Baías e Baronis – FC Porto 1 vs 0 Benfica

É uma vitória, mas também é uma derrota“, ouvi enquanto ia saindo do estádio. Nim. É uma vitória factual, com números escassos, porque se formos a pensar bem e se ambas as equipas tivessem sido eficazes, o resultado tinha sido qualquer coisa como 4-1 a nosso favor. Mas não foi e não o foi em grande parte por culpa nossa já que houve mais uma quantidade de golos falhados que faz com que qualquer adepto se enerve e peça a Deus um poucochinho mais de benevolência divina para o nosso campo. O Benfica permitiu que jogássemos no meio-campo deles em toda a primeira até ao ponto em que já não havia nada que permitir porque o relvado era nosso e o jogo era nosso e quase que a eliminatória foi toda nossa. Não o conseguimos e a equipa implodiu fisicamente a meio da segunda parte, quase desfazendo em vinte minutos o que tinha demorado setenta a construir. Saí sorridente mas preocupado com a segunda mão. Eu e todos os outros. Vamos a notas:

(+) Finalmente, um Porto de que nos podemos orgulhar! Já cá faltava um destes, carago, depois de tantas exibições com a chama tão apagada e sem a capacidade e concentração em níveis tão altos quanto são sempre exigidos de jogadores que usam aquela linda camisola. E se é verdade que o Benfica se organizou em pleno para permitir um maior domínio da nossa parte, jogando com a estratégia típica de uma equipa que joga a primeira mão fora de casa numa competição a eliminar, não é menos verdade que a meio da primeira parte devem ter começado a pensar que se calhar mais valia terem optado por outros truques que têm (oh se têm) nas mangas. Fomos dominadores, rápidos, pressionantes, jogando com coração mas muita cabeça, rodando a bola com bom critério na zona mais recuada e furando com incisividade pelas laterais, sempre com a baliza como objectivo. E se é ainda mais verdade que foi das melhores exibições do ano, especialmente na primeira parte, também é verdade que me deixou um sabor acre na boca, pensar que podíamos ter usado esta fibra, esta organização em campo exibida pelos mesmos jogadores numa táctica semelhante à anterior…se ao menos houvesse cabecinha no sítio e vontade de mostrar que até podemos perder esta merda, mas que em nossa casa não queremos cair. Não podemos cair. Muito menos contra o Benfica, porque é uma questão de honra. Tem sempre de ser uma questão de honra, carago. Foi algo que Fonseca não percebeu desde que cá chegou e que Luís Castro conseguiu voltar a transmitir aos rapazes: nós, todos nós, somos melhores que os outros. E é em campo que temos de o mostrar. Hoje, conseguiram-no. Parabéns, rapazes!

(+) Jackson. Na minha cabeça, a comparação com dois lances do nosso passado é fácil e impossível de evitar apesar da diferença nas balizas e na geografia: McCarthy recebe um cruzamento de Nuno Valente e salta mais alto que Gary Neville, cabeceando para o cantinho da rede com Tim Howard batido. Sete anos depois, em Dublin, Falcao salta para apanhar um cruzamento de Fredy Guarín do lado direito, fazendo a bola passar ao lado de…guess what, Artur. Foi um golo estupendo, na senda desses outros dois brilhantes tentos que guardo na minha memória e para onde este vai direitinho. Mas não foi só pelo golo que Jackson aqui está, porque trabalhou imenso, atrás e à frente, servindo como primeiro tampulho aos ataques do Benfica pela zona central e recuando para ajudar…os laterais na cobertura defensiva. Teve azar no remate ao poste mas não mancha o que pode ser o regresso de Jackson à boa forma. Terá pernas para continuar?

(+) A primeira parte de Quaresma. Segue com a bola, aparece adversário, finta-o, continua pelo terreno fora, mais uma finta, com os dois pés, à Deco, ei que este gajo hoje está em brasa, pumba mais um túnel ao Cardozo e lá vai ele pela linha, olha mais um cruzamento, não, parou outra vez, vai ver se traça o Maxi, quase, volta para trás, passa a bola ao colega. Uff. Foram jogadas consecutivamente geniais de Quaresma, lutador na frente e esforçado na rectaguarda. Pena que tenha exagerado nos lances individuais durante a segunda parte…

(+) Aquela defesa do Fabiano… foi qualquer coisa de orgásmico para quem estava, como eu, a ver a bola já a entrar para a nossa baliza. Depois de inúmeras oportunidades falhadas, foi o nosso guarda-redes que acabou por receber um aplauso enorme do Dragão depois de uma defesa que faz Yaschin parecer um menino manco e sem elasticidade nos bracinhos. Excelente, caríssimo, excelente.

