Baías e Baronis – SC Braga 2 vs 1 FC Porto

foto retirada de desporto.sapo.pt

Acontece sempre a mesma merda e não há maneira de conseguir dar a volta a isto. Começo a ver um jogo do FC Porto na Taça de Portugal e no início nem estou muito preocupado, imaginem que até jantei antes do jogo e tudo, tal era a despreocupação com qualquer tipo de desarranjo estomacal que já aconteceu noutras circunstâncias e especialmente noutras competições. E o que se passou hoje não foi diferente, porque pouco tempo depois do jogo arrancar já estava a festejar o golo, a gritar para o Miguel Lopes deixar de ser louco e a insultar o Mossoró. Chateou-me perder este jogo por vários motivos. Pela derrota em si, que de si já é mau num jogo do FC Porto; por ter acontecido da forma que se viu, com algum azar e pouco discernimento; mas principalmente porque podíamos ter feito mais quanto a isso. Não há garantias que a primeira equipa tivesse conseguido vencer como no fim-de-semana passado, mas teríamos tido melhor hipótese de controlar o jogo ao passo que com a equipa alternativa (e jovem) que Vitor Pereira apresentou…não era tão fácil. Enfim, restam-nos três competições mas tínhamos todas as condições para estarmos ainda em quatro. Vamos a notas:

 

(+) Defour Muito forte na marcação no meio-campo, a fazer frente a Custódio no campo da recuperação da bolas mas principalmente a funcionar como principal homem na rotação da bola para a endossar para James na melhor condição possível para que o colombiano conseguisse fazer o que habitualmente faz. Raramente o conseguiu, mas o belga passou o jogo todo a trabalhar para a equipa, escondido das luzes da ribalta mas constante na capacidade de trabalho e organização do meio-campo, bem escudado por Fernando e adjuvado por Castro, mais lutador mas quase sempre menos claridivente.

(+) Castro Começo como acabei o parágrafo anterior. Castro é lutador mas quase sempre menos claridivente que os colegas de equipa, mas é um elemento que pode ser muito útil em vários jogos e hoje foi um deles. Teve algum azar em ser expulso mas o segundo amarelo acaba por ser bem exibido tendo em conta o critério seguido ao longo da segunda parte. Até então, Castro foi um elemento em permanente actividade, talvez acertando vezes demais nas pernas dos adversários do que devia. Lutou, é verdade, mas tem de ter um bocadinho mais de calma quando já tiver um amarelo no lombo…

(+) Otamendi e Mangala À imagem do que tinham feito no jogo do campeonato, tanto um como outro estiveram muito bem, com Otamendi num nível ainda superior quando comparado com o colega do lado esquerdo da defesa. O argentino continua em excelente plano tanto na intercepção como na saída com a bola controlada (com uma ou outra falha), e o francês persiste na rigidez defensiva, no bom controlo de bola e insiste em juntar-se à frente para ajudar o ataque sempre que pode. Infelizmente nenhum dos dois conseguiu evitar os golos do Braga mas não tiveram qualquer culpa em nenhum deles.

 

(-) Kleber e Atsu Estou farto de Kleber. E nem se trata tanto da incapacidade de conseguir enfiar uma bola na baliza, mas pela nulidade de produção para a equipa que o brasileiro insiste em apresentar quando é chamado à titularidade. O golo contra o Nacional foi apenas isso, um golo, mas se olharmos para as correrias que faz durante o jogo, quase sempre sem direcção planeada, a fazer uma pressão sobre o adversário que não era aceitável num meiinho de escola. Mau poder de salto e inteligência táctica para perceber quem deve municiar quando está de costas para a baliza. Acabou, rapaz, perdeste o pouco capital de confiança que ainda tinhas comigo. E Atsu hoje perdeu vários pontos na luta pela titularidade e deu-me razão quando digo que ainda não é “jogador” suficiente para lutar contra Varela pela titularidade. Lento, nervoso, incapaz de resolver um lance com força e determinação e simplesmente passando a bola para trás, sempre para trás. Falhou uma prova importante.

