Uma experiência ou apenas mais um jogo?

A meio do jogo contra o Arouca, enquanto conversava com alguns colegas de Porta, dei comigo a pensar que tinha percebido as intenções de Luís Castro ao alinhar com aquele onze no relvado do Dragão. Havia um ou outro sinal que me inclinava nessa direcção, mas optei por deixar de fora as conjecturas e tentar perceber o que realmente se passava. E comecei a entender que se tratava de um teste, uma prova de fogo para quem estava em campo por forma a que o treinador conseguisse perceber com quem pode ou não contar até ao final do campeonato e nos próximos jogos que têm tanto de exigente como de difícil. E fê-lo, estou convencido, da forma mais natural possível: usando as suas ideias, o seu esquema táctico, que na equipa B tem trazido bons resultados e que é uma imagem tradicional, em 4-3-3 desde os tempos de António Oliveira, com maiores ou menores nuances tácticas introduzidas por Mourinho ou Vitor Pereira, eles que foram talvez os maiores “trabalhadores” tácticos das equipas que treinaram no FC Porto (excluindo o annus demens de Adriaanse com o seu 3-3-4) e que o povo se habituou a ver. E na minha cabeça, Luís Castro estava a tentar perceber, às apalpadelas, quais seriam os jogadores que se adaptariam melhor ao tipo de jogo que quer ver implementado, pelo menos até ao final da temporada. Pareceu-me também que havia ali uma prova de desempenho, um trial, uma experiência em que a própria SAD começaria a tomar decisões para saber quem deveria ficar e quem é supérfluo aos trabalhos da próxima temporada, numa espécie de preparação antecipada do que será, estou certo, uma quantidade inusitada de vendas quando chegarmos ali a Junho (talvez depois do Mundial, quem sabe?).

Mais alguém ficou com essa ideia ou foi só parvoíce minha?

 

11 comentários

  1. Concordo Jorge.

    Aliás pareceu-me que no próximo jogo irão de novo aparecer mudanças no 11. Desde já porque o Ba não pode jogar. Aí simples, Mangala meio, A. Sandro esquerda. Agora no meio campo, estou curioso para ver se o Herrera, já sem o jet lag da selecção, será ou não opção.

    Gostava de ver Quintero no 11, confesso. Vamos jogar contra uma equipa italiana. Necessitamos de ter bola, mas com qualidade, porque é óbvio que eles nos vão dar o “comando” do jogo.

    E gostei da atitude. Parece-me ser um homem mais agressivo que o P. Fonseca. Para bem e para o mal.

  2. Caro Jorge,

    Sigo o blog há bastante tempo e é a primeira vez que comento. De forma simples sou muito preguiçoso para comentar. As minhas desculpas.

    E comento para lhe enviar os meus parabéns pelo blog. É provavelmente o meu favorito de toda a blogosfera azul. O mais engraçado (os seus Baronis já me aproximaram de uma paragem cardio-respiratória quando decide libertar a fel), o mais interessante com as sugestões de leitura e gosto principalmente do facto de (quase sempre) “vermos o mesmo jogo”.

    Comentando o post em causa, também tive essa sensação. Desde logo, com a titularidade de Defour. Ok, o belga é um jogador que causa menos buracos nas costas, mais seguro, com mais capacidade de jogar curto e simples e de menos arrancadas que Herrera, mas nada faria prever a titularidade. E acabou por ser (para mim) o melhor em campo. Até Quintero. Penso que treinador/Sad teriam qualquer coisa no pensamento do estilo “Ai andares por aí a reivindicar direitos para os trabalhadores oprimidos? Então tomai lá oportunidades, e veremos quem se porta bem…”

    Vamos ver. Não sei porquê acho que teremos um defeso muuuito agitado para os lados do Dragão. E há ainda muitos factores a entrar aqui. O 2º ou 3º lugar obrigam a mudanças na pré época, o Mundial só deixará alguns jogadores livres no final de Julho… Aguardemos.

    Abraço portista!

  3. …”do que será, estou certo, uma quantidade inusitada de vendas quando chegarmos ali a Junho (talvez depois do Mundial, quem sabe?).”,,,

    …”Mais alguém ficou com essa ideia ou foi só parvoíce minha?”…

    Quem sabe ?

    Abraço

  4. 3 treinos! Foram 3 treinos!

    Mudou ou sistema táctico, motivou os jogadores, soltou os laterais, fez as substituições no tempo certo, testou jogadores, motivou o ponta de lança, fez com que fossem às bolas, que procurassem o golo, subiu o jogo.

    Houve hesitações? Claro! 3 treinos! Rotinas defensivas em 3 treinos!? WTF Mais, com o Sandro, o Abdoulaye vai sair do onze e eu acho que vai haver espaço para Bs como o Tozé, o Gonçalo Paciência ou o Reyes. E para criar solidez na defesa.

    Acredito. Estou contente. Já vejo Porto à Porto. E há espaço para mais!

