Baías e Baronis – FC Porto 1 vs 1 Olhanense

Acabei por não sair de casa e fiquei a sofrer ainda mais pela televisão. Impedido de gritar, gesticulava como um doido e punha as mãos na cabeça como se estivesse novamente com febre. E lentamente me ia apercebendo que este era um resultado há muito adiado porque até este jogo tudo corria bem. Porque entre trezentos e tal passes por jogo, um ou dois ou até mais saíam em condições e direitinhos para o avançado que não falhava, ou para o extremo que não cruzava para a bancada, ou até para o médio que rematava certeiro. Mas este resultado, mesmo com os 39 remates fruto de 67 ataques, há muito que era esperado. Tinha de haver um momento em que o futebol rendilhado não funcionasse, quando as opções fossem minúsculas (Tozé e Sebá são bons na B, ainda não suficientemente bons para a A) e o terreno bem ocupado, quando o adversário fosse agressivo e nada corresse bem. Um desperdício que espero não nos venha a custar caro, porque nestas corridas a dois importa mais a moral que a bagagem que se leva. Vamos a notas:

(+) Moutinho. Foi o melhor jogador em campo do FC Porto (do outro lado Bracalli esteve em grande) e mesmo depois dos noventa penosos minutos pela selecção a meio da semana, notou-se que era dos poucos que tinha cabeça para ali andar e aguentar. Izmaylov ajudou-o enquanto pôde, mas Lucho esteve abaixo do que sabe e pode fazer e Fernando teve um jogo fraco. Moutinho foi, mais uma vez, Moutinho. Não chegou.

(-) Ineficácia. Não só no remate Falhar um penalty, Jackson? Não pode. Falhar mais dezanove remates, por cima ou contra Bracalli? Não pode. Pecamos por não marcar mas pecamos também por enormes falhas técnicas que se notam há meses nesta equipa e para as quais já avisei há muito tempo. Demasiados passes falhados, cruzamentos imbecis, remates tortos…tudo elementos fundamentais do futebol que a nossa equipa continuamente descura ao longo de vários anos e que tanta gente se surpreende quando vê Defour a fazer um domínio de bola perfeito, questionando o porquê de tal desiderato. É treino, senhores. E se os nossos fizessem mais vezes esse tipo de treino, talvez os passes de Varela não fossem quase sempre parar ao guarda-redes, ou os cruzamentos de Danilo não fossem parar ao antigo sucateiro das Antas. Talvez.

(-) As displicências Houve vários jogadores a quem todos devemos apontar o dedo e gritar: “SHAME!”. Porque houve alturas em que me pareceu que o granizo que caiu na primeira parte não o era mas sim bolinhas de vodka congelada que os nossos rapazes procederam a engolir com dedicação, só para ficarem levemente alcoolizados e baixarem a guarda ainda mais do que é costume. Fernando com passes inaceitáveis para o centro, Danilo passava bolas para trás sem ver se o receptor lá estava, Alex Sandro tentava fintar meio Olhão sem perceber se tinha o flanco coberto por um colega, Mangala (et tu?!) levava a bola para a frente uns 30 ou 40 metros sem a proteger só para ser desarmado pelo adversário…foi um sem-fim de parvoíces, distracções e facilitismos que fizeram com que o FC Porto tivesse não só não marcado, como também sofrido. E era total e completamente desnecessário.


Dois pontos que desaparecem como o granizo que ficou na trampa de relvado que, continuando a levar com este tipo de pragas divinas, tarde ou nunca se endireitará. Dois pontos como os de Barcelos, que me ficam atravessados na garganta porque temos mais futebol do que isto e temos obrigação de mostrar muito mais do que fizemos hoje. Tivemos algum azar, não questiono isso, mas houve acima de tudo uma enorme falta de concentração para colocar a bola no sítio certo e no local certo na altura certa. E quando isso falha…normalmente perdem-se pontos. Espero que não volte a acontecer este ano, porque a margem é curta demais para nos darmos a estes luxos.