(-) O auto-golo de Danilo É só mais um exemplo da displicência com que Danilo faz o “approach” à grande maioria dos lances durante um jogo. O meio-termo de Moutinho ou Lucho é o ponto perfeito da aplicação da força adequada aliada à concentração na recepção de bola e no passe subsequente com a consideração quanto ao melhor ponto de destino da mesma. E Danilo não parece estar nem atento nem concentrado nem preocupado com nenhuma delas. Já dura há muitos jogos esta forma desleixada com que vejo o titularíssimo defesa-direito (quem viu jogar Miguel Lopes hoje percebe o porquê de ser suplente/reserva) se acerca da bola e hoje foi a cereja em cima de um cupcake aziago.

(-) Falta de experiência Vitor Pereira arriscou na rotação e apesar de ter ficado perto de tudo ter corrido bem, a verdade é que tinha tudo para não acontecer. Havia pouco “calo” nos rapazes que estavam em campo, a organização lá atrás não foi a melhor possível e notaram-se algumas falhas nas compensações defensivas especialmente quando Miguel Lopes se lembrava que tinha deixado o gás ligado no fogão e o mesmo fogão estava, aparentemente, na meio-campo do Braga. Perdemos quando Abdoulaye saía com a bola controlada e a perdia deixando o lento Otamendi a cobrir o contra-ataque do Braga: perdemos na posse de bola com tranquilidade porque esse é um conceito estranho para Miguel Lopes; perdemos com Fabiano nas reposições de bola; perdemos com Atsu a não conseguir segurar a bola na lateral e a pressionar pouco na defesa do flanco; e perdemos, finalmente, porque faltava autoridade no controlo do jogo. Faltavam os titulares, Lucho, Moutinho, Varela, Jackson. É um sinal negativo para Vitor Pereira não assumir que a segunda linha consegue carburar ao mesmo nível que a primeira. Por isso é que se chama…segunda linha.

(-) Mossorós e Micaéis Não desperdiçava urina para apagar o Mossoró se o anormal estivesse em chamas à minha frente. Consegue exactamente o objectivo que parece determinado em atingir quando entra em campo: enervar os adversários, o árbitro, os adeptos, os seguranças, todo o Mundo em seu redor. É um hóbitezinho nojento que merece todo o lixo orgânico que lhe possa ser atirado para cima enquanto estiver a dormir e qualquer tipo de lama radioactiva tem uma concentração de plutónio menor do que ele merecia. Havia de lhe nascer uma mina pessoal em cada testículo. E o Micael vai pelo mesmo caminho, pela impossibilidade de se manter de pé durante mais de dez segundos sem reclamar uma falta e fazer aquela carinha de chorão que me começa a enervar. Ainda bem que já não é nosso jogador.


E mais um ano em que Vitor Pereira não passa aos quartos da Taça. Não sei se quer começar uma espécie de rotina à Jesus para se fazer de coitadinho anos mais tarde mas para ser sincero não me parece. Tivemos algum azar, bastantes excessos de Olegário nos amarelos que se fizeram notar na segunda parte (compreensível mas ainda assim exagerado), algumas decisões incorrectas (o penalty é mais fogo de vista com a mão nos calções que de facto um puxão que arraste o jogador…e palavra de honra se este não é daqueles que não se marcam em tantos e tantos cantos consecutivos, seja em que campo for…mas ainda assim é passível de ser assinalado) mas acima de tudo muita incapacidade na altura de gerir um jogo que se estava a transformar numa peça complicada. Enfim…até para o ano, Jamor!

14 comentários

  1. Boas Jorge,

    Infelizmente o que previa aconteceu — um jogo onde só podíamos ganhar, o treinador optou por poupar a equipa principal para um jogo onde ganhar ou perder não nos trás nada de mais a não ser dinheiro porque o primeiro ou segundo lugar é uma incógnita … mais ainda, poupar jogadores contra o Braga, em Braga e eles com a melhor equipa ?!??! realmente não percebo nada de futebol.
    Quanto ao arbitro, sem comentários, perdoou um penalti ao Porto por uma falta do Fernando e depois toca a distribuir cartões a torto e a direito.
    Resumindo e concluindo. o Braga ganhou e bem, na minha opinião porque o seu treinador achou mais importante passar esta eliminatória da taça do que ganhar mais um milhão de euros na champions … e esteve bem.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt

    1. O Peseiro achou mais importante passar esta eliminatória, porque – oh! – não tem mais nenhuma… nem champions, nem liga europa… Prefiro a nossa escolha!