  5. não sei se interpretava tanto, ao fim das contas qual seria a alternativa dele? todo o plantel está feito para jogar em 4-3-3, uma boa parte dos jogadores têm rotinas ainda de anos anteriores, e sobretudo o grande problema do Porto fonsequino foi nunca ser capaz de jogar em posse, nunca ser um Porto à Porto. só podia começar pelo mais importante, ou seja, devolver a identidade a equipa!

    admito que não foi um adversário muito difícil para por esse plano em prática, mas mesmo assim agradou-me muito ve-lo feito com competência, afinal há meses que não vimos a equipa a sair a jogar da defese com normalidade (e ainda assim no início da 2ª parte tivemos dificuldades, certamente por alterações que o Pedro Emanuel introduziu para explorar a dificuldade que tinhamos a jogar pelo lado do Mangala) e instalar-se no meio campo adversário.

    o Herrera espero que não jogue frente ao Nápoles, seria o primeiro passo para perder a eliminatória (que de qq forma será complicada, e as responsabilidades do Luis Castro são limitadas). foi outra das coisas muito boas que o LC fez a meu ver no 1º jogo, o Defour é muito melhor jogador que o Herrera, que não é jogador, é uma operação financeira.

  6. Antes de mais e primeiro de tudo, ainda não jogamos com a equipa normal, pois jogar com o melhor central a servir de Defesa Esquerdo é estragar dois locais ao mesmo tempo.

    Amanhã sim… com a equipa toda, poderemos ver se voltamos a algo mais normal e com um sentido de posse mais refinado.

    Em relação a tirar ilações mais para a frente, sinceramente não me parece.

    Luis Castro foi inteligente e pegou na base que podia em relação aos jogadores rotinados no 4-3-3 da época passada… adicionou aos buracos, os jogadores podia e tentou estabilizar a equipa assim.

    Quando sofremos aquele golo estranho, a equipa abanou e desceu no terreno e ficaram nervosos e em pânico o que permitiu ao Arouca ter algumas oportunidades.

    Depois das mudanças a equipa, conseguiu recuperar alguma coisa da confiança perdida depois do 2-1.

    De resto, penso que não podemos tirar ilações futuristicas deste jogo

  7. O meio campo e ataque pouco importa, a não ser que a equipa mude muito. A defesa é o nosso problema. Será desta que vamos ter um jogo sem sofrer golos? Tudo é possível, falhar nos jogos fáceis e jogar bem contra um forte adversário. Muitos adeptos estão ainda como o Paulo Fonseca, em jogos em que sofrem 2 golos dizem que o problema é a finalização. Será que vamos ver outra vez o Alex Sandro a ir até à frente perder a bola e deixar 40 metros livres atrás dele?

    Já agora, quanto aos jogadores da B. Tenho visto os jogos que posso e tenho gostado mais do que os da A do PF. Mas o Gonçalo? 8 jogos até marcar um golo?? É outro Kleber, esquece-se da baliza e está longe de ser bom rematador, remata torto e ao lado. Até o TóZé faria melhor papel a jogar a ponta de lança. Mas ennfim, é da casa, acarinhado pelos adeptos, mesmo que pouco mostre, além de vontade e força física. O que já não é mau.

  8. Boas.

    Isto de um colega benfiquista.

    Não percebi muito bem a tua posta. Tirando o aspecto táctico (que foi mexer um nadinha) e a questão forçada do Mangala, nunca se poderá tirar um opinião do treinador com tão pouco tempo. Mas tu referes-te ao “teste” de quem, em que e para que?
    Em relação do treinador com os jogadores, isso tira do conhecimento e dos treinos, mas a questão da SAD dita por ti, já me parece mais mal pensada. Só no caso de o FCP querer continuar com este treinador. Porque as questão de contar ou não caberá sempre ao treinador, na minha opinião, e sendo este um assunto ainda não fechado não poderão fazer este exercício mental.

    Ou então entendi mal a tua posta, que é o mais certo :D

    1. deixou-me curioso exactamente o facto de nao ter mudado quase nada a não ser o 1-2 do meio-campo e o Defour a titular. teve oportunidade de usar o Quiño e nao usou, podia ter colocado o Kelvin e nao quis…pareceu-me que estava a dizer aos gajos: “vamos fazer o mesmo que antes…e depois do jogo vamos ver se vocês são os mesmos fulanos que andaram a fazer figuras de parvos com o Fonseca, com ou sem treinos.”.

      não era nenhuma teoria de conspiração, era só um “supônhamos” ;)

      abraço,
      Jorge

  9. Pois, entendo, mas ele também não poderia encetar uma pequena revolução em tão pouco tempo. Já agora, penso que o FCP deveria contratar já o treinador para a próxima época, no caso de não contar com o interino. Poderiam fazer algo do estilo com o Mourinho. Mas claro, não se pensa/encontra um treinador pretendido tão fácil. E também o FCP ainda tem hipóteses sérias em várias competições.

Deixar uma resposta