El Ex-Comandante

A notícia bateu-me como se tivesse levado um estalo no focinho. Lucho teria comunicado à Direcção que tinha uma oferta do tamanho da Torre dos Clérigos para ir jogar ano e meio para o Qatar e encher os bolsos de uma maneira que o ia obrigar a comprar calças novas todas as semanas. O FC Porto teria aceite a saída e o capitão já não ia jogar contra o Marítimo. Pumba, embrulha.

Não fiquei triste. Estranhei o sentimento mas não o deixei envolver-me num torpor de infelicidade como já aconteceu no passado com tantos outros nomes (Kostadinov, Timofte, Drulovic, Deco, Lisandro, Moutinho, Falcao e…Lucho). É verdade que os clubes fazem os nomes dos jogadores tanto como eles o fazem por si mesmos, mas Lucho e FC Porto ficaram associados à minha cabeça em duas temporadas distintas que me marcaram por motivos diferentes: 2005/2006 e 2012/2013. Na primeira porque foi a época de estreia de um jogador que já seguia há alguns anos e cuja notícia que dava como certo que vinha jogar no meu clube me encheu de alegria, especialmente porque era exactamente o jogador que precisávamos depois da muy horrível época que então terminava. Com Adriaanse brilhou, continuou a evoluir com Jesualdo e saiu numa altura em que o clube precisava de dinheiro e ele, sem deixar de ser um líder com postura admirável, também aproveitou para ganhar o dele. Quase se perdia em Marselha e voltou para o clube que lhe deu maior exposição mundial para ajudar a estabilizar o grupo em 2011/2012 e para liderar uma equipa órfã de figuras grandes na temporada 2012/2013. Tetra-campeão na primeira vinda, bi-campeão na segunda (talvez tri, quem sabe), foi sempre um exemplo para os jogadores e para os adeptos, dos poucos que sempre recolheu elogios de todos os clubes em Portugal. Para quem estiver distraído do panorama futebolístico nacional, é quase utópica a figura de Lucho cá pelo burgo.

Não sei como correu a conversa entre ele e a Direcção, Paulo Fonseca incluído. Mas acredito que terá sido qualquer coisa como isto:

Malta, acabei de falar ao telefone com os directores do penúltimo classificado da Liga do Qatar e os gajos oferecem-me contentores de petropesos para ir para lá jogar ano e meio. Esperem, por favor, deixem-me falar até ao fim e depois dizem o que vos apetecer. Como estava a dizer, é uma pipa de massa e para vos ser sincero, especialmente ali com o barbas, já não tenho pedal para esta coisa. Tu sabes, Paulo, que já me lixaste as pernas quando me puseste meia época a correr atrás do Jackson e agora andavas a experimentar gajos diferentes em posições diferentes só para não me tirares de campo que era o que eu já andava a merecer há alguns jogos. E se posso continuar a ser honesto contigo (apontando para o resto da malta na sala) e convosco, como fui durante tanto tempo, acho que já estou a mais aqui no plantel. Nunca fui um gajo rápido e os tipos que tenho apanhado pela frente parece que andam a beber latas de Red Bull de penalty – perdão, nem devia falar dessas coisas porque já falhei mais do que devia – antes de entrar em campo e eu não consigo acompanhar. Gostava muito e tento chegar à bola mais depressa que eles, mas não consigo. E eu sei, Paulo, que tu andas à rasca no banco quando vês que o capitão da tua equipa já não faz o mesmo que pensas que consegue, e por isso te digo que não consigo. Não dá mais, pá, não dá. E por isso, se não se importam de poupar umas centenas de milhares em salários, eu vou sair aqui por esta porta pequena enquanto os adeptos não degradam mais a minha imagem e não me começam a assobiar como fazem aos putos que nem sempre merecem. Eu conheço essa malta e sei que são exigentes e já sinto que começam a não conseguir perdoar-me por não estar ao nível que eles pensam que eu devia estar. (pausa para limpar as lágrimas). Para além disso tudo, acho que já não consigo pegar nos gajos e levá-los comigo com o que lhes digo. Os tempos são diferentes e na altura tinha o Raúl e o Licha que eram gajos que me entendiam e que eu conhecia como irmãos. Agora parece que tudo o que digo cai por terra num instante, ninguém me liga nenhuma e esta braçadeira que uso no braço acaba por ser mais por estatuto do que pela liderança que gostava de poder ter mas que não tenho conseguido pôr em prática. Talvez haja outros que o façam melhor que eu e vocês talvez já tenham outro gajo em mente…e por isso é que mesmo que gostasse imenso de acabar a minha carreira aqui no clube, já sei que não tarda muito e começava a ir para o banco e acho que ainda posso jogar mais algum tempo sem ter de me sentar jogo atrás de jogo naquelas cadeiras todas finas mas que não me alimentam o vício. Por tudo isto e pelo que já fiz pelo clube, acho que mereço que não me fodam a cabecinha e me tentem convencer a ficar. E pronto, era só isso. Agora força, digam lá o que vos vai pela alma.

Obrigado, Lucho. Vai à tua vida, ganha o guito que mereceste e não te preocupes que nós por cá ficamos bem. Não tão bem como se cá estivesses, mas a malta safa-se. Sê feliz, tão feliz como já me fizeste.

5 comentários

  1. Esta notícia esmagou-me. Primeiro porque LG continuava a ser o jogador mais inteligente que tínhamos. Depois porque fica a ideia que sai LG porque fica PF.

    Perceberia melhor se o LG estivesse a ser a peça “a mais” que engasgava o todo. Mas custa-me aceitar que seja esse o caso. Sim LG tem 33 anos, e então? continuava a ser dos que mais corria e dos que mais se sacrificava em campo. Mais a mais temos exemplos como Seedorf, que estava a jogar até à quinze dias atrás, ou Pirlo que continua a ser um dos esteios da Juventus aos 34 anos!

    Se temos um jogador inteligente, porque não aproveitar a sua inteligência, nomeadamente no capítulo do passe vertical, a rasgar, jogando numa posição mais conservadora da sua energia em vez de andar o tempo todo a jogar como falso avançado?

    Poupamos uns cobres em salários e prémios. Salva-se isso, mas se falharmos a champions esta decisão vai sair muito cara mesmo.

  2. Fica a opinião de um benfiquista. Em primeiro lugar, muito dificilmente o FCP falhará o campeonato, quanto mais o segundo lugar – o SCP ainda não passou por duas ou três lesões, e o SLB tem história de falhar nos momentos decisivos, e perdeu um jogador – in my humble opinion – muito mais importante para o plantel.

    Em segundo lugar, isto mostra bem o que é Portugal. Um campeonato pouco atractivo, onde as grandes figuras aparecem por acaso, e desaparecem logo. Há que perguntar porque os dois principais clubes não pagam bons salários aos 4/5 jogadores que interessam, optam por jogadores da formação, que correm mais (posso ser eu, mas no SLB-Bel da taça da liga vi os miúdos correrem muito mais) e não desbaratam rios de dinheiro em jogadores, no mínimo, duvidosos. Não posso falar pelo FCP, mas olhando o SLB vejo entrar sair jogadores que não jogam.

    Enfim, resta rezar para que o SLB seja rapidamente eliminado da UEFA, para sonhar com o campeonato.

    Saudações desportivas

    Alberto de Carteado Malheiro

    1. de acordo, menos na parte da eliminação do SLB das provas europeias. então ano passado ficaram a dois minutos de vencer o campeonato, foi mais azar (ou intervenção divina, como quiserem ;) ) que outra coisa, homem!

      um abraço e parabéns pela saudável opinião,
      Jorge

Deixar uma resposta