Ouve lá ó Mister – Marítimo


Amigo Vítor,

Já passaram as emoções rocambolescas da noite de alouíne e das bruxas e do raio que as parta a todas e lhes enfie o cabo da vassoura pelo respectivo esfíncter acima. Não gosto dessa treta, admito, e se vamos trazer tradições americanas para este lado ao menos que venha o dia de acção de graças porque é uma festa de grande comezaina e onde as famílias se juntam para ficar uma tarde inteira a ver futebol. Adaptava-se o perú para leitão e o futebol deles para o nosso e zás, era uma festarola à tuga. Nisso, alinhava. Mas enfim, desvio-me do ponto principal.

Logo à noite vou ao Dragão ver o meu clube jogar contra aquele clube das camisolas parecidas com a bandeira da naçom mas que usam calções brancos porque se fossem amarelos havia qualquer espécie de implosão estética que fazia com que o buraco da Madeira se transformasse numa máquina de fazer dinheiro. De qualquer forma, vai ser uma hipótese de voltar a ver o Briguel e não há muitas coisas neste mundo que me agradem mais que ver o Briguel a perder. E então perder connosco…geez, dude, é branco sobre azul.

Também sei que este jogo aparece numa altura em que a grande maioria do mundo portista civilizado já está a olhar para a próxima semana e para o que se vai passar em Kiev, porque aí decide-se se vamos já confirmar a passagem à próxima fase da Champions. Esquece isso por agora. E obriga os teus rapazes a esquecerem isso hoje, porque a partir de amanhã já se podem preocupar outra vez com os cantos do Veloso (ao contrário dos penalties do pai dele que já sabemos que são uma borrada, não é? ehhhhhhhhhhh). Hoje temos de jogar em condições e sem aquela tremideira absurda que mostrámos contra o Estoril e que não me agradou nem um bocadinho. Por isso raspa lá o pó de ouro do teu fato e arranca uns aplausos da malta. Desafio-te, anda lá.

Sou quem sabes,
Jorge

4 comentários

  1. À parte do comentário futebolístico só queria dizer que o alouíne é a comemoração de uma tradição bem nortenha que é o ano novo celta, ou o dia de finados ou o que lhe queiras chamar caro Jorge. o “trick or treating” era tradição bem antiga no Norte de Portugal em que os putos iam cantar versos a casa das pessoas rogando pragas a quem não lhes dava um pedaço de broa, as idas ao cemitério para honrar os mortos também daí vêm porque era neste dia que o nevoeiro se dissipava e os celtas “viam” os elfos, enquanto que os mortos voltavam às antigas casas se não fossem apaziguados. Deixa-me adicionar que muito antes do dia de Todos os Santos ser apropriado pela Igreja Católica, já tudo isto se passava.
    Perdoa-me o atrevimento do esclarecimento, mas já que toda a gente gosta muito do Viriato e dos lusitanos e se esquece que as nossas raízes são de facto galegas, aproveitei o espaço para informar o pessoal.

    Contextualização do feriado que acaba (pelos vistos não é tradição lisboeta, e como todos sabemos, entre manter tradições lisboetas ou tradições do resto do país… que se lixe a paisagem) feita, vamos lá ver se ganhamos aos verde-rubros e de preferência que os nossos rapazes levem este jogo mais a sério que os últimos por terras portuguesas.

  2. Bom dia,

    Hoje temos um jogo complicado no Dragão antes da deslocação a Kiev.

    O Marítimo tem feito um campeonato regular, e tem-se mostrado a bom nível na Liga Europa.

    Manteve a mesma estrutura da época passada, é uma equipa organizada, com bons jogadores e sempre lutadora.

    Ao Porto cabe o favoritismo e a obrigação de vencer.

    Erros defensivos como os que têm ocorrido serão de evitar.
    Máxima concentração e entrar com atitude para resolver o mais rápido possível o desafio.

    Logo com o apoio da massa adepta esperamos mais uma vitória.

    Abraço e bom fim de semana

    Paulo

  3. Já agora e tambem sobre o aluíne que importamos dos USA, deve ser dito que o verdadeiro dia de finados é hoje, dia 2 e não ontem que foi dia de todos os santos…
    Portanto, vamos lá enterrar o Marítimo!!!!

Deixar uma resposta