Ouve lá ó Mister – Benfica

Estimado Professor,

Estive num festival de estúpida nostalgia enquanto me deliciava a ver os últimos dez minutos do jogo K de ano passado. Às vezes dá-me para estas coisas e como tantas outras pessoas que se apanham no youtube ao fim de uma hora, depois de apenas lá terem aparecido para procurar um video, perco a noção do tempo e começo a perceber que me estou a arrepiar todo mesmo que esteja relativamente morno aqui dentro de casa.

Fui à procura dessa recordação de uma das noites mais fantásticas que passei num estádio de futebol por razões que não lhe devem escapar. A necessidade de uma vitória, de me lembrar de uma estupenda vitória como aquela, é tão grande que me invade a alma e me impede de pensar em qualquer outra coisa que não a vontade de a trazer de volta. E mesmo o jogo da Taça contra o Benfica, que vencemos neste mesmo estádio onde estarei hoje à noite, trouxe-me alguma alegria…mas fui esmagado por aquela ignóbil demonstração de incapacidade competitiva há duas quartas-feiras atrás. Enfim, tem sido uma miséria e por muito que a Taça da Liga nos tenha escapado no passado e apesar de a termos desprezado a tal ponto que até Jesualdo levou uma equipa de juniores a Alvalade e no ano passado até jogamos com o Abdoulaye para dar uma chance ao Braga (e demos), este ano temos mesmo de pensar que pode ser o segundo troféu que conquistaremos. E é a única coisa para que os jogadores ainda podem jogar com alguma alma de vitória.

Por isso joguem a sério, sem fraquejar, sem ceder às pressões e sem permitirem que a cabeça fale mais alto que o coração. Sim, os rapazes são campeões. Mas já cá perderam e vão perder hoje também. Força, rapazes! Força!

Sou quem sabes,
Jorge

2 comentários

  1. Boas,

    Eu acho que este jogo e o da última jornada do campeonato serão dos jogos mais importantes da próxima época. Já perdemos muito este ano mas o que não podemos perder é o medo que eles têm de nos visitar no Dragão.

    A principal conquista que nós tivemos nas últimas décadas foi o facto de lhes termos perdido o medo (e às vezes até o respeito…) especialmente nas nossas deslocações a lisboa e de esse mesmo medo ter passado para o lado de lá. Esse medo, nos clássicos, tem tido um papel preponderante no resultado final, O ano passado, do dia K, JJ meteu o Roderick a um quarto de hora do fim e mostrou medo. Perdeu o jogo. Este ano, nas nossas duas deslocações à çluz tivemos medo. Na Taça Luis Castro, com mais um jogador, e com a Quintero a entrar, abdicou dessa substituição após o golo de Varela e o resto foi o que foi. Mostrou medo. Perdeu o jogo. Para o campeonato jogamos todos borrados e perdemos o jogo.

    Por isso a importância destes dois jogos especialmente para a próxima época. Parafraseando os Super Dragões ele têm de “sofrer como cães” :) Têm de continuar a borrarem-se todos quando nos visitam.

    Até os comemos caralho

    Abraços

Deixar uma resposta