Baías e Baronis – FC Porto 1 vs 3 Besiktas

Reality check, gente. Ainda não estamos lá. Não adianta termos cinco vitórias em cinco jogos no campeonato, zero golos sofridos e algum futebol interessante, quando tentámos subir de patamar espalhámo-nos ao comprido e os queixos ficaram doridos do estrondo. Muito nervosismo, tremenda falta de definição nas jogadas ofensivas, demasiada ansiedade e algumas peças-chave a desequilibrar pela negativa fizeram com que o Besiktas saísse daqui com três pontos merecidos e não há aplausos que tirem a amargura da derrota. Atenua, mas não remove. Notas abaixo:

(+) Brahimi. Foi dos poucos que fez uma exibição positiva no Dragão (Marega ficou próximo mas foi demasiado inconstante) e tentou tudo o que sabia para que a equipa conseguisse mais e melhor. Inúmeras fintas, arranques, dribles em progressão, tudo o que o argelino se poderia lembrar foi sendo colocado em campo ao serviço da equipa mas sem ter um grupo coeso e bem harmonizado, acabou por estar a espetar pregos numa parede para ninguém pendurar um quadro que se visse.

(+) Sérgio a tentar, mesmo sem sucesso. Entendi as substituições ao intervalo, apesar da maior parte das pessoas à minha volta terem criticado com força, voz grossa e sobrolho franzido. Óliver tinha tido uma primeira parte em que parecia pensar e executar ao dobro da velocidade dos colegas e a falta de capacidade deles para criar situações para o espanhol enviar passes de ruptura tornavam-no pouco mais que inútil. E Sérgio abdicou do pensador para introduzir um volante, alguém que arrastasse o jogo para os lados e transformasse o jogo ainda numa forma mais directa (e pueril o suficiente) e chegasse com a bola à área com maior facilidade, com tabelas curtas nas alas e cruzamentos mais intensos e a partir de zonas mais abertas. Os laterais estiveram muito mais em jogo na segunda parte por causa dessa mesma alteração, tanto como o movimento conhecido como Maregalargar o campo, que fez com que houvesse uma pressão intensa durante os primeiros 20/25 minutos da segunda parte. Louvo o treinador por tentar mudar algo, mesmo que não tenha resultado.

(-) Falta de calo e, infelizmente, de algum talento. Ui que isto doeu. Doeu não por ser inesperado (já disse que este grupo, se conseguirmos miraculosamente transmitir alguma tranquilidade aos jogadores, é bastante igual em termos da valia das suas formações) mas porque tinha fé que a equipa conseguisse fazer um step-up com menor dificuldade. No entanto, o modelo táctico que Sérgio implementou parece muito complicado de aguentar contra equipas fortes no centro e que estão rotinadas e prontas para este tipo de competições, com imensa experiência e hábitos de vencer. Não quero transformar o Besiktas no Bayern, mas é verdade que há gente com muito talento naquela formação e fez-nos corar pela incapacidade que tínhamos em conseguir retirar-lhes a bola dos pés. Parecemos sempre veados em frente a um par de faróis, com uma espécie de paralisia momentânea e indecisão na altura de perceber o que fazer. Houve vezes demais em que jogadores ficaram parados a defender com os olhos, vezes demais em que os passes foram verticais pelo desespero de perder a bola, vezes demais em que uma distracção causou um contra-ataque e vezes demais onde o apoio não surgia. Mostrámos o que somos: pouco. Somos pouco. Ainda somos pouco. E tenho de voltar à conversa das omeletes sem ovos mas com todas as desculpas que possamos arranjar, a verdade é que não há talento suficiente para abordarmos uma partida destas sem suspirar bem alto e lamentar aos céus a presença de pouca gente talentosa no plantel. E sim, tivemos algum azar, porque ainda conseguimos enviar uma bola ao poste, mais uma que foi salva em cima da linha de golo e mais uma ou duas defesas do verdalhão dos turcos, e se uma única bola tivesse entrado talvez o comentário fosse diferente. Mas não entrou e talvez tenha sido desta forma que vamos apanhar o tal reality check e perceber que nos falta muita coisa para competirmos com um Besiktas a não ser que a equipa se consolide até o próximo jogo da Champions.

