Proactividade vs Reactividade

É sempre complicado perder um jogo. E um jogo da Champions, por muito que a competição seja (muito) mais exigente que o nosso campeonato, custa ainda mais. Dói cá dentro, corrói a alma e desanima o corpo, faz-me atravessar sempre um deserto de ideias e uma invulgar incapacidade de olhar para o mundo de uma forma racional que pauta o meu dia-a-dia. É mais doloroso porque me bate a fria percepção que o nosso planeta encolheu para o tamanho de uma uva mirrada, que o nosso destino não passa do provincianismo de ganhar cá dentro, aos rivais de sempre e aos sacos de pancada que compõem a nossa triste Liga. É nestes jogos que o nervosismo bate mais forte, onde o coração pula a cada remate e a emoção está sempre na pontinha da língua que treme qual úvula pendurada de um qualquer palato. Escreve-se a quente, sequioso de vingança e preparado para arremessar lanças em direcção de todos e esperar que o próximo jogo seja sempre melhor, temendo o pior. É esta a vida de um pessimista que gosta de futebol.

Olho para o banco e espero não ver nem um grama (um? uma? nunca sei ao certo, com ou sem acordo) desta ferrugem mental que me rasga a alma e me polui os sentidos. E tenho-me visto lá também, no treinador que tem uma barba bem mais decente que a minha, um corpo mais bem cuidado e uma profissão a que todos que amam o desporto aspiram. Vejo-o a tentar mudar, sem o conseguir. A procurar impôr o seu estilo, as suas ideias, os seus princípios, aplicando-os a um grupo que parece estranhar a mudança e que demora tempo demais a entranhá-la. Vejo proactividade cedo demais e reactividade muito tarde. É este o binómio que assola a mente de tantos adeptos, especialmente nestes jogos grandes. Tira este, põe aquele, troca para ali, desce daqui, abre para o lado, corre para o meio. E enquanto nada parece funcionar a tempo inteiro, vamos passando por pequenos calvários em que olhamos para homens que já vimos fazer melhor e ponderamos se estarão bem, se vivem o mesmo e sentem igual. E tiramos o crédito que tantas vezes lhes foi dado para que a adaptação seja menos rápida e exigimos mais, porque é esse o nosso papel. É essa a nossa missão naquele estádio e em todos os outros estádios que pontualmente se vestem de azul-e-branco. Festejamos com eles, sofremos com eles, vivemos e morremos com eles. E tornamo-nos inconsistentes nas nossas ideias e atitudes (a quantidade de gente que vi no ano passado a insultar Vitor Pereira como se fosse um demónio infernal…estavam na terça-feira a clamar pelo seu regresso…), para só mais tarde parar para pensar.

Foi pior do que esperava. Foi mau. O próximo será melhor.

3 comentários

  1. Ai futebl, que és tao ingrato,..

    Se aquele fora de jogo, “centimétrico” tivesse sido assinalado, provavlemente estariamos a dizer que fizemos uma exibiçao boa na 1a parte e razoável na 2a..

    Agora anda meio mundo a pedir a demissao do treinador.
    -Ai Jesus!

    Pueerto

    P.S.-Jesus?

Deixar uma resposta