Baías e Baronis – FC Porto 5 vs 0 CS Marítimo

Cheguei cedo ao estádio. Já com dois cafés no bucho depois das 18h, encontrei dois dos meus amigos/colegas de bancada em conversa intercalada com bocejos lá íamos debatendo as últimas novidades nas nossas vidas, passando o tempo até entrarmos pela porta (dezanove, claro) de entrada para o Dragão. Tinha dormido mal e estava cheio de sono, o dia de trabalho foi rotineiro e pouco entusiasmante depois de uma semana intensa. Cansado, ensonado, subi a interminável escadaria na companhia da malta boa que comigo se habituou a ver o jogo, mas desta vez ia mortiço. Precisava de algo que me acordasse…e a brilhante pentângulação do primeiro golo foi o primeiro estalo que levei nas bochechas, logo se seguindo aquela obra de arte do rapaz que hoje jogou com o número dezassete e que tantas vezes tem feito por merecer as minhas críticas. Hoje, vergo-me perante ele e perante a equipa, porque me despertou e fez um dos melhores jogos do ano. Não há nada a dizer de negativo, há que aproveitar o descanso de uma grande exibição e dar os parabéns à equipa. Vamos a notas:

 

(+) A dinâmica da equipa A maior mais-valia do FC Porto actual vê-se quando James se junta a Lucho e Moutinho no meio-campo e começam a trocar a bola com um rendilhado difícil de igualar e com resultados visíveis. A jogada do primeiro golo é trabalhada, treinada, e fruto de um misto de rotina com inspiração que um equipa com um avançado como Jackson está a mostrar ser, letal. É isto que os adeptos pedem a Vitor Pereira, que dê hipótese a que os jogadores gostem de jogar juntos, que se enquadrem num plantel que tem opções múltiplas, umas melhores que outras como em todos os plantéis, mas que quando as mais válidas e talentosas estão em campo possam pôr na relva tudo o que os coloca no topo da lista. Hoje, como já vimos noutros jogos este ano (contra o Guimarães ou o Paris Saint-Germain, por exemplo), fomos muito melhores porque fomos unidos, inteligentes e criteriosos no passe, na retenção da bola e na busca do cenário certo no momento certo. E os adeptos agradecem, aplaudem e sorriem.

(+) James Sim, o segundo golo foi um lance de sorte, mas foi das poucas situações em que a sorte ditou o que James produziu, já que o resto foi tudo dele. Muito boas desmarcações e excelente a descair do flanco para o centro quando a equipa precisa de rodar a bola com inteligência e capacidade técnica e visão global de jogo, nem sempre é pelo meio que cria mais perigo, mas é certamente por aí que faz com que o jogo flua com mais intensidade e progressão ofensiva. Está a conseguir uma posição na equipa que o está a transformar numa das principais figuras da equipa não só pelo nome e pelo potencial mas pelo futebol jogado em campo. E isso é bem mais importante que vários Sequins de Ouro da bola mundial.

(+) Jackson Já me convenceu. No início tive dúvidas quanto ao seu valor pela aparente falta de mobilidade e entrosamento com os colegas, até porque o investimento tinha sido alto e estava à espera que fosse uma questão cesariana de chegar, ver e vencer. Mas percebo agora que é um jogador diferente de Falcao, menos goleador “à boca do golo” e diferente na movimentação na área e em progressão. Ambos os golos que marcou são fruto de inteligência posicional e facilidade técnica no controlo da bola e do corpo perante a bola, especialmente pela forma como se movimenta na última linha de defesa do adversário e sempre a centímetros do fora-de-jogo, como um Filippo Inzaghi núbio com sotaque espanhol. Gosto do moço.

(+) Varela Não há dúvida nenhuma na minha cabeça que Silvestre Varela é, por mérito dos últimos jogos em que esteve em alta, titular absoluto do FC Porto. E é-o porque é mais jogador que o novo pretendente ganês que ganhando pontos pela juventude e irreverência, perde em experiência e discernimento táctico para o português. Hoje, Varela esteve em bom plano pelo jogo que fez e pela agressividade que colocou em campo ao serviço da equipa, pela luta que travou com tudo que lhe aparecia pela frente e por nunca desistir quando achava que tinha hipótese de triunfar. E marcou um golo que fica na memória de todos que hoje estiveram no Dragão. Bom jogo, rapaz.

