Baías e Baronis – Liverpool 0 vs 0 FC Porto

foto retirada do twitter oficial de Iker Casillas

Foi um amigável engraçadito este que hoje se jogou em Anfield. Giro, com rapazes novos, que serviu para um treino competitivo, com uma ou outra tentativa de ganhar o jogo mas acima de tudo com a mentalidade firme de não fazer má figura. A ideia era essa, a abordagem foi simpática e acabou por servir o objectivo que eu queria: treinar para futuras chatices no campeonato e ao mesmo tempo limpar um pouco a imagem. Check e check. Da notes, right here:

(+) O público portista. Uns milhares de moços e moças a cantar pelo Porto durante noventa minutos. Múltiplas imagens de adeptos portistas a divertirem-se pelas ruas de Liverpool sem distúrbios ou pelo menos sem distúrbios que façam capas de jornal. Cânticos de fãs, simpatizantes, adeptos, sócios, de tanta gente que sabia que a equipa tinha apanhado cinco pazadas nos dentes aqui há umas semanas e que foi a Anfield na mesma para apoiar a mesma equipa (com nomes diferentes mas a mesma identidade) com força, ânimo e boa disposição. Fomos eliminados, sim, mas esta malta ganhou o dia. Não ganhou o jogo mas o clube fica a ganhar com esta gente.

(+) Iker. Mais uma exibição quase perfeita, com uma defesa extraordinária (depois de se precipitar na saída, ainda conseguiu corrigir a trajectória e tirar a bola da baliza) e umas sete ou oito bolas agarradas com maior ou menor dificuldade. A liderança e a tranquilidade que transmite à defesa parece ser grande e repito o que já disse várias vezes: é o nosso melhor guarda-redes e está no sítio de onde não devia ter saído a não ser por motivos especiais. E como parece que os houve, saiu com o critério do treinador e terá voltado também pelo mesmo critério, ou talvez não. Seja como for, está lá. E não vou juntar-me a toda a gente ao querer que fique, porque acho caro demais para um clube à rasca para pagar a Estoris e afins, mas quero que saia campeão. E acredito que ele concorda comigo.

(+) Juventude. Gonçalo, Dalot, Bruno Costa. Vários rapazes saídos da formação e que mostraram hoje que estão prontos para isto, ainda que verdes nalgumas circunstâncias. Gonçalo continua à espera que lhe marquem faltas; Bruno teve muito tempo longe do jogo apesar de um papel complicado que o fez tremer na primeira parte mas subir de produção na segunda; Dalot teve uma falha grande e continua nervoso mas nota-se que está a melhorar de jogo para jogo. Estes são alguns dos valores que temos ao nosso dispor, uns confirmados e outros na rampa para lá chegarem, que podemos e devemos aproveitar. E há mais na B (não muitos, mas há), outros emprestados e outros ainda a aparecer muito em breve. Talvez comecem a convencer as pessoas que o talento forma-se mas é preciso ser trabalhado, burilado, aperfeiçoado e acima de tudo testado a este nível.

(-) Gostava que o Henderson se montasse num cacto. A somar a uma cada vez mais longa lista de jogadores que me causam urticária, eis que há mais um nome a somar à lista. Jordan Henderson, um filho da puta que tem nome de género ambíguo que tanto pode ser capitão do Liverpool como cheerleader num liceu em Bridgeport, Connecticut, é um imbecil que merece ser carjacked e deixado no meio de um carreiro de cabras que lhe larguem fezes líquidas directamente na boca. A forma arrogante deste filho de novecentas éguas sifilíticas jogar e fazer body slams a tudo que mexia, com braços em cima, por baixo, ao lado, empurrando e agindo como uma aberração em geral, fez com que entrasse directamente para uma lista selecta com nomes como Fábio Coentrão, Neno, Carlos Martins e, como é óbvio, Briguel. Se pudesses, Deus, eras capaz de fazer com que sempre que este cão sem nome abrir o cacifo dele no balneário seja polvilhado com um spray de framboesas podres nos dentes? Obrigadíssimo, fico a dever-te uma.


Adeus, Champions! Perdão, até para o ano, Champions! (figas…)

31 comentários

      1. No que respeita à lista de mete-nojos fico-me cá mais pelo burgo, Sabrosa, Petit, Jonas, Luizão, Coentrão, C. Martins, Xavi Garcia e o cara de atrasado mental Matic, jogador polvo. Isto só para citar alguns porque o JB veio com esta de repente.