(-) Danilo. Não sei o que se passa, não faço ideia se está a jogar inferiorizado fisicamente, não sei se levou uma pancada na cabeça e acordou a falar gaélico e a tocar cítara, mas a verdade é que este Danilo não tem sido o mesmo e a equipa nota isso e perde muito com a sua forma actual. Se Danilo é o elemento que dá equilíbrio ao meio-campo, a forma como anda perdido no relvado, sem mostrar capacidade física para reagir aos lances, para recuperar depois de uma bola perdida ou de tapar as subidas do colega do lado só pode deixar os colegas em pânico, os centrais expostos ao adversário e os avançados a necessitar de recuar para ajudar a defender. Preciso do meu Danilo de volta!


Foi só o primeiro jogo mas pode ser bem mais do que isso. Há que aprender com os erros e voltar a crescer. Mas a rampa é bem íngreme…

14 comentários

  1. e isso faltam nos os tais 3 medios a serio, intensos os 90 minutos, sao caros pois sao, mas e isso que nos falta ja alguns anos. Oliver nao joga com simeone nao e por acaso, marcano jogou no olimpyacos, telles veio da turquia, marega, hernani, andre2 marca com os olhos, layun, corona tadito dele, herrera coitado nao joga porque?? golos sofridos ridiculos, o besitkas ganhou este jogo e nao ganha mais nenhum.

  2. Para que muitos comentarios a uma prestacao que nao merece uma linha de suor. Em suma, temos um treinador bom demais para a equipa que possui. Temos uma equipa boa o suficiente para vencer o campeonato ‘a rasca’ ombreado com o Sporting (a melhor equipa do campeonato) e o Benfica (nao muito longe do nivel do Porto). O que chega para Portugal nao chega minimamente para la fora, por isso, a direccao que va a merda porque vai ser mais um ano a ve-las passar. Ah, e mais… para que ter 20 e tal jogadores se jogam sempre os mesmos Sergio? Ai falhaste redondamente Sergio, falhaste! A unica coisa que me magoa neste Porto de ha uns 5 anos para ca e a falta de um homem da casa, com sangue na guelra e fogo na venta. Um Jorge Costa, um Fernando Couto, um gajo que de tudo pelo clube. Nesse sentido achei pessima a venda e a nao utilizacao do Ruben Neves, que deveria ser titular em todos os jogos neste Porto.

      1. Eu nao disse que foi :S So disse que nao deviam ter vendido. O que eu disse e que le tem de rodar mais aquele meio campo. Como e que um Danilo a jogar tao mal nos ultimos dis jogos nao sentiu um bocadinho o poder do banco?

    1. Não creio que o Neves fosse esse gajo da casa que te referes. Sem dúvida Portista, sem dúvida homem da casa…agora de fogo na venta ao estilo Jorge Costa ou Fernando Couto não acho…Para isso é preciso um gajo durinho, durinho…que meta medo e imponha respeito.

  3. Cair com estrondo.
    De acordo com tudo, o Danilo é o meu jogador preferido do plantel, fez os primeiros jogos da época a um nível altíssimo, entretanto foi à seleção e deve ter apanhado o síndrome William, não se mexe!

  4. Danilo. Nem é preciso dizer mais nada. 80 minutos em campo demonstram a falta de banco para a sua posição porque com o jogo que fez ontem será notável que seja convocado no próximo. Não concordei com a substituição do Oliver, não só porque até estava a fazer um bom jogo (a par do Brahimi o único com algum esclarecimento) mas principalmente porque se é para meter o Otávio não vale a pena. TEm ainda menos vontade de jogar à bola e merecer o salário que o Corona e, para tornar a coisa ainda melhor, tem tanta capacidade física como uma formiga de cadeira de rodas a fazer braço de ferro com um elefante sobre o efeito de esteroides. Tendo dito isto, foi uma primeira vez para o Sérgio e ele vai aprender com isto. Vamos ver a resposta da equipa no fim de semana