18 comentários

  1. Tou com um cagaço, vamos ter uma porrada de jogos fora, liga dos campeões e málaga. Esperemos q estes gajos não desmoralizem, e rezo para q o atsu, james e defour venham.
    Também o benfica ficou sem o cardas e o matic para o jogo com a académica. Esperemos q percam pontos para a próxima semana. Quanto ao jogo não pude ver, de qualquer maneira, faz-se melhor na próxima!

  2. Neste jogo, mais que em qualquer outro, fez falta aquele rasgo de génio súbito e inesperado do James, a sua imprevisibilidade que desposiciona defesas e pode resolver um jogo.

    Faltou um jogador criativo.

    Jackson esteve em dia não e o resto da equipa esteve bastante mal. Só Moutinho se safou realmente.

    Cumprimentos, grande site!

  3. Aos 80 minutos virei-me para o meu companheiro de cadeira, molhado e gelado e disse-lhe apenas um nome: Hulk. Ele assentiu com a cabeça, percebendo o que eu queria dizer.
    Temos uma equipa compacta? Temos.
    Que domina o jogo? Temos
    Mas quando a coisa corre mal, falta-nos o rasgo, a imaginação, o talento que decide os jogos. Foi assim com o Gil Vicente. Com o Rio Ave. Com o Benfica.
    Foi assim hoje.

    Agora fico a pensar, demos mais de 45M€ pelos nossos defesas… será que podíamos não ter contratado um Danilo e um dos centrais (jogando com Maicon/Ba e Sapunaru/Fucile) nessas posições e tinhamos ido buscar um jogador que realmente desequilibrasse para colocar lá na frente?
    Leandro Damião, Phillipe Coutinho, Forlan, Javier Hernandez, Quaresma, Buonannote…

    Há coisas que não percebo.
    O nosso calendário é dificil, vamos ter umas série de 4 jogos com 3 deles fora, e o quarto com o Braga em casa. Vamos á Madeira 3 dias depois de jogarmos a segunda mão com o Málaga. E vejo o nosso plantel cada vez mais curto.
    Seba e Tozé para virar o jogo?? Por amor de deus…

    James tem de recuperar já!!

    Cumprimentos.

  4. Estava demasiado frio para tanto sofrimento, e também, para quem anda nisto há alguns anos, havia uma premonição no ar, que com aquele frio e tantos elogios durante a semana, nada iria funcionar!…
    ok, o jogo do Málaga está perto demais… e isto sabemos condiciona. Como o empate do Benfas.
    A história do jogo: – o Moutinho e o Jackson estiveram nas seleções; um estava cansado, se não não teria falhado tanto, o outro como se sabe desaprende com o contacto com o Bento e o que tem em vontade e genica, perde em eficácia no remate… Tantos cantos mal batidos, tantos livres desperdiçados…
    Apesar de muitas vozes se irem levantar, o Tozé, é um bom jogador mesmo para a A, e tivessem os restantes do meio campo ensaiado remates desde lá, o jogo todo, em vez de quererem fazer centros que saíam longe demais, e talvez o resultado fosse outro…

    Enfim. Que lhes sirva de lição.

    Há no Olhanense um jogador que me liberta sentimentos como os que o Jorge tem em relação ao amigo J.Pereira: um tal de Maurício! … Sempre espero que escache aquelas pernas e que não volte a jogar (nem etc… )… ontem por causa das fitas dele, o Fernando levou um amarelo por nada…

  5. Foi um retrocesso no bom futebol que o FC Porto apresentou nos dois anteriores encontros. Muito mérito do adversário, obviamente, mas também algum demérito próprio.

    Faltou a qualidade de passe, o poder de desmarcação, a criatividade aliada à velocidade de pensamento e execução e sobretudo a eficácia no remate.

    Ainda assim, os Dragões conseguiram, na segunda parte, criar o número suficiente de oportunidades para terminarem com resultado bem diferente. Faltou também um pouquinho de sorte.