(-) Golos falhados. Num jogo deste nível, num confronto entre estas duas equipas que se pode decidir por um mero pormenor, uma distracção, um descuido posicional ou uma falha momentânea…falhar tantos golos é agonizante para quem joga e ainda mais para quem vê sem poder interferir. Varela, Jackson, Quintero, Herrera, todos eles tiveram o golo nos pés e falharam a oportunidade de entrarem para a história em mais um festival de golos que termina apenas com um pre-show interessante mas que deixa tudo em aberto para a segunda mão, com a vantagem do lado do Benfica. Sim, vencemos o jogo, mas se o tivéssemos feito com uma margem maior (e devíamos, raios!), podíamos ir a Lisboa mais tranquilos. Hélas.

(-) Ai quem me dera ser só da cintura para cima. É uma música que fez parte de um sketch do Gato Fedorento, esse grupo de talentosos e primários anti-portistas, que espelha na perfeição o que senti quando olhei para o relvado a meio da segunda parte e percebi, como Luís Castro e outros quarenta mil nas bancadas, que os rapazes andam à rasca das pernas. Como escrevi aqui há uns dias, há jogadores com minutos a mais nas pernas (casos de Danilo, Alex Sandro, Varela ou Jackson) e começa-se a fazer notar especificamente neste tipo de jogos em que o coração pede mais mas os músculos já não conseguem responder e a cabeça é habitualmente a próxima a ir. Não deverá ser surpresa para ninguém a simultaneidade da subida no terreno do Benfica e a descida no mesmo do FC Porto, precisamente numa altura em que Jesus (bem) fez entrar as peças mais importantes da equipa com a excepção de Enzo (maldição de banco que estes estupores têm e que vantagem de poderem rodar jogadores de tão alto nível! malditos, insisto!) e colocou um ataque com Gaitán, Markovic, Lima e Cardozo, que assusta qualquer equipa. E assusta especialmente uma formação com dois laterais à rasca dos gémeos, um central com pouca experiência nestas coisas (mas que se safou bem) e outro que andou a primeira parte toda a recuperar sozinho de uma lesão sofrida durante o jogo. Já devíamos ter começado a rodar jogadores há bastante tempo e o facto da segunda mão ser disputada três dias depois de irmos a Braga e seis depois de Sevilha pode (deve?) querer dizer que vai haver algumas poupanças na pedreira…


Podia ter sido o tónico que a equipa necessitava para um final de temporada um pouco mais seguro e confiante. Mas a forma física de alguns elementos essenciais do onze, acoplada à falta de opções alternativas que assegurem bom rendimento sem falhas de maior pode ser um handicap difícil de recuperar. Pode estar na altura de começar a tomar opções pelas competições que podemos mesmo vencer…e o campeonato, lamento dizê-lo, mas está agora no fundo da lista…

13 comentários

  1. Jorge
    Se me permitires,eu gostaria de me contrariar na opiniao que deixei anteriormente,mesmo que o porto elimine,os mouroslampionicos, nao fara dela um time de classe alguma, talvez numa outra epoca que nao esta,falta muitos argumentos e processos definidos de leituras e de fases de como estar em jogo.
    Estou farto de ler FADIGA sobre jogadores,que digam os cenas da nba que jogam quase todos dias,portanto so teem qiue jogar,e ja agora que tal apostarem em lica para lateral direito,mas isto ja sao outros processos de jogo

  2. E ganhamos.

    Mais uma vez, agarrado a TSF, consegui apanhar grande parte do jogo, com excepcao do mais importante, o golo!

    De qualquer das formas há que destacar todos os jogadores. Apesar de gostar do facto de que o Reyes está finalmente a apresentar motivos para vestir a camisola e para o Quaresma (que eu muito acredito que será o futuro capitao do FC Porto), acho que o destaque vai para todos os jogadores e equipa técnica. Conseguiram num curto espaco de tempo demonstrar que nem estao enterrados nem mortos nem as portas da morte. Pelo contrário ainda existe muita vontade naquelas cabecas para fazer muito mais.

