Baías e Baronis – FC Porto 1 vs 0 Trofense

Foi um jogo demasiadamente simples para ser interessante, mas ainda assim teve vários pontos que mereceram atenção, especialmente pela utilização de vários jogadores novos, que puderam começar a experimentar o que é usar aquela camisola. A malta gosta é de futebol a sério e de jogar ao ataque e de força e subidas pelos flancos e remates e outros apontamentos de ataque permanente, mas até compreendo que não tenha havido grande incisividade do ataque durante quase todo o jogo. Malta nova, algo nervosa, com pouco ritmo e menos rotinas. Enfim, podia ter sido melhor mas não me preocupa que não o tenha sido. Notas, rápidas, seguem abaixo:

(+) A fácil integração dos novos. Victor Garcia foi o único jogador dos Bs, mas a quantidade de vezes que Carlos Eduardo, Ricardo, Kelvin e Reyes têm vindo a jogar pela segunda equipa fizeram com que o onze fosse descaracterizado em relação ao normal. E apesar disso não se notou em grande escala a diferença, o que diz muito da forma como os As jogam por estes dias mas também revela que temos alternativas a considerar com alguma importância. Carlos Eduardo pareceu rijo e disposto a mostrar que serve para esta posição diferente do habitual; Victor Garcia e Ricardo estiveram bem, como podem ler abaixo; Reyes mostrou-se seguro e com uma técnica individual acima da média; Ghilas não esteve mal e Quintero, apesar de exageradamente individualista, mostra que consegue encontrar espaço onde não cabe um feijão. Terão todos novas oportunidades no futuro.

(+) O flanco direito. O venezuelano pareceu sempre muito confortável na lateral e apareceu muitas vezes na frente de ataque ao lado de Ricardo, com bons overlaps e acima de tudo com uma facilidade notável de recuperação física e de pique rápido. Ricardo continua a ser uma boa surpresa. É rápido, prático, inventa pouco mas faz tudo a uma velocidade alta demais para muitos dos nossos adversários e pode ser extremamente útil para desatar nós górdios em tantos jogos que por aí vêm.

(-) Olhar pouco para a baliza. Foi o que mais chateou a malta e até acabo por compreender. Aliás, tem sido uma das lanças apontadas à equipa nos últimos tempos e aí compreendo mesmo. Parece haver alguma renitência na altura de criação de lances ofensivos e especialmente há uma estranha incapacidade de rasgar defesas adversárias com os entendimentos a serem feitos em zonas demasiado recuadas para causarem perigo, o que acaba por transformar a grande maioria dos ataques em organizações andebolescas. Compreendo que enfrentemos defesas fechadas em demasia, com gente colocada excessivamente perto da baliza, mas esta é uma realidade que já nos habituámos a ver desde há muitos anos a esta parte e este ano parecemos lentos demais, mais ainda que na criação sonolenta do jogo de Vitor Pereira em 80% dos jogos. Vejo vezes demais Alex Sandro a romper para o centro, para recuar a bola até Fernando que segue para Defour, que sem espaço para subir joga para um qualquer central…que joga de novo para Danilo e tudo se trava, tudo se desfaz e vamos começar de novo ao mesmo ritmo. Esta é a marca de uma equipa sem ideias, mais preocupada com a estrutura do que com a finalização. São jogos disputados com esta intensidade que estão a fazer com que o pessoal fique irrequieto no assento e que se aborreçam de ver a equipa a jogar…e criticam à primeira oportunidade. Há que ser mais, há que ser melhor, há que produzir mais. Nem que a merda da bola vá por cima, ao lado, ao poste ou direita ao guarda-redes, mas precisamos de chegar mais vezes à baliza.


Não há muito a dizer porque o jogo não foi muito exigente. Foi fácil demais, tanto que a equipa pareceu mais interessada em criar rotinas entre jogadores menos utilizados em vez de aumentar a vantagem. Na terça-feira, contra o Zenit, o nível é diferente e a equipa também vai ser. Ai dela.

3 comentários

  1. Devido às mudanças, a fraca segunda parte explica-se e compreende-se mais que a falta de velocidade e de jogo ofensivo dos jogos anteriores.
    Gostei muito do Ricardo e do Carlos Eduardo. O primeiro traz muita velocidade e entrega ao jogo, podendo mesmo ter terminado o jogo com uma ou duas assistências, não fosse o Ghilas estar em dia não. O Carlos Eduardo mostrou uma boa visão de jogo, esteve muito mais em jogo que o Quintero, que por sua vez esteve apagado.
    Quanto a Victor Garcia, mostrou bons pormenores. Sabe ser um lateral, embora não tenha sido genial. Mas para um jogador de 19 anos, acabado de vir dos juniores, promete bastante. A nível defensivo não foi verdadeiramente desafiado, tal como Reyes, que esteve bem no pouco que teve a fazer.
    Pior que a segunda parte do FC Porto, foi o adversário, que deu mau nome ao futebol. O Trofense só soube defender, mesmo a perder, e nem tentou os contra-ataques tirando uma ou outra raridade.

  2. Sem querer ser muito chato: o FCP continua sem linha de jogo, mesmo com esta equipa B não houve muitas jogadas de ataque, não percebo, parece que falta ali alguém atrás do Ghlias/jackson … não ??

    Sobre o Kelvin/Ricardo, especialmente o kelvin, caraças o gajo devia jogar a titular, ele tocou na bola 10 vezes e acelerou o jogo e falta isso ao nosso FCP falta tanto isso. Reparem no licá e no josué no proximo jogo e vejam a (não) velocidade que imprimem ao jogo.

  3. … bem, resumidamente sinto o que foi dito pelo Jorge: “Vejo vezes demais Alex Sandro a romper para o centro, para recuar a bola até Fernando que segue para Defour, que sem espaço para subir joga para um qualquer central…que joga de novo para Danilo e tudo se trava, tudo se desfaz e vamos começar de novo ao mesmo ritmo. Esta é a marca de uma equipa sem ideias, mais preocupada com a estrutura do que com a finalização. ”

    Mas ou seja, não é dos jogadores. Há ali qualquer coisa que não funciona, e o Paulo Ferreira ainda nao viu ou finge nao ver ou acha natural…

Deixar uma resposta