Ouve lá ó Mister – Sporting

Estimado Professor,

Imagino como deve ter sido a sua semana, mas fique já a saber que andei mais ocupado que uma putéfia com cinco snaitas. O meu caríssimo amigo não andou a trabalhar menos que eu, com considerável pressão que resultou, estou certo, numa sensação de dever cumprido que passou para os adeptos deste seu clube de uma forma que já não esperávamos fosse possível este ano. E a culpa é, em parte, sua. E como já tratou de devolver alguma esperança a uma época moribunda, que tal continuar com o trabalho? Essa terá sido talvez o melhor resultado destes dois últimos jogos em que o tivemos ao comando da embaração: antes o desespero era grande e a descrença quase completa. Agora, como a fé do povo é volátil e surge quando menos se espera, já se começa a crer que temos hipótese de fazer um bom jogo em Alvalade e sair de lá com os três pontos.

O Sporting passou a semana num exercício público de auto-comiseração e tentou reunir todo o apoio que pôde antes deste jogo. As lágrimas falsas que jorraram dos olhos do colectivo verde foram suficientes para encher quatro ou cinco albufeiras do Alqueva e aquele lagartismo tão tradicional fez-se sentir mais forte que nunca. E todos lhes deram capas de jornais, com o enfoque necessário no protesto pelo doce perdido, pela tristeza do preconceito e pela infelicidade do prejuízo. Chuiff. E, se me permite, só gostava que fossem severamente prejudicados dentro de campo pela ausência de futebol da parte da sua equipa, ao mesmo tempo que eram cilindrados por uma excelente exibição da nossa. Depende de si, depende dos seus e depende da sorte. Vamos fazer com que todos esses vectores se alinhem para a nossa vitória.

Estamos a torcer, Professor. Não há duas (vitórias) sem três (vitórias)…

Sou quem sabes,
Jorge

Deixar uma resposta