A pressão, a sobrepressão e as putas das sinédoques

Vou começar a repensar a minha visão dos jogos pré-Champions. Faço-o no rescaldo de uma vitória que valeu três pontos e uma batelada de dinheiro, apesar do mau futebol que a equipa mostrou em quase todos os momentos do jogo. Sim, ganhámos, mas os sinais de nervosismo e desconcentração generalizada não deixam perspectivas muito positivas.

Quando enfrentamos um adversário em vésperas de jogo grande, doméstico ou internacional, há uma pressão simpática. Ganhar o jogo sem demoras, com calma e futebol aceitável, é essencial para que o próximo encontro possa ser preparado nas calmas, sem chatices e inconvenientes de última hora. Mas a pressão que é colocada nos ombros dos jogadores, os mesmos que vão disputar ambas as partidas, é atirada sem problemas por todos para o próximo desafio, onde todos os adeptos esperam uma exibição convincente que decorra com naturalidade das poupanças físicas e mentais do jogo anterior. E a pressão, crescente, acaba por resultar numa avalanche de tremideira que não poupa ninguém. As mãos suam, as pernas não reagem, os corpos tremem e a caravana acaba por não sair dos blocos de partida como se antecipava. Mas espera-se mais, espera-se que haja mais esforço, mais luta, mais inteligência e acima de tudo mais maturidade. Talvez ainda não estejamos prontos para estas andanças, mas não desisto. Levei com um barrote nas têmporas mas não desisto. Mas penso no jogo que foi e espero que tenha abanado os rapazes e os tenha preparado para novos desafios, mais duros, mais apertados, com mais pressão e menos margem para falhas. Não desisto e ninguém deve desistir. Mas…

…mas chegamos ao local do costume, onde o habitual hiperbólico adepto portista tem um pequeno ataque de nervos quando a equipa joga mal e em vez de olhar para o jogo e analisar o que lá se passou, logo vai apontar armas a tudo que mexe de azulebranco. Eu, como tantos outros, não gostei do jogo de ontem, mas para tanta gente há uma distância de um palito partido entre um mau passe do Josué e o bota-abaixismo da SAD, de todos os treinadores, do plantel, da relva e do calendário.

Já vi tantas alusões a James e a Moutinho que me começa a enjoar. É o mesmo tipo de comparações à ausência de Falcao em 2011/12 ou de Hulk em 2012/13. Uh, mas agora são dois! E vendemo-los por sei lá quantos zilhões de euros. Yoo-fucking-hoo. O que nunca ninguém menciona, para lá do facto de Josué e Licá serem agora a escumalha da Terra que merecem ser transformados em pilares de areia mijada pelo crime de tocarem na bola, é que os mesmos James e Moutinho estiveram presentes na derrocada em S.Petersburgo, no desmoronamento em Manchester ou, e ainda pior, na humilhação em Nicosia, onde Hulk também jogou. E esses jogos também mereceram críticas a tudo e todos, para que a nação portista se erguesse nos pilares dos detestadores crónicos, que só estão bem a dizer mal.

Construir, corrigir, acertar as agulhas, não. Destruir e desmoralizar, já parece bem. Há dias em que é difícil ser portista, palavra.

10 comentários

  1. Concordo e subscrevo na íntegra. Esses gajos que destilam as frustrações em blogs desportivos, dizendo mal da equipa e de tudo à volta, são os mesmos que assobiam a equipa em pleno Dragão. Às vezes tenho vergonha dos adeptos que temos.

  2. Boas,

    mal o menos ganhámos, jogámos mal é certo, e eu quero que eles joguem muito bem, mas que nos dias em que joguem mal que continuem a ganhar…

    Também é a partir destas vitórias que se vai criando a tal dinâmica de vitórias, agora estes dias têm de ser a excepção que confirma a regra, e a regra terá de ser ganhar e jogar bem….

    Agora vem um teste muito importante pois o Estoril joga muito bem e de forma muito inteligente, apertemos com eles rumo ao tetra…..

    Abraço.

  3. @ Jorge

    meu caro,

    consegues ouvir? consegues?

    são os merecidos aplausos por tão brilhante prosa, carregada de um portismo sem igual e que fazem deste (como poucos) uma referência “nesse maravilhoso mundo que é a bluegosfera”®.

    e muito obrigado! pelas tuas palavras.

    abr@ço
    Miguel | Tomo II

  4. Jorge adoro ler o teu blog não só pelo teu portismo mas pela racionalidade e fanatismo q.b. que pões na coisa!!

    Tenho a dizer, 1º jogo de champions, estreia de certos rapazes na prova. Jogámos contra uma equipa do “estilo” nicosia, em que entraram em campo com o espirito “não temos nada a perder” e o porto entrou com aquela de “somos mais do que favoritos”. O jogo da champions foi à estilo autocarro lá atrás, e os nossos homens nem sabiam como se mexer, pá até acredito que tenha sido do frio ou do sotaque o do peso histórico que aquele estádio tem…

    Agora, temos de apoiar os gajos, o nosso treinador e esperar que eles aprendam a lição!!!

    Outra coisa que venho notando (comparação minha), epá nós por mais goleadas que façamos e melhores jogos que tenhamos, ou treinador que venha, estaremos sempre com o coração nas mãos!!:P

  5. Como concordo contigo Jorge…

    Mas continuo a achar, assim como no ano passado, que com um ala daqueles mesmo bons é que a coisa se compunha :)

    abraços

  6. Clap clap clap
    Grande Grande Post.

    Gosto deste blog por isto. Nunca perdes tempo a atacar os rivais nem a atacar o FCP.
    Continua assim!

    RCadete

  7. Arrancámos sem um futebol espectacular. Mas sempre foi assim, e sempre será assim. E porque TEM de ser assim, se quisermos ter uma época regular. Até porque estamos a jogar agora a capacidade de chegar a Março/Abril a jogar mais e melhor do que os outros. E tem sido essa a nossa marca há já largos anos!

    Nem mesmo na época do Villas-Boas jogámos com brilhantismo no início, tivemos jogos pobres na Naval, com o CSKA Sofia, de estarmos a perder 2 vezes com o Braga em casa até virarmos de vez o jogo, de empatarmos em Guimarães.

    E é urgente perceber que isso é normal numa equipa que planeia 10 meses de competição, e que ao perceber isso teremos é de apoiar e esperar calmamente.

    A única coisa que me surpreende é ainda haver portistas que ficam surpreendidos com isso! Como se fosse a primeira vez e como se os resultados no fim fossem maus…

    Sou gajo para apostar que em Maio ninguem se lembra de Setembro…

  8. Abstive-me de comentar o que quer que fosse nos dias anteriores por já saber que assim é, caro Sr. Jorge. Obviamente, também não gostei nada de ver o nosso Porto jogar tão mal, mas há que ter calma e, afinal, o mais importante até foi cumprido…GANHÁMOS!

    Estive a ver o jogo no café, bem regado, com o irritante homem do rádio que anunciou o golo ainda a jogada não tinha começado, mesmo por trás de mim, mas sempre preocupado também com o andebol que, num dia de Cahmpions ,quase ninguém sabia sequer que jogávamos no Salão de Festas . E que bem que acabou a minha noite… Claro que depois foi um anti-climax chegar à bluegosfera. As críticas excessivas são comuns a um clube enorme como o nosso. Não ponham é tudo em causa. Calma…Jogo a jogo, rumo à vitória !

    Cumprimentos,

Deixar uma resposta