Baías e Baronis – Nacional 2 vs 1 FC Porto

 

foto retirada de MaisFutebol

Torna-se muito difícil assistir a um jogo do FC Porto para o campeonato a partir do momento em que é quase certo que nada fará com que consigamos vencer a prova. Ao mesmo tempo há uma espécie de desinteresse activo, onde o jogo ganha mais importância e o resultado cada vez menos, em que se começa a assistir às partidas numa fugaz esperança que a vitória calhe para o nosso lado sem grande convicção que tal venha a acontecer. Este foi mais um exemplo da forma como o FC Porto está desligado desta competição há algum tempo, preocupado com os jogos das taças e desconsiderando a prova que é mais importante para todos que estão da parte de fora do relvado. Cansaço, físico e mental, levam a isto. E até Capela ajudou, porque este jogo podia ter acabado numa vitória para o Nacional por vários motivos, mas aquele golo anulado a Jackson…enfim. Seis derrotas para o campeonato. Não me lembro de tal coisa. Para as notas, tout suite:

(+) Jackson. Já começa a ser azar ter dois golos anulados pelo mesmo motivo em dois jogos consecutivos. Se o que marcou ao Belenenses ainda pode ter sido precedido de carga sobre o avançado, este foi limpo, com Jackson a subir bem mais que o defesa do Nacional antes de cair por cima do adversário, que saltou bem depois de Jackson. Um erro que nos custou um ponto, mas que em nada mancha a boa exibição de Jackson, incansável na procura de espaços e na cedência da bola aos colegas que a pediam pelas laterais. Parece rejuvenescido depois do jogo contra o Benfica e espero ter um Jackson em forma até ao final da época e pronto para um Mundial em grande.

(+) Reyes. Continua a trabalhar bem este mexicano, com bom nível no passe, atenção na intercepção e bom posicionamento defensivo. Não tem culpa de estar emparelhado com um dos centrais menos fiáveis da história recente do FC Porto, tendo de tapar a sua zona e ajudar a cobrir a zona do colega…

(-) Indolência e descompressão competitiva na primeira parte. Há uma espécie de desinteresse que se apodera dos jogadores em alguns momentos que me parece incompreensível. A primeira parte deste jogo é um enorme deserto de 45 minutos, sem ideias, velocidade, agressividade e ritmo competitivo. Foi como se o jogo contra o Benfica tivesse consumido toda a força, a moral e a inteligência táctica da equipa, anulando um meio-campo que tão bem esteve na quarta-feira (foram os mesmos Fernando/Defour/Herrera que jogaram a meio da semana?!) e tornando qualquer saída de bola da defesa num muro intransponível, com passes falhados, péssimos controlos de bola e uma intensidade que se tornou dramática ao fim de meia dúzia de minutos, quando se percebeu que poucos estavam ali para jogar mas acima de tudo ganhar. Danilo e Quaresma foram a imagem mais evidente deste desnorte e alheamento competitivo, porque apesar de terem a bola dezenas de vezes nos pés, o 2 nem sequer tentava e o 7 tentava demais. Um Herrera lento demais, um Defour desaparecido e um Fernando trapalhão faziam o meio-campo afundar, e apenas Jackson parecia querer contrariar a parvoíce que grassava na mente de todos os jogadores. A segunda parte trouxe melhorias mas mais uma vez oferecemos dois golos e uma parte inteira ao adversário…só porque sim. E eu já nem me chateio com isto como fazia no início, com a diferença de estar a ver o jogo no sofá, porque se estivesse em campo podem ter a certeza que tinha corrido mais que aqueles gajos todos, nem que tivesse de romper o outro menisco.

(-) Abdoulaye. Se me permitem uma viagem pelo nosso passado, imaginem um jogador com a capacidade de passe de Stepanov, a excessiva agressividade de Argel, a velocidade de Ricardo Silva e o posicionamento de Matias. É esta amálgama de parvoíce que hoje ocupou a posição de titular no eixo da defesa do FC Porto. Tiago Ferreira de muletas faria melhor trabalho.

(-) Licá. Sou dos primeiros que diz que o rapaz não é extremo, tal como Ghilas também não o é e sofre com isso. Mas Licá insiste em provar que não pode sequer ser titular no FC Porto pela diferença de produtividade entre ele e Varela, deixando aqui a nota que Varela está a atravessar uma daquelas lombas de rendimento capazes de engolir três Hummers. Nem consegue mostrar o querer do início da época porque perde em velocidade, em força e em capacidade de luta contra jogadores do Nacional da Madeira. E quando isso acontece, mais vale ficar em casa a ver o jogo pela televisão.


E agora, meus amigos? A quinhentos pontos da liderança e a quase outros tantos do segundo lugar, terá chegado a altura de desistir como tantos pareceram fazer na primeira parte? Ser frio e calculista é complicado num clube que luta sempre para vencer, mas a toalha já está no chão há algumas semanas e quem a atirou primeiro foram os jogadores…

9 comentários

  1. Um Baroni para o energumeno do Marçal também não ficava mal. Parece que adivinhou no “ouve lá ó mister” que este gajo ia meter nojo. Teve azar meteu-se com o jogador errado e ainda bem que não deu em nada.

  2. Bom dia a todos.

    Ontem foi um dia em que voltamos a não ganhar!

    É verdade que não nos deixam ganhar, é verdade que nos empurram mais para baixo, mas será que fazemos tudo o que devemos para ganhar?!

    Confesso que depois de 4ªfeira, pensei que as coisas fossem entrar nos eixos,… afinal… Qual é o Porto que é verdadeiro?