  1. Bom dia. Gostaria de saber a opinião do autor do blog ou dos restantes participantes neste auditório portista, quais os jogadores da equipa b) que podem dar o salto ? Os restantes Diogos, Moreto, Rui Pires e Romário Baró ? Na frente de ataque a falta de qualidade é notória. Destacar também um jogaço de Felipe, que parece que só sobe o nível quando as eliminatórias estão resolvidas…ex: 2ª mão em Turim e ontem

  2. A dúvida que fica para sempre é:

    – O que seria do primeiro jogo com o Casillas, Filipe e Danilo?

    O Porto tem um historial de indisponibilidades quando chega a esta fase da Champions, ainda tenho pesadelos com o Reys a defesa esquerdo…

    Uma coisa que me deixou chateado foi o nº de perdas de bola ao meio campo, mesmo com o Liverpool a 1/4 gás.

    Enfim, foi um bom jogo de treino, sempre com aquela sensação que se o Liverpool quisesse matar o jogo, matava.

      1. não podia dar Baronis a ninguém ontem. o Oliver falhou algumas coisas (aqueles passes longos desnecessários enervam-me muito) mas fez muitas coisas bem, como todos os outros. acima de tudo foi um jogo onde não podia haver pontos negativos. prá moral :)

  3. Fez lembrar o Alemanha- Austria do Mundial de 1982. Só Felipe não entendeu que estava num treino, jogando como se estivesse na maior competição mundial a nível de clubes.

  4. concordo, jogo de encher chouriços que mostrou que ca com casillas eles nao marcavam tanto mesmo com erros, so a sua presença ja os faz tremer e decidir muito pior, casillas joga sem bola dentro da baliza , sem ser um gredes alto e de uma elasticidade e colocaçao impressionantes. Era a jogar assim retraidos que ca tinhamos ganho alias como fazem as equipas portuguesas. SC quis mostrar a europa que joga ao ataque e sem medo, ora para o liverpool foram peanuts, se repararam ontem se em vez de abou tivessemos um avançado como eles tem tinhamos ganho o jogo a brincar.

  5. ja agora ontem ainda fiquei menos a percdeber porque razao se entrega galeno, varela por exemplo e se tem warris, andre2, costa e ate paulinho, nao da para entender

      1. O Oliver e muito bom jogador, mas como todos e jovem e precisa de evoluir certos aspectos (libertar mais rapido e um deles). A forma como o Porto joga nao se coaduna com o futebol do Oliver, mas o Porto para o ano nao pode jogar assim, sem meio campo, sem um pensador, nao da para a Champions. Ja agora, deixem la o Sa porra, quando o casillas meteu tres patos ninguem disse nada mal dele.

  6. Posso contar uma historia pequenina a respeito do que dizes relativamente ao Henderson? Posso? Entao aqui vai… olha que tu e que disseste que sim e quando eu embalo nao chegam as linhas :DDDDD

    Vim para Inglaterra em 2016 e quando ca cheguei ja vinha sem motivacao para jogar futebol, o meu desporto de eleicao. Sempre fui muito bom de bola mas como ja te disse num comentario longinquo, nao tinha a capacidade mental para aguentar a pressao da exigencia, e assim fui deixando paulatinamente de jogar. Na residencia universitaria onde estava, um gajo falou-me da seleccao da universidade de Nottingham, e eu fui la prestar provas e acabei por ficar. Escolheram-me para central vejam la, eu, um tipo com 1m e 78cm e um relativamente vulgar jogo de cabeca. Mas fiquei a central porque na cavalagem louca de destruicao raguebista a que os Ingleses chamam futebol, os gajos queriam um monstro Mastodonte para 8 em vez de me quererem a mim, que como o Costinha (passe a modestia ou humildade ou o raio que o parta – foda-se… eu era mesmo bom, pronto!!!!) podia colocar mais tecnica e qualidade de passe no centro do terreno. Para transicoes mais eficazes, para um jogo mais pensado. Mas nao, o que os gajos todos queriam, includindo o bacano que treinava a equipa era o jogo tipico dos ingleses. Kick and Rush and Break and Fuck all.

    Ou seja, fui suplente pouco utilizado e acabei por fazer 30% dos jogos a titular, mas dos 10 jogos da 1a volta so joguei dois a titular… e claramente nao os fiz a central. Meteram-me depois a lateral direito, fiz um golo no jogo em que fui votado o melhor jogador em campo (e em que nao passou nada pelo meu lado, a serio) e no jogo a seguir devo ter sido o pior em campo porque fisicamente nao andava bem. Acabei por sair da equipa no final da 1a volta e mais tarde havia de ser-me diagnosticado Sjogren’s syndrome. Explica o cansaco, a fadiga e a desidratacao constantes logo quando saia da cama. Uma merda, mas e a vida.