    Concordo contigo em relacao ao campeonato. Tendo em conta que o primeiro lugar já vai longe e o segundo nao depende de nós há que usar os melhores nas competicoes em que ainda temos uma palavra a dizer. Além de que, o Braga nao está propriamente num grande momento de forma e um pouco de rotacao na Pedreira só iria fazer bem. Até mesmo no jogo com o Nacional, um jogo já de si dificil, já deveriamos comecar com alguma rotacao.

    Lá mais para o fim da época será altura de promover alguns dos “B’s” que tem feito uma temporada bem interessante e dar-lhes um gostinho da relva do Dragao. Também merecem.

    Para terminar, poderá Luis Castro ficar com o lugar? Cada vez gosto mais de ouvir o homem falar e pormenores técnicos e tácticos a parte Castro tem uma coisa que Marco Silva nao tem. Portismo, e isso para o ano vai ser muitooooo necessário.

  3. O J.J. tem um handicap insolúvel nos jogos no dragão… acho que nem deve dormir na noite anterior. Ontem montou um alibi – ai!, o jogo de Braga, e tal.. – para se justificar pelo que sabia ia acontecer.
    ( Como nós já sentimos no pelo, em épocas anteriores, estas poupanças nem sequer são boas… ver taça de portugal em braga/psg e ver tb jogo do málaga… )
    Quanto a nós, se continuarmos a ganhar, vai ver que os gémeos cansados vão todos ter uma vida nova… Não me assusta a ida à luz. Estamos de novo com espírito de conquista, e a cada jogo o mister descobre alguém que vem surpreender. Ontem o Herera e o Jackson (que finalmente jogou). Há-de chegar a vez do Varela… O Reyes tem sido uma bela surpresa. O Fabiano enorme. Para além dos outros : ontem ninguém mereceu Baroni. Bem certo!

    Parece que voltamos ao normal.
    Ainda nem todos acreditam, e alguns protegem-se.
    Mas, se este era o teste de que precisávamos e o passamos, quais são as dúvidas?

    Ah, Jorge, e esteve bem nas bancadas !…

  4. Viva, bom jogo.

    Foi pena falharmos uns quantos golitos… a nossa defesa já parece algo sério :) +1 para o Reyes porque entrou mto bem na equipa! Para um puto joga muito bem e a cima de tudo sabe o que fazer da bola quando lha passam, nao mete nojo.

    Bom, mas esta ‘posta’ é só para comentar os “minutos nas pernas”.. em Portugal muito se fala disso e eu não percebo. Em Inglaterra a intensidade é maior e sem ser o Mourinho que se queixa bastante toda a gente parece achar normal. Acho que é um mito de Portugal, “tadinhos, estão cansados” …gr.

  5. Ah! +1 para Luís Castro. Gosto da maneira pausada como fala com os jornalistas, gosto de o ouvir dizer à equipa “subam! subam!”, mas acima de tudo provou que o problema eram as más decisões do PF e voltou a colocar o FCP a jogar futebol. Ainda não está tudo bem, mas todos nós sentimos um “crescendo” da equipa!

  6. Bom jogo, excelente primeira parte e uma 2ª mediana. Falhamos demasiadas oportunidades, podíamos ter resolvido ontem a eliminatória mas vamos para a Luz para ganhar, não para defender o resultado!!

    Outra coisa extremamente importante e que você fala e eu concordo é como excesso de minutos de alguns jogadores, era importante que Jackson e A.Sandro descansassem já na madeira, são 2 jogadores importantíssimos que necessitam de descansar para estarem a 100% para os jogos difíceis que se avizinham!

  7. Bom dia meus caros.

    Finalmente!!! Finalmente vimos o dragão a jogar esta época com garra, determinação, vontade, empenho, força,…
    Foi uma justa vitória da melhor equipa em campo ontem. Esperemos que seja para repetir mais vezes… haja disponibilidade física e mental para isso. São ainda muitos os jogos e duros até ao final da temporada.
    Uma palavra para Luís Castro que tem estado muito bem.

    Saudações Portistas

    P.S.- A armada sul americana ainda assim… não estou ainda convencido

  8. Acho que devemos colocar nos Baias o menino Reyes… que jogão que este menino fez ontem e que tem feito!
    Ninguem se queixa da falta de Maicon ou Otamendi.