 

(-) Marítimo e a complacência da arbitragem Não fosse o resultado ter-se avolumado facilmente e o jogo podia ter caído para as profundezas de um inferno de pancadaria caso os jogadores do FC Porto perdessem a cabeça com as entradas do adversário que começaram a enervar os adeptos. Quando a defesa do FC Porto é composta por nomes como Mangala, Otamendi e Abdoulaye, juntamente com um Defour que hoje parecia ter bebido sete latas de Coca-Cola antes do jogo tal foi a vontade com que entrou para acertar em alguém, um ou dois pequenos incidentes podem descambar em estupidez generalizada e sangue quente a mais. Não aconteceu (mérito aos nossos moços) e Cosme Machado teria culpas se tivesse acontecido, tal era a displicência com que lidava com algumas patadas que os madeirenses acertavam em James ou Lucho. Vá lá, correu bem.

(-) As lesões Maicon, Fernando, Helton e depois Lucho. Parece azar demais para ser verdade mas não houve uma única substituição táctica na equipa do FC Porto hoje à noite já que todas elas foram fruto de lesões dos titulares que tiveram de sair para dar lugar aos colegas que se colocaram nos mesmo sítios, com as mesmas características mas estilos bem diferentes. E não sei porque é que Lucho continuou em campo, porque pareceu-me ver Vitor Pereira e Nelson Puga a mandarem o rapaz sair de campo ou, no mínimo, encostar-se à direita em troca com James para que não tivesse de percorrer muitos metros com uma possível lesão. Não sei se algum recuperará para Kiev, mas é um motivo de preocupação para todos. Imaginam um onze na Ucrânia com Fabiano, Miguel Lopes, Otamendi, Abdoulaye e Mangala, Defour, Danilo e Moutinho, Varela, James e Jackson? Uau.


Do jogo de hoje sobrressai ainda uma nuance mais evidente: quando o FC Porto joga perante uma equipa que não se fecha lá atrás no casulo da sua própria rede defensiva, os resultados são brilhantes. Há alturas em que parece estarmos a ver um grupo de rapazes genuinamente entusiasmados com o estilo de jogo que apresentam e crescem à medida que o jogo vai avançando. Para lá da excelente visão de James, do instinto de Jackson ou do esforço de Lucho em terminar um jogo com dores, a questão coloca-se: porque é que não jogamos sempre desta forma? Não sei explicar, mas hoje também não quero. Só quero apreciar esta charutada que demos aos nossos amigos madeirenses. Pum. Vezes cinco. Soube muito bem.

12 comentários

  1. Boas Jorge,

    Acho que e isso q todos pedimos, consistencia :). Foi um excelente jogo (nao tao bom como o do PSG, na minha opiniao) e aquele primeiro golo e um hino ao futebol. Tudo jogado ao primeiro toque, fantastico. So falta mesmo jogarmos com esta intensidade em todos os jogos e eu rendo-me ao VP, ate la… ;)

    Abraco,
    Joao

  2. Bom dia,

    Hoje finalmente sinto-me bem, como alguém que se sente com o dever cumprido.
    Espero que esta atitude se mantenha em todos os jogos para que dentro em breve esteja-mos mais perto de alcançar o nosso 1º objectivo.
    É esta atitude e esta raça e determinação que todos os Portistas querem, não pode ser só de vez em quando tem de ser assim constantemente para não dar-mos hipóteses aos nossos adversários, o jogo de ontem é ser Porto.
    Vamos esperar pelos próximos para ver se esta atitude se mantém.
    Abraço,