    Decidi nao me render porque realmente adoro futebol e fui para a equipa de futsal, mais amadora, mais na curtes… onde todos os gajos que diziam que jogavam sexy football iam parar. Apanhei com brazucas, africanos, europeus, sul americanos, tudo la jogava a querer dar espectaculo. Parti a loica toda, nao havia um jogo onde nao acabasse com 6 golos ou por ai, jogava no apoio ao ponta mas sempre com preocupacoes defensivas, estava na minha praia, sentia-me bem, estava mesmo contente de jogar ali naquela posicao.

    Ate que um dia o bichinho do futebol de 11 la me roeu outra vez e aceitei o repto. Primeiro jogo de volta ao gramado, estava confiante. Puseram-me a 8, senti-me bem, era a minha posicao, estava mesmo feliz. Primeiro toque na bola, como o 1o central deles, passo o GR, e quando vou a encostar para o golo o 2o central deles desloca-me o pe numa entrada animal que nao foi sequer falta, nao foi amarelo, e puseram-se a rir a dizer que o futebol era para gajos duros e nao para meninas. Todos os Ingleses disseram isso, riram-se na minha cara. Custou-me duas semanas de cama sem me conseguir mexer. O mesmo gajo que me fez isso na semana a seguir partiu a perna a um holandes que por forca do destino macabro que tece dramas inaceitaveis nas vidas de pessoas boas, nao foi permitido viajar de aviao para ir ver a mae que havia adoecido repentinamente (a companhia aerea nao o deixava viajar com a perna toda ligada e parafusos, ve-me bem o que aquele animal lhe fez). A mae do rapaz faleceu sem que ela o pudesse ver uma vez mais. ESTA HISTORIA E VERIDICA.

    Larguei a bola durante muito tempo (alguns 3 anos or ai), e so quando fui trabalhar na Alemanha voltei a jogar. Quando regressei a Inglaterra de seis meses na Alemanha chateou-me um amigo para ir jogar, que era pessoal fixe, so la iam dois ingleses, era malta porreira, etc etc. A minha mulher ja farta destas coisas avisou-me logo que os ingleses eram umas bestas a jogar a bola, todos uns prototipos de Henderssons em formacao. Primeiro lance, disputa de bola na minha area, o 1o animal ingles, de dois animais ingleses (com o devido perdao a todos os ingleses que possam saber jogar a bola, mas estes eram animais) salta na disputa comigo, atira todo o corpo para cima do meu como peso morto, porque eles so sabem jogar rugby-football, e na queda de forma propositada (pelo menos eu assim acredito), enfia-me uma cotovelada tal no peito que me parte duas costelas. Foi a ultima vez que joguei futebol ‘a serio’. O desporto que mais gosto. Para o qual tinha muito jeito mesmo. Cheguei a jogar numa filial do Benfica (eu sei, vergonha, ja me castiguei com urtigas frescas morais durante anos, mas perdoem-me, era uma crianca e so queria jogar futebol), joguei na Quimigal que era a antiga CUF e agora se chama Fabril. Bom. Moral da historia… e o futebol Ingles e o se o Brexit impactar na entrada de estrangeiros aqui na Premier, vai ser um regresso ao passado de Roy Keanes e Grahams a distribui-las que nem paezinhos de leite com fiambre num sonho Somali. Um abraco e desculpa la a verborreia.

  7. Se não consegue pensar porque não tem tempo nem espaço, não consegue organizar, não consegue dinamizar, nem consegue marcar porque é frágil, é mesmo preferível que a bola nunca passe por ele.

  8. Oliver e Corona, o que se passa com estes 2? Alguém sabe? Dava um jeitaço poder contar com estes meninos a fazerem boas e aguerridas exibições.

    1. Neno? Porque? Posso contar uma historia do Neno? Posso, entao ca vai. Esta e pequenina. Do Neno sempre ouvi dizer coisas boas. Ele vivia muito pertinho de mim bem antes de se mudar para o Benfica. Jogou tres anitos no Barreirense e parece que treinava muito no campo pelado de Santo Antonio da Charneca junto a Pastelaria Nortejo. O Neno, pelo que me foi dado a conhecer, tinha uma vivenda mesmo pertinho de minha casa, na Vila Cha, e era apreciado pela sua educacao e pelo seu pessimo gosto musical.

      Em Santarem, contou-me a minha mulher, gostavam tanto dele os amigos dela da escola… que criaram um grupo de adoracao ao Neno que se junta todos os Natais. Chama-se Nenatal [https://www.facebook.com/pg/Devotos-de-Neno-176544349047866/posts/?ref=page_internal] e ate ouvi dizer que o gajo achou tal graca a ideia que chegou a aparecer la uma vez de surpresa para estar com o pessoal.

      Eu bem disse que esta historia era pequenina.

          1. weird people. se calhar devia arrancar uma fé Barónica, nunca se sabe se pode vir a dar jeito…;)

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.