Balanço 2017/2018


Quatro anos depois, o campeonato é nosso. Segue o balanço, analisando cada jogador com uma simples comparação entre ele e outro que já tenha por cá passado. Sem desculpas nem grandes preocupações com exactidão na equiparação. É isso tudo, estou fartinho até aos cabelos do Brahimi de análises sérias. Don’t hate me just yet, leiam já aqui abaixo:


2b – Duplo Baroni (muito mas muito fraquinho)
b – Baroni (fraco)
Bb – Baía em Barcelona (jeitoso mas longe de ser memorável)
B – Baía (bom, acima da média)
2B – Duplo Baía (época de grande nível)


 

GUARDA-REDES:

Casillas – Baía depois de voltar de Barcelona até ser campeão europeu. 2B
José Sá – Beto na fase final de 2009/2010. Grandes defesas, espantosas falhas. Bb
Vaná – Jorge Silva nos 90s. Bb
Fabiano – Paulo Ribeiro nos 00s. Bb

DEFESAS:

Maxi – João Pinto em 1995. Ainda dá para correr, mas a ratice fala mais alto. B
Layún – Marek Cech. Não faz grande coisa, mas não é mau de todo. Dá para sacar uns cobres. Bb
Alex Telles – Intensidade de Álvaro Pereira e capacidade de cruzamento de Esquerdinha. 2B
Osorio – Ricardo Silva com rins mas também com um sistema nervoso em overdrive. Teve o azar de apenas ter jogado um dos piores jogos da época. 2b
Ivan Marcano – Semi-Aloísio com jet bronze invertido. Tenho pena que saia. 2B
Felipe – 70% de Fernando Couto. 2B
Ricardo Pereira – Bosingwa em 2007. 2B
Reyes – Uma espécie de Rolando com menos velocidade e melhor leitura de jogo. B
Dalot – Um jovem Sapunaru com mais velocidade e técnica. Bb
Jorge Fernandes – Pouco tempo para mostrar serviço. Ricardo Costa em 2001. Bb

MÉDIOS:

Paulinho – Carlos Eduardo quando estava lesionado. b
Danilo Pereira – Emerson. E chega. 2B
Héctor Herrera – Oscilou entre Valeri em 2009 e Moutinho em 2011. B
André André – Kazmierczak com menos 80 kg. b
Óliver – Óliver em 2014, com menos brilho. Bb
Otávio – Deco em 2001. You know what I mean. Bb
Sérgio Oliveira – Tomás Costa depois de sair de Dachau, reaprender a jogar à bola e enfardar seis faisões por refeição. B
Luizão – Guarín em 2009 nos As, Guarín em 2011 para o nível da B. Bb
Bruno Costa – Temi que fosse Costa. Acabou por ser apenas normal, inofensivo. Evandro na A, Belluschi na B. Bb

AVANÇADOS:

Aboubakar – McCarthy no início da época, Vinha no final. B
Corona – Oscilou (como sempre) entre Alessandro e Tarik. Bb
Marega – Uma espécie de Hulk mais alto e mais forte. Exactamente. 2B
Hernâni – Clayton sem bola. Marco Ferreira com bola. Ugh. b
Brahimi – Melhor que Ricardo Quaresma nos tempos de Jesualdo. 2B
André Pereira – Esforçadíssimo na A e na B. Um misto entre Pena e Cebola. Bb
Soares – Jackson Martinez na forma como falha golos consecutivos até marcar. B
Galeno – Maciel, até na forma como se esquecia da bola. b
Waris – Mariano González. Muito menos talentoso. b
Gonçalo Paciência – Janko com talento. Trabalhou sem marcar. Bb

6 comentários

    1. já respondi ali em cima (ou em baixo, dependendo de como vires a página): “posição semelhante, mesmo potencial…em 2000/01 não esteve bem ao nível que podia porque se lesionou…”

Deixar uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.