Baías e Baronis – Vitória Guimarães 0 vs 4 FC Porto

Não estava à espera de um resultado tão desnivelado, tenho de admitir. Mas foi merecido pela atitude, pela postura de campeão com que entrámos em campo e mostrámos sem margem para qualquer questão do mais perverso ou absurdo que seja, que sabemos jogar muito bem à bola. E sabemos fazê-lo com nível, com classe, usando todos os jogadores num câmbio de velocidades e de ritmos, em bailados com a bola a fluir alegremente entre os colegas de equipa, que se unem para proporcionar aos adeptos, aos bravos adeptos que acompanharam a equipa a um terreno que é ligeiramente menos hostil para as nossas cores que Berlim para um negro homossexual nos anos 40, um espectáculo digno de uma grande equipa num campeonato fraco. Foi um excelente jogo e só tive pena que não tivéssemos sido eficazes. É verdade, queixo-me da eficácia, mas pouco. Porque hoje é dia para ir dormir a pensar: “que bom que é ser portista”. E sorrir. Vamos às notas:

(+) Jackson. Porque marcou um hat-trick. Porque fê-lo num jogo que até parecia estar a ser marcado por alguma ineficácia em frente à baliza, depois de vários lances em que não conseguiu bater Douglas mesmo estando frente-a-frente com ele. Porque sabe o que fazer no espaço à procura da bola mas acima de tudo sabe muito bem o que fazer depois de a reter no seu seio, de a capturar no seu campo de forças colombianas e afastando o adversário com uma finta com ou sem bola, a acaba por endossar sempre na melhor direcção para que o ataque continue. Porque na semana em que finalmente vê uma opção no banco que não o faça rir como a que via antes de Liedson chegar, lembra-se de marcar três golos e fazer mais uma fantástica exibição. Porque é um avançado que vale o dinheiro que se paga por ele. Por isto tudo…um Baía e a minha vénia, Jackson. Já fazes parte da família.

(+) O resto da equipa. Este FC Porto que aparece no arranque de 2013 tem vindo a mostrar que está forte. E hoje deu mais uma prova dessa força com a capacidade de se transcender do estilo mais lento e arrastado de alguns jogos e aparecer pressionante, forte, altivo, com trocas de bola tão práticas e ao mesmo tempo tão inteligentes e bem trabalhadas, com um fio de jogo que me põe na memória momentos de Deco/Maniche/Costinha, tal é a facilidade com que os elementos do meio-campo se interligam entre as linhas, com harmonia e um único propósito: a vitória. À imagem de Zahovic ou de Jardel (que ia ficando sem cabeça neste mesmo estádio em 1997, se Neno lhe tivesse conseguido acertar na mona numa saída com o pé à altura da moleirinha do brasileiro) quando fizeram o mesmo resultado neste estádio aqui há dezasseis anos e que nos deu o primeiro “tri”, a felicidade de ver os jogadores a gostarem do que fazem é tremenda. Desde Alex Sandro, a rasgar pelo flanco, Marat com inteligência a desmarcar o avançado, Moutinho a pausar o jogo no momento certo, Mangala fortíssimo na defesa, Otamendi igual a seu lado, Fernando e Varela a assistirem para golo, cada um à sua maneira…foi alegria, foi perfeito, foi futebol de grande nível e foi acima de tudo a certeza que podemos fazer tanto melhor do que fizemos no ano passado e mesmo até agora neste ano que atravessamos. A este ritmo, com este futebol…faltam 13 vitórias para sermos campeões. Keep your eyes on the prize, boys!

(-) Vitória de Guimarães. Fraquinho, mais uma vez, incapaz de dar a volta a um resultado e a uma equipa que lhe eram superiores em tudo, com transições mais directas que o Stoke de Tony Pulis, alguns nomes que são pouco mais que isso e uma equipa em permanente construção. A derrota era expectável. O que não é expectável é que um punhado de jogadores que fazem a equipa do Guimarães insistam em defender resultados negativos em jogos que disputam em casa, seja contra que clube fôr! Não me façam começar a ignorar o vosso nível, porra, se um clube se torna tão indiferente a este tipo de situações, se se transforma em mais um pobre e infeliz coitado que nada consegue para lá de três ou quatro pontapés para a frente e bola para o poste que está na área e rezo aos deuses das bolas paradas para ver se conseguimos lá enfiar um chouriço…aí ficam a ser só mais um clube, e desses temos muitos. Nunca gostei do Vitória, admito, há qualquer coisa de visceral na relação entre mim e aquele clube que os coloca ao nível do desprezo que tenho pela couve-flor, a palavra “corrimento” e o vocalista dos Keane. Não saiam desse restrito lote, por favor, que um gajo precisa sempre de algo para desgostar, senão a vida perde o sal. Sejam vivos, lutem, dêem-nos cabo da cabeça nos jogos, façam com que nos vejamos à rasca para aí ir ganhar e dêem-nos motivos para vos continuar a desprezar. E já agora parem de atirar cadeiras ao Acácio, fazem favor.


Continua o cá/lá entre FC Porto e Benfica, com três pontos à frente (à condição) mas ainda muitos jogos que podem fazer com que tudo se inverta. E esta vitória deu um gozo bestial por ser contra o Guimarães, mas acima de tudo pela maneira como aconteceu. Simples, com arte, com saber, com valia. Com Porto. Lindo, meus amigos, foi lindo.

10 comentários

  1. Terá sido a melhor exibição do Porto na era VP?

    Talvez a do ano passado vs Benfica na luz fosse mais importante, quer pelo adversário, quer pelo significado de ir à Luz relançar o campeonato, mas esta foi excelente.