    Há que cair na real e interiorizar que o futebol é pródigo em imponderáveis e por isso, a equipa tem de se manter permanentemente coesa, solidária, ambiciosa e competente.

    Um abraço

  6. efectivamente dá muito trabalho apoiar a Equipa pela positiva e não ao sabor da maré…
    (o que não é o caso de muitos de nós, indefectíveis portistas dos quatro costados que estão sempre com a nossa equipa do coração, mesmo nos maus resultados e não “atiramos a toalha ao chão” ao primeiro revés…)

    ps:
    rápidas melhoras.
    coincidência, ou não, “não picaste o ponto” e “marcámos passo”…

    somos Porto!, car@go!
    «este é o nosso destino»: «a vencer desde 1893»!

    saudações desportivas mas sempre pentacampeãs a todas(os) vós! ;)
    Miguel | Tomo II

      1. Jorge Jorge, não foi ao estádio e veja no que deu…. Eu mudei o papel de parede do iPhone e do iPad que tinham um dragão e o emblema do Porto e esqueci-me de repor ontem antes do jogo, deu azar, acho eu.

  7. Boas Jorge,

    Entao que nao e q aconteceu o que tinha referido nos posts anteriores? Sobe o Alex Sandro, perde a bola, nao ha compensacao e vai buscar (acho que o Helton ate se podia ter saido melhor, mas pronto…

    Mais uma vez nao entendo como nao se foi buscar um extremo. Ontem a coisa nao ia pelo meio, era meter extremos com qualidade para abrir a lata. Ou talvez 3 centrais e subir o Danilo e o Alex Sandro. Bom, sao apenas os reparos que ja tinha feito antes que ontem infelizmente se concretizaram. Falta creatividade, explosao, algo para fazer a diferenca qdo as coisas nao correm bem como ontem,

    E um comentario para todos nos portistas. Nao podemos entrar no modo bazofia antes dos jogos. Vi por ai montes de pessoal todo contente pelos lampioes terem empatado, mas a verdade e que nos ainda tinhamos um jogo pela frente. Sao estas coisas que nos costumam diferenciar dos demais!

  8. Completamente inadmissíveis as declarações do bracali no fim do jogo. Grande FDP. Por mim era já chamado de volta e ficava a treinar sozinho até ao fim do contrato. FDP.

  9. Carissimo Jorge,

    Mais uma vez, uma brilhante análise sobre o nosso querido FC Porto.
    Eu, vejo este resultado com alguma naturalidade. Houve vontade para ganhar o jogo, como seria de esperar, mas o engenho esteve muito abaixo das expectativas.

    Temos uma equipa formada por jovens (Danilo, Mangala, Alex Sandro) na defesa.
    Formada por jogadores novos na equipa (Jackson,Izmaylov,Sebá, Tozé)
    Formada por veteranos (Helton, Lucho – que muito tem jogado na minha opinião. muito melhor que Aimar) , e por (brinca_na_areia _Varela) .
    Depois por três jogadores a sério ( Moutinho, Otamendi e Fernando).

    Com este manancial, creio que até vamos muito bem. Claro que como um bloguer dizia ( Azul ao Sul), ainda não é tempo para sonhar alto. Já se dizia que o Porto era o Barcelona, mais coisa menos coisa. Que o Jackson era um fenómeno ( como vi em alguns jornais),e até o nosso Vitor Pereira dizia que agora a equipa jogava como ele queria!!!

    Calma, Calma, Calma.

    Nem o FC Porto pode ser aferido depois de 4 ou 5 jogos bons. Nem por uma carreira promissora na champions, se bem que falhou um objectivo – ser primeiro no grupo.

    Nem o Vitor Pereira agora é o maior. Apesar de achar que tem melhorado.

    Continuamos com algumas chances de eliminar o Málaga e de vencer o Tri.

    Esperemos que ATsu e James voltem.

    Já agora, porque é que o levezinho não jogou ontém? Para quando exprimentar Danilo ao meio?