    Sabemos que temos que jogar sempre mais para ultrapassar as forças que nos empurram,… sempre foi assim e sempre será. Com exibições como as de ontem não vamos lá. No máximo merecíamos o empate… temos que ser justos.

    O Sevilha será prova de fogo, mas eu acredito em LC.

    Saudações Portistas

  3. A cara do Luis Castro ontem dizia tudo: a forma como ele olhava para os jogadores com vontade de ir lá dentro dar-lhes um tabefe, não pode ser mais elucidativa sobre o que está a acontecer… salvo raras exceções nenhum deles se interessa já pelo campeonato…
    A primeira parte foi penosa de mais; a segunda mais composta…mas quando se dá tanta antecipação, fica mais fácil sermos vítimas de árbitros maus e jogadores que se atiram para o chão, e guarda-redes que têm dores súbitas, e postes que rechassam bolas …
    por último, é triste ver como estes jogadores destas equipes merdosas, celebram as vitórias contra nosotros , e abrem as pernas quando jogam contra outras gentes de cores mais garridas… mas, enfim, não é o fim do mundo…( anda lá próximo !)

  4. Jorge: 100 pontos + 1 obrigado muito especial pela referencia ao Matias e seu monumento de pilosidade supra-labial. Quase lacrimejei.

    Ao LC, tanto que tenho apreciado a leitura de jogo e capacidade de mobilizacao do homem…hoje foi uma enorme desilusao. A 1a parte parecia saida dos piores pesadelos do Fonseca. Uma letargia absurda e uma falta de respeito tremenda pela camisola que vestem e pelos adeptos do Clube. Uma merda.
    O onze inicial…nem sei que diga. O LC nao tera visto jogos do FCP da Era Fonseca? Lica? Meio-campo sem elementos criativos vs o Nacional da Madeira?
    Era complicado perceber que Herrera+Defour+Nando seriam uma mao cheia de nada para aquele desafio especifico?
    A opcao por Abdoulaye…ja nem sei que diga. Muito provavelmente o pior central que alguma vez vi com a camisola do nosso clube. Da-me pena ver o estado a que chegamos. Preferia ver o JM Pinto com 42 anos e o bigode do Matias a fazer dupla com o Reyes. Da PENA.
    A mesma coisa para o Lica. Se o Kelvin nao oferece mais a um ataque do que aquele personagem, e melhor penurar as chuteiras. O mesmo e valido para todos os extremos que temos no clube, da Equipa B ate ao juvenis. Desistam.

    E para juntar a festa andamos a passar uma fase identica a de 2005 – jogamos mal e porcamente e ainda por cima somos gamados jogos sim, jogo sim. Ainda dou o fora de jogo de barato, mas o golo do Jackson e de bradar aos ceus. Mau demais.

  5. o Herrera é uma catástrofe de jogador… absolutamente inacreditável! não percebo, na 4ª feira também teve algumas perdas de bola porque não sabe jogar nem os passes mais fáceis, mas foram muito menos, e eu pensei “será que assim mais subido no terreno o rapaz até saberá jogar alguma coisa e só sofreu com o fonseca?” mas óntem voltou ao normal outra vez, que nele infelizmente é o péssimo…

    ainda bem que esta época realmente já somos nós proprios responsáveis por um fracasso quase histórico, porque se ainda estivesse algo em jogo passava-me com a arbitragem absolutamente escandalosa. mas todos os anos é assim, e o Porto simplesmente tem que jogar mais para não se sujeitar a essas coisas.

  6. Eu acho que o problema é o seguinte. A Liga já nao motiva ninguém. Talvez o Quaresma, talvez o Jackson mas aos outros já nao motiva. E estao cansados dos jogos a meio da semana, e estao cansados de serem roubados e como o 2o lugar já está entregue há muito tempo, idem, a Liga, os jogos nao lhes interessam. É mau profissionalismo?Sem dúvida! É compreensível? Claro que sim. O melhor era até ao jogo em casa com o Benfas rodar o plantel, incluir a equipa B, e gerir os esforcos para as Tacas que ainda podemos vencer. Que a Liga, ainda por cima com roubalheiras como a de ontem, já foi.

  7. Já o disse e repito só temos o que merecemos!

    Não tivemos ambição na preparação da época, este plantel é uma autentica vergonha e não o digo só por termos perdido este jogo, digo-o sempre desde o inicio da temporada!

    Uma equipa com Deffour, Licá, Herrera, Abdoulaye quer o que?? conquistar títulos?? Já se insistiu quantas vezes em Licá? Porque não se dá confiança e minutos a um menino como o Kelvin com 20 anos e que pelos menos tem potencial para se transformar num bom jogador?

    Agora restam as taças, é poupar no campeonato os jogadores com mais minutos e apostar tudo nas competições que faltam!!

    Da capelada do costume é melhor nem falar, uma autentica vergonha! mais uma!

  8. Custa-me ver que haja adeptos que não entendam a razão de LC ter alinhado com aquele meio campo. A razão é Paulo Fonseca, ou seja, a ausência de soluções criativas que não signifiquem perda de jogo defensivo no miolo. Carlos Eduardo está nas lonas, não tem classe, é mole, ocupa pouca área, e Quintero ainda não é jogador para 90 minutos. É claro que a única possibilidade é jogar com os carregadores de pianos. Que inventou o LC? Quando muito, ele tenta gerir um desastre inventado por Paulo Fonseca: uma equipa meramente vocacionada para dar a iniciativa de jogo ao adversário, sem criativos, nem mentalidade ofensiva.

    Lembro a invenção de LC para o lado esquerdo da defesa frente ao Nápolos: todos lhe aplaudiram a solução e os gigantes testículos em por o Ricardinho a lateral.

Deixar uma resposta