  2. Derrota que atira o FC Porto para fora da Taça de Portugal, determinada por dois momentos de infortúnio, um dos quais com o dedo do artista do apito (expulsão excessivamente rigorosa de Castro) e o outro num acto de displicência imperdoável de Danilo, a marcar na própria baliza, num lance puramente inofensivo.

    A aposta de Vítor Pereira foi ousada mas só terá sido traída por esses dois momentos e pela tardia na compensação do meio-campo após a expulsão. A reacção deveria ter sido imediata.

    O comportamento de equipa foi positivo, com Miguel Lopes e Kléber a manifestarem, mais uma vez, incapacidade para fazerem parte deste plantel. Menor acerto também para Atsu, de quem se espera muito mais.

    Um abraço

  3. Jorge, só não concordo com o Baía ao Castro! O homem, ninguém diz que não é esforçado, mas não lança um ataque sério, não abre uma linha de passe interessante, não roda uma bola… ele e o Miguel Lopes são sempre rotação máxima (Síndrome Mariano ?). Como para rotação máxima é preciso ser mais do que esforçado e pensar rápido, só corre mal… São o tipo de jogadores com pouco dentro do capacete, género penedos batizados… acho que têm de mudar de ares…
    Mas foi um bom teste e uma boa lição… esta segunda linha que se esforce na taça da liga se querem continuar a jogar!… é nos revezes, que se fazem os campeões… quanto ao VP também foi bom ter que engolir alguma basófia que resolveu mostrar nestes dias !…
    Quanto ao Braga é uma equipe triste. Têm dois centrais certinhos e um grande jogador, o Viana, e o resto uma tristeza… a forma como o Alan se faz às faltas é patética, o novo Bebé (um tal de Eder) é um Kleber disfarçado, o Mossoró, o Amorim, o Micael…enfim, segunda escolha de uma equipe grande.
    (Como é que a equipe principal do Braga esteve tanto tempo a perder e sem soluções para dar a volta à segunda equipe do Porto????)

  4. Lamentávelmente fomos eliminados e a culpa é toda de VP que voltou ás “péssimas” exibições.

    VP teve a abordagem que teve ao jogo da taça… discorde ou não do 11, ele é que decide quem coloca lá dentro e sobre o 11 inicial VP é o responsável, mas não é disso que vou falar, pois não foi aì que VP teve péssimo, como um treinador que nem nos amadores treinaria.

    O Porto entrou com os 11 que entrou, de onde se destacaram jogadores em claro défice exibicional… Kleber (uma nulidade assustadora), Miguel Lopes (uma desgraça), Atsu (nem se viu).

    Foi então que entrou o dedo de VP que nos fez perder o jogo… 1ºs substituições… vejo na linha Lucho e Danilo para entrar… nada de anormal… Miguel Lopes estava a fazer um jogo lamentável e tinha amarelo, assim como Castro que estava bem, mas tinha amarelo e já tinha tido mais uma ou outra entrada demasiado impetuosa…

    Ora que VP tira Fernando e mete Castro a trinco (!!!!!)… simplesmente a posição mais potencial para levar amarelo, portanto era uma questão de tempo até ir para a rua, como foi.

    Depois da expulsão, passou uns 7-8 minutos para recompor o meio-campo… existe treinador mais idiota? Pior que isso foi continuar com os extremos abertos e nem deu ordem para fecharem ao meio… enfim… Moutinho que já estava a aqueçer ficou no Banco a receber instruções (Quantas instruções precisa fdx??? A equipa está comm 10 vai jogar como custumas jogar no lugar do costume e salta lá para dentro e já).

    Toda a demora na entrada no Moutinho resoltou em 2 golos para o Braga.

