Baías e Baronis – FC Porto 6 vs 0 Atlético

Não foi mau e francamente jogámos melhor do que esperava, apesar dos primeiros quinze minutos terem sido um bom teste para qualquer pessoa a ver o jogo em casa, sentadinho no sofá com o aquecimento ligado. Fizemos um jogo sério, sem grandes brincadeiras (excluindo o primeiro Baroni e o terceiro Baía, por motivos diferentes) e acabamos por sair com seis golinhos no reportório, o que nunca sabe mal. Um treino decente para o próximo Domingo e a noção perfeita para muita malta que há vários rapazes em baixo de forma e outros que estão a pedir para serem dispensados destes fretes. Enfim. Siga para notas:

(+) Varela. Mais um jogo para me fazer dobrar a espinha e dizer: parabéns, Silvestre, que bela partida tu fizeste! E não fosse o facto de estares a enfrentar o equivalente futebolístico de dez Bolattis e um Kralj, e estaria aqui a tentar arranjar o telefone de meia-dúzia de clubes árabes para lhes dizer que há aqui um internacional luso que destroca futebol como o LeBron dribla uma bola de basket! Muito bem nos dois golos e na inteligência com que controlou a grande maioria dos lances de que fez parte, mas acima de tudo pela forma como pegou na bola sem medo do lateral que apanhou pela frente e tentou várias vezes furar, penetrar, rupturar (sounds dirty, don’t it?) a defesa contrária. Gostei, quero ver o mesmo contra o Maxi e o André Almeida ou lá quem raio vai jogar nos flancos do Benfas no próximo Domingo.

(+) Defour. Excelente jogo do belga, na posição que gosta. E foi dos únicos que fazia aquelas estranhíssimas colocações de pés que a maioria dos colegas parece achar alienígena: recebe a bola, controla-a e envia para outro colega. Uau, que estupor de génio! É assim que Steven joga, simples, prático, sem inventar muito a não ser quando sobe no terreno com a bola (habitualmente bem) controlada, mas mesmo aí procura sempre encontrar o melhor espaço por onde passar o corpo e a melhor opção para onde passar a bola. Apesar de compreender os motivos, tenho pena que queira sair, até porque um médio com esta qualidade e experiência não se encontra facilmente. Mesmo depois daquela parvoíce em Málaga no ano passado.

(+) Kelvin, quando é prático. Há quem goste do estilo. Há quem o odeie. Mas ninguém fica indiferente ao rapaz desde 11 de Maio de 2013, por isso quando pega na bola no relvado do Dragão, centenas pensam que vamos ser campeões outra vez. Nem sempre, mas a verdade é que o rapaz tem talento e quando o aplica na dose certa, é um abre-latas porreiro. Não o vejo como titular no FC Porto, especialmente se Quaresma atinar no flanco e Varela mantiver o nível, mas é muito útil para ter no banco. Só tem de parar de se atirar para o chão.

(-) Danilo e Alex Sandro. Continuo a achar que há jogadores feitos para jogarem em qualquer altura e contra qualquer equipa, ao passo que outros servem para jogos menores e ainda outros que só servem para jogos que acham ser “de jeito”. Danilo e Alex Sandro estão neste último grupo, porque a forma indolente com que encaram jogos “menores” devia ser castigada por um qualquer treinador com uma ou duas corridas à volta da cidade do Porto. Sim, da cidade, não só do Estádio. E deviam fazê-lo com cães raivosos a tentarem morder-lhes os calcanhares. Não é de agora e o comportamento persiste há tantos anos que começo a desistir de perceber algumas destas mentalidades, porque me custa ver outros rapazes na B ou nos sub-19 que davam um anel do esfíncter para jogar noventa minutos pela equipa principal…e estes moços têm essa hipótese e não querem saber. Um treinador que não tivesse medo de apostar na miudagem…já lhes tinha dado férias e deixava de ver aqueles focinhos desesperadamente aborrecidos em jogos de caca.

(-) Josué. Há uma linha ténue que distingue a forma como trato um médio criativo quando falha passes. De uma certa forma não me incomoda que os tente porque sei que vai falhar alguns, por isso incentivo-o sempre a fazê-lo desde que o jogo começa. Mas quando o rácio de passes certos começa a ficar abaixo dos 20 ou 30%, enerva-me. Talvez não seja a maneira mais pedagógica de ver a performance de um jogador…mas eu não estou aqui para ensinar ninguém. Acerta a merda dos passes, Josué.


Seizazero em casa. Nunca é um resultado mau vencer um jogo por uma margem destas, mas se formos a ver a qualidade da equipa do Atlético, só ficamos a perder uma goleada que podia ser histórica. Mantenho a ideia que devemos jogar a sério mesmo contra equipas pequenas, até porque é uma forma de lhes valorizar o trabalho, que por muito ineficaz que seja, ao menos é feito de suor. Hoje, apesar de termos jogado com seriedade e sem facilitar em demasia…nem precisamos de mandar lavar as camisolas.

2 comentários

  1. Podia jurar que o Varela não fez mais nada além dos dois golos e que o Josué tinha feito dois em três grandes passes a rasgar a defesa que foram mal aproveitados pelos atacantes, além de continuar a mostrar grande qualidade a servir nas bolas paradas.
    Deve ser dos meus óculos. :P
    No entanto gostei muito deste resultado. Há bastante tempo que não via uma goleada clara a um adversário acessível… Venham mais. Até pode ser já para a semana! hehe ;)

  2. Baía ao Kelvin quando é prático… infelizmente é um Baía curto em tempo de jogo.
    Espero sinceramente que no jogo na luz o treinador não tenha aquela tentação doida de o colocar a jogar… (faz-me lembrar uma eliminatória da champions em que jogávamos contra o Bayern nas Antas e precisávamos de ganhar e a perder por 0-1 o Artur Jorge inventa de por o Madjer a jogar; o povo eufórico, e eles ganham por 2….)
    Pelo menos a contratação do Quaresma já fez bem; Ricardo parece-me um jogador interessante; o Varela não quer perder o combóio…
    Quanto ao Defour dava-lhe um Baia por ter dito nos jornais aquilo que em Portugal tentamos esconder: que a nossa liga está cada vez pior, e que era bom que os treinadores portugueses fossem todos fazer uma reciclagem ; que houvesse jogos no Boxing Day para acabarem as férias na América do Sul, que nesta época do ano são o pior dos tormentos : quem está motivado para vir jogar contra o Atlético à chuva e frio, se está na praia com os amigos em férias?…

    Quanto ao jogo propriamente dito cumprimos, e isso é sempre positivo, por muitas voltas que demos.

Deixar uma resposta