    1. O problema do Oliver é sobretudo a incapacidade de chutar uma bola, creio que nunca o vi a mandar uma bola para a bancada. Os remates vao sempre (sempre mesmo) enrolados e rasteiros. O passe é sempre cortado por baixo à “Beckham “, o que da tempo à defesa para se colocar e chegam a cabeça do avançado sem força para ser cabeçada.
      Idem para o André ^2

  5. nããã, não concordo mesmo nada com esta análise, um (+) para o Sérgio, a sério?! ele tem-me surpreendido pela positiva em geral, mas começar o jogo contra um adversário destes com 2 médios é patético, ainda por cima sendo um dos dois o Oliver (sem isto ser culpa do nosso 10). na 2ª parte já não criamos um lance claro para golo, ao contrário da 1ª – claro que se tinham que resolver os problemas defensivos, mas tirar o Oli é outro tiro no pé tremendo. aliás, assusta-me que não temos um 4-3-3 como alternativa no repertoire para quando não se consegue jogar em 4-2-4

    e de resto, o plantel este ano é incrívelmente fraco. gosto da entrega do Moussa, mas é inacreditável como ele chega a vestir esta camisola. ou o Hernâni a entrar para trazer algo de positívo ao jogo… não temos nenhum médio de jeito fora o Oliver. e mesmo o Soares a mim ainda não me convenceu que tem algo para dar em jogos contra adversários de alguma valia, não me parece um avancado para a Champions (ao contrário dum tal André Silva…) mas isso se calhar vem do facto de eu desconfiar do sistema para esses jogos

    estou mesmo muito pessimista para esta época. o que vale é que posso estar enganado!

  6. Pela amostra, Oliver está para os adeptos como Nuno Cabral está para Luis Filipe Vieira.
    Não é de admirar que o nível da equipa seja o que ontem demonstrou. Tudo muito feliz, especialmente o presidente do Benfica.

  7. Não vi o jogo, por isso nao vou comentar a análise.

    Simplesmente acho que é claro e evidente que nao temos equipa para Champions, talvez para aguentar uns rounds de Liga Europa mas pouco mais. As fichas tem que ser apostadas no campeonato e por muito duro que seja a um Portista admitir isso, esta é a realidade que temos com a actual profundidade/qualidade do plantel.

  8. boas,

    Eu não concordo com a maioria das analises feitas. Acho que até jogamos bem (não era uma equipa qualquer), não achei nenhuma aberração.

    O problema é muito semelhante ao do ano passado mas este ano, na tatica do Sergio ( que eu gosto e que para a liga portuguesa tem de ser.. contra equipa fechadas) descuramos a defesa e apostamos no ataque.
    O problema, é que tal como o ano passado, temos avançados fracos: O andre silva precisava de 5 oportunidades para marcar um golo ( acredito que vai evoluir e muito ) ;este ano temos o dakar (é bom sim, mas falta-lhe qlq coisa, a estrelinha, o mijo, a bola bater na merda da canela e entrar, como com o Pena…), o soares ( que nao me convence) e o marega ( que luta luta luta mas .. falta-lhe muita coisa. ).

    “a 2ª parte já não criamos um lance claro para golo” — não é verdade! Que eu ressabiei logo com o gajo! O Soares no 1 para 1 com o guarda redes, passe de brahimi, falha. Na primeira parte, o mesmo soares em frente ao guarda redes cabeceia para o oliver que manda ao poste. 2 Golos que podiamos ter marcado que teriam alterado o jogo. Acho também que o casillas não está isento tanto no 2º como no 3º golo.

    O danilo está mal desde o inicio da epoca [ mas isto advém da tatica do sergio ], ja na pre-epoca se via que falta ali um gajo a ajuda-lo ( podia dar-me ao trabalho de ir os meus comentarios antigos aqui neste belo burgo mas sou muito preguiçoso… bem… só se fizer um script, mas depois o Jorge mata-me )

    Estão a dizer que o sergio devia ter mudado o meio campo, se tivesse mudado e perdido a culpa era de ter mudado o meio campo. Ele jogou pelo seguro. Estou com ele.

Deixar uma resposta