    E se querem jogar a Barcelona, tem que os jogadores da frente (Jackson, Varela, Ismaylov , Lucho e Moutinho, estarem constantemente a trocar de posições. Coisa que não acontece nos jogos do FC Porto. São todos muito posicionais, dentro do estilo toca e foge.

    Qual é o jogador que realmente o Vitor Pereira fez evoluir? Que estratégia para as bolas paradas?
    Quando melhoramos nos cruzamentos?
    Estas são algumas das dúvidas que ainda me fazem colocar um ponto de interrogação no Vitor Pereira. No entanto penso que será o treinador suficiente para voltarmos a ser campeões.

    Abraço,

    Rui Miguel

    1. @ Rui Miguel
      «Que o Jackson era um fenómeno»
      o Jackson foi jogar 5′ a Miami (USA), a 6677 km (+/-) e só ida. não é propriamente a mesma coisa que ir a Guimarães jogar 90′. e regressou directamente para jogar, sem qualquer treino de recuperação. estamos a falar de um ser “óamno”, não de uma máquina. penso que estás a ser injusto na crítica.

      mais: para lá dos nomes já aventados, refiro o lançamento dos putos Atsu, Sebá e Tozé e Kelvin. foi Vítor Pereira que os promoveu á primeira equipa. ou seja: estivemos a época passada a bater no ceguinho, e a carpir por não lançarmos ninguém da formação; este ano já vamos com quatro nomes (que acredito que nos darão alegrias) e “ai, e tal, que são verdes”.
      é que já faz recordar aqueles anúncios a pedir jovens recém-licenciados com «pelo menos três anos de experiência»….

      abr@ço
      Miguel | Tomo II

  10. Uma correcção ao comentário anterior.

    O levezinho (Liedson) jogou ontem. No entanto na minha opinião, contra equipas que defendem com o autocarro a frente da baliza, o 4 3 3 é muito luxo!
    Devia-se jogar em 4 4 2 ( (Liedson desde o inicio), para procurar o golo bem cedo.
    O relvado, o tempo e o adversário exigiam arriscar mais desde bem cedo.

    Um abraço.

    Rui Miguel

  11. Quando durante a semana vi as declarações do jogador do Vitória, Alex, referirmo-nos como sendo nós o Barcelona, frase que mui apreciada foi no Olival… fiquei preocupado…
    É que a nossa equipe, em jogos de “vitória garantida de certezinha”, anda pelo campo, não à Barcelona, mas à RioTinto! Agora com elogios como aquele, eu disse no Café dias antes do jogo “Oxalá não estraguem ! “… Afinal !!!

    Expliquem-me uma coisa… Não há uma hora por semana no Olival, para treinarem remates por baixo do travessão ???

  12. Caro Jorge por favor não falte aos jogos do FCP !

    Fiquei bastante surpreendido com o resultado e antes do jogo que acompanhei pela Antena 1 (quando o Porto joga no norte o pessoal da Antena 1 costuma fazer um relato imparcial) pensei que iriamos ganhar “sem” muita dificuldade e mais em pulgas fiquei quando os benfas empataram na Madeira o que também não esperava.

    De facto houve alguma falta de sorte embora (pelo relato) pareceu que alguns jogadores não estiveram suficientemente focados ( os laterais) e uma vez mais revela-se que o plantel é um pouco curto , está nos limites e para isso contribui a carrada de proscritos do ano passado e que após estes meses de “castigo” pelo menos o Fucile podia ser opção assim como o Walter mas obviamente a Administração é que sabe assim como VP.
    A promoção de jogadores da equipe B é bem vinda e o modelo de jogo está a assentar lá também após os desaires iniciais.

    Penso que actualmente embora curta a equipa está coesa e apenas precisa de subir em alguns itens os níveis de consistência para definitivamente assegurar-mos o 1º lugar e sermos Campeões.

    Quanto á champions será uma incógnita embora penso que temos uma certa vantagem no campo dos níveis psicológicos e coesão do grupo de trabalho.

Deixar uma resposta