    As burrices de VP pagaram-se caro e eu a querer acreditar que estas fases já tinha ficado para trás… enfim

  5. Um trofeu é sempre um trofeu e de uma certa maneira a taça de Portugal era mais um trofeu para meter nojo a muita gente, mas já temos muitos…. Vitor Pereira preferiu apostar no jogo da CL, eu também apostaria, ganhar na CL da muito mais moral e mais dinheiro, e não só isso mas também é um estalo de luva branca em cubes como o PSG, que tem a mania que o dinheiro compra títulos. A vitoria também nos tornaria numa das equipas da moda. A ver vamos como as coisas correm em Paris. Mas estou com um certo positivismo. Não se esqueçam q ontem estivemos a ganhar ao Braga em Braga com a nossa segunda linha….

  6. ReineMargot… na mouche! principalmente isto:

    “quanto ao VP também foi bom ter que engolir alguma basófia que resolveu mostrar nestes dias !…”

  7. Fico com alguma pena que o Porto tenha decidido encarar esta competição como secundária, porque para mim uma coisa é a taça da liga, outra a Taça de Portugal. E não venham dizer que não: nunca vi um treinador do Porto tão relaxado por acabar de ser eliminado duma competição em que pôs os suplentes a jogar. É claro que o importante para a direcção é o dinheiro da Champions e não a continuidade na taça e não posso dizer que discorde assim tanto.

    E mesmo assim, tal como tivemos sorte no jogo da liga, teve-a agora o Braga. Porque estiveram à rasquinha para vencer a nosa segunda linha. Porque com 11 para 11 não tiveram nenhuma oportunidade clara na segunda parte. Porque precisaram duma expulsão em que o Castro fez uma festa ao Mossoró (ou lá quem era o fiteiro de vermelho). Porque precisaram dum golo que começou num livre duvidoso e acabou num desvio ridículo daquele sorna para a própria baliza. Porque (e se calhar esta é só impressão minha, já que mais ninguém falou no assunto) precisaram dum segundo golo em fora de jogo e às três pancadas para confirmar a reviravolta.

    Só espero é que com toda esta história de gestão a equipa se apresente então a 100% contra o PSG. Que façam o jogo da vida deles e lhes enfiem 3 ou 4. Porque depois disto fazerem uma exibição média seria imperdoável. E tragam de lá os milhões.

      1. Suspeito que tenha sido à volta desse meu comentário uma das últimas achegas do último post que escreveste. Não exijo uma vitória para a champions, mas acredito que temos uma equipa superior à deles. Exijo sim uma boa exibição, que se esforcem e que corram, porque sei que se o fizerem são capazes de se impor ao PSG.

        Pode não haver linearidade lógica, mas contra este adversário somos, ou pelo menos devíamos ser, capazes de fazer o nosso jogo, de os pormos a eles a correr atrás da bola. Mas para isso temos de estar ao melhor nível.

        Aliás provámos no início do ano passado, contra o Barcelona, com um plantel para mim mais fraco que o actual, que éramos capazes de boas exibições contra os melhores. Eu sei, eu sei, circunstâncias diferentes, but the point still stands.

        1. “Exijo sim uma boa exibição, que se esforcem e que corram, porque sei que se o fizerem são capazes de se impor ao PSG.”

          yup, é isso mesmo. e tens razão, foi inspirado no teu comentário mas não te estava a apontar uma lança, até porque és coerente nas tuas opiniões (pelo menos aqui no Porta19). outros não são tão coerentes.

          abraço,
          Jorge

  8. Penso que VP esteve bem na escolha da equipa pois quis assumir perante todos que tem um plantel de 24 ou 25 jogadores que mesmo não jogando todos com regularidade devem sentir a pressão de terem que o fazer e aí mostrarem ( ou não) do que são capazes! Penso que perdemos por falta de sorte (ahahahahah) mas desta derrota podem tirar-se inúmeras ilações para os jogos que se avizinham até Fevereiro e preparar ainda melhor o futuro do F.C.P.

    P.S. Embora entenda que VP goste muito de Kleber penso que em Janeiro já não estará no Clube pois dos jogadores da “2ª linha” é de facto o que mostra menos trabalho e ainda não justificou os predicados com que veio rotulado do Maritimo (Há 2 Anos) além do trabalho que deu contratá-lo.

    Cumprimentos ao Blogger pela assertividade e por vezes humor que coloca nos seus escritos

Deixar uma resposta