    Tal como disse ontem, o Porto ganhou o jogo e peca por escasso!

    Em nossa casa mandamos nós!

    Porto :)

  9. Ainda não vi um jogo no Dragão este ano em que saísse de lá satisfeito. Ora jogamos mal e perdemos, ora jogamos bem mas não ganhamos, ora ganhamos mas jogamos mal ora ganhamos mas tivemos sorte. Ontem foi uma estreia. Jogamos bem e ganhamos mas saí de lá mais fodido do que nos jogos contra Zenit, Atlético, Austria de Viena, Nacional e Estoril todos juntos:) Uma curiosidade: bolas aos postes/barras nos utimos 5 jogos. Napoles em casa (1), Viscondes fora (1), Napoles fora (1), Belenenses casa (2), Borrados casa (1). Fodasse mais a pontaria :)

  10. completamente de acordo, e saliento é preciso fazer descansar jogadores na pedreira… a defesa da equipa b + abdolaye quintero carlos eduardo herrera kelvin guilas lica serve perfeitamente.

  11. olá Jorge..
    parabéns pela vitória, mereceram, fizeram mais e melhor para a obter.
    Terás de concordar (ou não, claro) que as equipas foram preparadas com objectivos diferentes..houve muito mérito nas opções do FCP para este jogo, muito demérito nas opções do meu SLB para este jogo…Braga está já ali e a Holanda ainda está a umas horas de viagem…

    Se (e é um grande SE, mas perfeitamente admissível para qualquer adepto que ama o seu clube e tem as suas expectativas alicerçadas numa época desportiva a decorrer) chegarmos (o meu Benfica) a dia 16 a apenas 1 jogo (em casa) de nos sagrarmos campeões e já com mais uma presença assegurada numa meia final europeia (quiçá convosco ), o jogo será diferente e 1 golo não é uma vantagem assim tão grande….

    Veremos…

    poderão vocês no entanto entrar em processo de gestão de plantel e descurar a luta pelo 2 lugar e o acesso directo à champions? hum…..

    abraço, parabéns mais uma vez.

    1. concordo e foi exactamente isso que disse na crónica do jogo. mas ali para o meio da primeira parte, com mais um bocadinho de sorte tínhamos quase reservado espaço no museu para esta Taça em particular. raios. agora vamos ter de suar pela vidinha na segunda mão…mas enfim, haja futebol do bom como ontem!!!

      um abraço,
      Jorge

  12. Porreiro pá! Boa vitória, bom jogo, foi pena que o resultado não tenha sido mais dilatado…
    A 2ª mão não vai ser fácil, depende de como correrem os jogos da Liga e LE…
    O nosso ritmo foi muito bom nos primeiros 30 minutos, o treinador tem mérito, e os jogadores, com um “patrão” novo demonstram outro tipo de atitude. Que pena que o presidente não tivesse deixado sair o PF logo no 1º pedido de demissão..enfim, agora já não interessa muito.
    Valeu a posse de bola, se bem que irrita um pouco ver os centrais a trocarem lateralmente o esférico, mas o benfica também subiu bem na pressão. Quando conseguíamos ultrapassar o adversário directo, ganhamos logo vantagem, e aquelas jogadas de 2 para 1, resultaram bem. Pena a ineficácia dos nossos, já não é de hoje…de facto o resultado podia ter sido mais volumoso.
    As 3 unidades do meio campo foram uma surpresa, acho que nunca tinham jogado os 3, se bem que o Herrera muitas vezes parece um corpo estranho, é capaz de uma finta de corpo digna de se ver e depois entrega mal a bola num passe infantil. Se o Quintero tivesse mais cabedal e outro posicionamento (mais 8 e menos 10) encaixava perfeitamente no trio do meio campo.
    Comparo-o às vezes com o Anderson, que também era um 10, brinca-na-areia-parte-aquilo-tudo, e hoje é um gajo que fax box-to-box,quando joga, porque na Fiorentina ainda não o vi jogar.
    O Varela é um jogador de grande entrega, mas que pena o Iturbe não ter tido uma oportunidade. O Kelvin é de facto um mistério, e dificilmente irá singrar de uma forma constante e regular.
    Últimas notas, se me permites, para o Jackson, que ontem este a grande nível, e para o público que penso também ter desempenhado um papel importante para “empurrar” os nossos e pressionar os “outros”

Deixar uma resposta