    O Guimarães (não lhes chamo pelo nome que eles gostam pq é equipa que menos gosto no campeonato Português) só cheirou a bola, não conseguiram ter bola, não conseguiram ter espaços, nada.

    O meio campo do Porto, a começar pelo Jackson, não os deixou respirar, os passes a cortar do Ismaylov, do Moutinho e do Lucho para o Jackson manteve a defesa e meio campo deles sempre em linha, sem hipóteses de avançar.

    Sinceramente pensava que com a falta de Defour o VP colocasse o Maicon a jogar e avançava o Alex Sandro (que pelos vistos ocupa qualquer lugar em campo) e Mangala ia para as laterais, lá pôs o Ismaylov, é sinal que ele aguenta mais de 30 minutos (embora tenha desaparecido com o avançar do jogo).

    Gostei, gostei mt, como tinha dito a um amigo 30 minutos antes, se fosse uma vitória por meio a zero e ficava mt satisfeito…

    Agora é manter a concentração dos jogadores até ao fim, será que ainda vou pedir desculpa ao VP? Espero bem que sim, seria bom sinal

  2. 4-0 não oferece contestação. O FCP não deu a mínima hipótese ao Vitória, foi muito superior durante toda a partida e mereceu inteiramente o resultado.
    Perdido o jogo, perdido também o direito a abrir «o fantástico livro dos insultos.» No entanto não queria deixar de lhe dizer uma coisa que ficou aqui atravessada na minha garganta, (e agora vamos ver se de facto o Jorge consegue provar (um pouco) do veneno que cospe), aqui vai: VAI CHAMAR BENFIQUISTA À GRANDESSÍSSIMA P. Q. T. P.!!!
    Parabéns pela vitória.
    Cumprimentos e bom domingo!

    1. Ah, caralho, temos homem! Assim sim, vimaranense que sente só pode ser boa gente! :) sim, pa, a cronica foi hiperbolizada, mas todos vivemos assim, de exageros pontuais para nos sentirmos vivos. Se choquei, as minhas desculpas.

      Abraço e bom domingo!

  3. Bom dia,

    Ontem tivemos um Porto que esmagou completamente o seu adversário.

    Um jogo colectivo muito forte e uma pressão intensa banalizaram o Vitória.

    Foi um Porto Vintage com Jackson a demonstrar as credenciais de ponta de lança de classe mundial.

    Fantástico o apoio dos adeptos à equipa.

    Com esta equipa a jogar assim podemos ambicionar tudo.

    Foi o melhor jogo da era VP e esperemos que tenha continuidade.

    Rumo ao Tri.

    Abraço

    Paulo

  4. Boas,

    Parafraseando o jogador do Guimarães na flash, Alex, o Porto está para a Liga Portuguesa como o Barça está para a liga Espanhola.
    Depois do brilhante jogo contra o Gil mais uma vez o FC Porto este a um altissimo nivel, que no ataque quer na defesa, sendo que o meio campo este muito dinamico.
    A entrada de Izmaylov, foi determinante e está visto que é uma mais valia para a equipa.
    Estivemos perfeitos e temos ue continuar com este ritmo, com esta pressão e com esta dedicação, e assim sendo vamos longe.

    Um abraço

    http://fcportonoticias-dodragao.blogspot.pt/

  5. Mais uma vez os adeptos do Guimarães, mostraram o seu heroísmo em arremessar cadeiras, petardos e perdigotos…
    Mas quando lá vai o amiguinho clube avermelhado parecem maricas em pleno parque Eduardo VII!!!! E depois estes F.D.G.P. dizem-se NORTENHOS, carago!!!!!
    Prefiro um milhão de vezes o Braga, pois sabemos com o que contamos, do que estes falsos puristas que só destilam ódio para um lado…
    Um grande baroni para estes cobardes!

  6. Acho que o pormenor de marcarmos os dois primeiros golos de canto é de realçar. Merecia um Baia a “bolas paradas”. Normalmente nao temos sido muito felizes a aproveitar tao bem este tipo de lances.

  7. A respeito do ‘Baroni’ do jogo de Guimarães: dura realidade.

    Demasiado ricos, demasiado pobres. Vendas milionárias, desequilíbrio das receitas televisivas, influência política, por aí fora. O atual negócio que é o futebol dá enorme e arrepiante vantagem aos que já nasceram grandes. É bom para quem ganha, sim – seja mais consistentemente ou não – e torna a crítica extremamente fácil, relegando para segundo plano os méritos que, no meu ponto de vista, os menos afortunados não deixam de ter.

    Foi um pouco no que o futebol se foi transformando ao longo dos últimos anos. Está aí o resultado: bom para quem ganha, chato para quem perde, aborrecido para um adepto de futebol. Como eu.

    Cumprimentos

  8. Boa tarde,

    Excelente post, 100% de acordo.
    Acrescentaria o seguinte o após jogo VP, finalmente bem em conferência ainda não chegou ao nível de AVB mas ao ritmo que vai não demora muito tempo.
    A vergonhosa atitude dos jagunços dos pasquins centralistas que mesmo num jogo em que mais uma vez os bandeirinhas cortam as jogadas ao FCP (mais 3) e após um massacre que não deu em derrota escandalosa e um futebol do melhor que se viu, procuram mesmo assim denegrir com a perguntas de arbitragem que teriam prejudicado o VG e muito mal o Rui Derrota que alinhou nessa postura, enfim mais do mesmo é por essas e por outras (José Mota mas que cordeirinho sem comentar as agressões e não expulsões dos chifrudos) que o nosso futebol não sobe de nível.

Deixar uma resposta