Ouve lá ó Mister – Vitória SC


Mister Paulo,

Começa hoje. Tudo começa hoje, em Aveiro. Não te iludas com eventuais elogios que possas ter recebido até agora, porque todos caem num saco mais roto que a moralidade do Rui Gomes da Silva. Muito se disse até agora, dos jogadores que tens e não tens, dos meninos que possam pensar que têm lugar garantido no onze, das entrevistas para jornais cor-de-rosa mascarados com couro de uso desportivo e a cheirar a relva de plástico. E muito se vai dizer deste primeiro jogo, onde as dores de crescimento ainda vão ser evidentes e que podem causar muito desconforto se as coisas correm mal. E se correrem bem, vais ver que os maldizentes, internos e externos, vão arranjar sempre maneira de descobrir podres. É isso. Bem-vindo ao FC Porto.

Já vi que convocaste muita malta nova e não tem mal nenhum em teres optado dessa forma. Afinal de contas, tens pelo menos quatro habituées do ano passado que não podes chamar, três que saíram e um que foi estupidamente expulso em Paços de Ferreira e por isso também fica a ver o jogo da bancada. Não me choca, como te disse. E também não me vai chocar se escolheres dois ou três deles para avançarem para o onze. Diria três, mas um deles acho que todos conseguimos adivinhar quem será e espero que o meu homónimo esteja em condições físicas e morais. Mau era. Os outros dois…pá, deixo contigo. Tu é que sabes como é que eles estão, e se escolheres Defour ou Licá, Quintero ou Josué, Herrera ou Kelvin, it’s all fine by me. Nesta altura ainda é cedo para opinar acerca da forma individual de cada um, por isso deixo ao teu critério e não contesto. Nem é esse o meu papel, como vais perceber ao longo da época, só te dou a minha opinião e se não a seguires, a escolha continua a ser tua. Raios, até posso nem acertar numa única das tuas escolhas (com o Oliveira falhava consistentemente nas apostas) e se ganhares o jogo, eu não me importo nadinha, garanto-te.

O jogo não vai ser fácil, como nenhuma final é. Mas as finais, já diz o teu patrão e com toda a autoridade, não são para jogar, são para ganhar. Por isso boa sorte, arranca bem, e ganha. Acima de tudo, ganha o gosto pela vitória, para que a queiras sempre saborear em todos os jogos que por aí vem, tão ou mais difíceis que este.

Sou quem sabes,
Jorge

Deixar uma resposta