    T

  3. O maior adversário do FC PORTO neste jogo foi o relvado, uma porcaria, causador de 3 lesões (Fernando, Maicon e Lucho). Um grandessissimo Baroni para o gramado!
    Quanto ao jogo foi um verdadeiro espectaculo, um belo recital dado pelos nossos rapazes, mas verdade seja dita que o Maritimo tambem contribuiu. Porque não utlizou autocarros, ferrolhos ou marcações á zona (apenas o Jão Luiz e um ou outro é que se preocuprama em dar porrada em vez de jogar futebol…). Os ilhéus são uma equipa que não sabe fazer transições ofensivas (que belas frase para contra-ataque!), e deixam jogar o adversário.
    E sendo assim sobe de nivel o espectaculo, os golos acabam por ser mais bonitos, as triangulações a 2 resultam e o quadrado no meio campo a 3 dá festival!!!
    Um excelente Baía para nós e porque não, um Baía mais pequeno para os ilhéus, que não tem culpa de ter uma besta a presidente que só sabe usar guardanapos!!!
    E agora há que pensar em Kiev cujo adversário é da mesma estirpe do Maritimo; joga e deixa jogar, e isso é terrivelmente bom para nós, creio eu!
    Força FC PORTO!!!!

  4. Exibição inteligente, agradável e com momentos de alto nível. Bons e muitos golos, num jogo pouco exigente, face à incapacidade do adversário que se tornou presa fácil e não complicou absolutamente nada.

    Destaque para o colectivismo evidenciado onde os talentos de Moutinho, James, Jackson, Lucho (estes mais), mas também de Varela, Defour, Danilo… foram emergindo e desequilibrando.

    Nota negativa apenas para o estado deplorável do relvado, cada vez mais mal tratado e perigoso, responsável, desta vez, por 3 lesões que obrigaram as substituições de Fernando, Maicon e Helton. Falta saber se são recuperáveis para Terça-feira.

    Um abraço

  5. Boa tarde,

    Não foi ópera mas foi cha-cha cha ao ritmo d’El Bandido e sob a batuta de Moutinho.

    Jogo colectivo, jogadas de envolvimento, solos individuais de magia, foram os condimentos para uma grande noite no Dragão.

    Destaque para James, que rubricou uma grande exibição. Marcou e deu a marcar, e conjuntamente com Varela e Jackson foram o furacão que varreu os insulares.
    Jackson “cha-cha-cha” Martinez, cada vez mais confirma os predicados que levaram o FC Porto a apostar num avançado que jogava no desconhecido campeonato mexicano. Bisou na partida, e ficou a dever ainda mais golos.
    Está confiante, e é com uma frieza incrível que fura as redes adversárias. Sete jogos seguidos a marcar, e oitavo golo na conta pessoal para o campeonato.
    Varela, surge num grande momento de forma, dinâmico no corredor, rematador, fez o golo da noite! Fantástico!
    Por último nota de destaque para o maestro Moutinho. Duas grandes assistências para golo e um trabalho muito sólido no meio campo, num jogo em que a responsabilidade do jogo ofensivo passou sempre pelos seus pés.
    Nota negativa para as lesões que foram demasiadas.
    Importante a vitória, que moraliza a equipa antes da deslocação a Kiev.
    Há que manter a dinâmica e atitude, evoluir tranquilamente, pois não podemos adormecer e conceder aos adversários golos fruto de azelhices, como as que sucederam nas anteriores jornadas.

    É pena que o frio meteorológico aliado ao frio nos bolsos, tenha afastado do jogo de hoje muitos adeptos, que perderam um excelente jogo de futebol por parte da nossa equipa.

    Abraço e bom fim de semana

    Paulo

    pronunciadodragao.blogspot.pt

  6. Bom dia!

    Sim uma grande exibição do FC Porto… Parabéns pela crónica.

    Não resisti e roubei um pequeno trecho para colocar numa imagens na pagina (odragaoazul.com) do Facebook. Por estar inteiramente de acordo…

    Um abraço…

  7. Boa tarde,
    Temi antes do jogo que aquela nomeação por parte do mafioso nomeador tivesse consequências lamentáveis. Nunca mais vejo o dia do Cosme Machado, se reformar (já agora também o João Ferreira).
    Não sei se os jogadores se sentiram acicatados pelo paspalhão do presidente do Marítimo, mas a arbitragem (que tanto me irrita) habilidosa do CM, marcava tudo quanto fosse encosto dos nossos jogadores e depois era tão permissivo para os adversários, que temi. Os jogadores do FCP estão de parabéns pela exibição e pela sua postura em não entrarem nessa armadilha.
    Foram uns verdadeiros profissionais. Os meus parabéns.
    Só foi pena o Jackson não ter feito uma manita para a coisa ser completa
    Cumprimentos

Deixar uma resposta