Ouve lá ó Mister – Nápoles

Estimado Professor,

Aqui há pouco mais de um ano, estava Vitor Pereira semi-firme no comando da ponte de controlo do Dragão, recebemos o Málaga nos oitavos de final da Champions. Fizemos um jogo muito bom, com excelente futebol, oportunidades a rodos mas alguma dificuldade em furar a defesa bem estruturada dos espanhóis. Vencemos por um magro 1-0, que nos deixou a temer o que poderia vir a acontecer na segunda mão, num estádio adverso com o apoio do público local a cascar nos lombos dos nossos muy nobres rapazes e todos receávamos que se não aguentássemos a primeira parte da partida, estaríamos a caminhar para um tenebroso túnel onde a única luz seria a de um combóio que certamente nos esfrangalharia as hipóteses de passagem à próxima eliminatória. Na altura foi Defour que deitou tudo a perder, com uma expulsão que teve tanto de parva como de inútil e que deixou a malta cabisbaixa a olhar para o resto das equipas que seguiram em frente com uma sensação de dever não-cumprido. Na altura escrevi como antevisão ao jogo: “um jogo que vai ser difícil, contra um adversário matreiro e dinâmico, que nos vai tentar fechar todas as possibilidades de avançarmos em frente na competição. (…) Temos de ser fortes, Vitor, temos de ter as lanças afiadas, as soqueiras bem carregadas e as biqueiras de aço firmes na ponta das botas. E vamos mostrar que não há Málaga que nos meta medo, porra!“.

Há muitas semelhanças entre este jogo e esse de Fevereiro de 2013 e se mudares o nome do clube naquela última frase, o sentimento é exactamente o mesmo. A diferença, este ano, é que não temos mesmo nada a perder, porque o campeonato já parece uma longínqua miragem e o resto das competições pouco mais trazem que algum prestígio em caso de vitória mas um grande nada se formos eliminados das duas Taças que ainda nos faltam disputar, ainda por cima contra o Benfica. Por isso, sem querer pressionar o grupo que o meu caro amigo agora lidera, a verdade é que as fichas estão empilhadas em cima do quadradinho que hoje tem o San Paolo em fundo e Nápoles como destino. Tem de ser um jogo de bom nível, bem acima do que fizemos em Alvalade, mas acima de tudo terá de ser um jogo em que ninguém pode inventar. Nem os avançados, nem os médios e muito menos os defesas, porque estes gajos já mostraram que com um bocadinho mais de sorte podem-nos começar a tramar a vida antes sequer de entrarmos no jogo a sério. Mandem as bolas para a bancada, rematem de longe, acertem-lhes nas pernas, mas impeçam que cheguem perto da nossa área com a força de homens que todos queremos acreditar que são. E vamos passar esta treta à frente para podermos sorrir mais um bocadinho. E estamos todos a precisar de sorrir, não acha? Eu acho que sim.

Vamos lá, malta!

Sou quem sabes,
Jorge

5 comentários

  1. Jorge,apesar de na semana passada estar esperançado numa boa exibicao ,neste momento passado uma semana,e apesar de toda a indignacao da parte azzuli,SEI que o porto e realmente um time SEM classe,portanto hoje que a elasticidade do redes esteja em cima,
    Quanto o que falta para o resto da epoca comecando hoje espero que os onzes,joguem com a velocidade que mangala usa,utilizem a rapidez de exucucao do carlos edu(pouco mais se aproveita),a capacidade de pelo menos defensivamente preencherem tao bem como o fernando e jogarem com a disponibilidade com que defour usa em cada partida e nao (a sua capacidade de passes longos que mau mesmo) e quantos aos restantes pouco ha a salientar

  2. Acha normal o Porto pagar 9 milhões de €€ por um central que pesa 68 Kgs?! Vindo dum clube que ninguém conhece?! Logo á noite vamos tirar as duvidas e ver a tal visão maravilhosa que o nosso departamento de Scouting em auxilio do super director desportivo conseguiu descobrir tamanho talento. Esperemos é que não esteja muito vento, pois o Reys pode ir pelo ar….. Enfim, … Saudações portistas, e Deus queira que eu me engane e logo á noite em Napoles o Reys prove ter sido uma grande contratação do Sr Antero Henrrique e não mais uma golpada como o Caballero, o Herrera, o Vitor Garcia, o Tiago Rodrigues, e muitas outras.

Deixar uma resposta