponta de lança.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt/

  2. Bom dia,

    Ontem tivemos uma entrada forte na partida e obtivemos a vantagem. Depois dominamos e controlamos o jogo.
    Na segunda parte voltamos a entrar fortes, e foi com naturalidade que obtivemos o segundo golo.

    Pena foi que Jorge Sousa tenha efectuado uma má arbitragem. Muitos amarelos, dois penaltis duvidosos a nosso favor, sempre a quebrar o ritmo de jogo etc.

    O dérbi merecia um melhor árbitro, que não fosse na manhosice do jogador típico do nosso campeonato que se atira ao tapete mal sente o calor humano.

    O Sporting pode observar que existiram penaltis duvidosos, mas sem qualquer influência no resultado.

    O Sporting não criou uma única oportunidade de golo.
    Sinceramente esperava um Leão mais bravo, a querer mostrar valor.

    Mas foi um Sporting amorfo.

    Ao FC Porto aponto novamente o erro de depois da vantagem cair no marasmo e não resolver logo a contenda.

    Quanto aos jogadores, estiveram bem colectivamente, com Jackson a apontar mais um golo de belo efeito.
    James cada vez mais cimenta a sua posição no plantel, Varela está em boa forma e Moutinho é aquela máquina, sempre com o eucalipto Fernando a secar tudo à sua volta e Lucho a comandar.

    Danilo e Alex Sandro muito bem no papel de laterais, a saber temporizar o seu jogo ofensivo e defensivo.

    Excelente ambiente nas bancadas. A família azul e branca está com a equipa.
    Estamos em evolução e isso distingue-nos dos adversários que já estão espremidos.

    Abraço e boa semana

    Paulo

    1. 1 – esteve bem a defender mas com os pés é um susto. sei que estamos habituados a centrais com boa técnica (Bruno Alves, Maicon), mas este rapaz tem de melhorar muito. é rijo e forte, mas pode não chegar. para lá disso esteve bem.

      2 – já tenho lenha para a lareira, obrigado ;)

  3. O FC Porto entrou bem e fez um quarto de hora de excelente nível, altura em que justificou não só o espectacular golo de Jackson como também merecia ter dilatado o marcador.

    Depois caiu numa toada sofrível, caracterizada por excessivas perdas de bola e erros primários que os calimeros nunca souberam explorar.

    Parece inexplicável a atitude portista, só ligeiramente atenuada pelo facto de, à falta de melhores argumentos, os calimeros tenham enveredado pelo recurso da «sarrafada», com a complacência do árbitro, que apesar de os carregar de amarelos, não teve coragem de expulsar mais cedo, dois ou três infractores recorrentes. Por causa disso Fernando viu um amarelo.

    O trabalho do árbitro foi, ainda assim, obviamente contestado, no final, pelo já habitual mau perder dos calimeros. Se como já afirmei, não esteve bem disciplinarmente, tecnicamente esteve bem melhor. Não cometeu grandes falhas e a única dúvida terá sido a segunda grande penalidade, que no Estádio me pareceu correcta. De resto, em seis jogos do campeonato, este foi o primeiro em que o FC Porto, em termos técnicos, não foi prejudicado.

    Um abraço.

  4. Na sua análise ao Zbording esqueceu-se de Izmailov… muito bom. E sempre um susto para o Porto. Graças a Deus ontem os restantes não desenvolveram as suas jogadas … Quanto ao jogo, concordo consigo; sobretudo ontem era necessário vencer.
    Irritou-me o Oceano, mas já sabia que ele era assim espalhafatoso com treinador, e irritou-me o árbitro que é muito mau…
    Irritaram-me menos, mas um pouco mesmo assim, os lances perdidos de Varela, Danilo e Lucho, 10 minutos antes de ser substituído…
    e, enfim era necessário ganhar e ganhou-se. A outra equipe também não pedia mais.

    Falta ali um Lisandro,
    e volta e meia falta ali meio-campo…
    ou talvez,
    só falte ali um Drulo a centrar aquelas bolas açucaradas…

Deixar uma resposta