Baías e Baronis – FC Porto 5 vs 0 Rio Ave

foto retirada do zerozero

Quem com cinco morre, com cinco mata. Grão a grão a grão a grão a grão enche o Porto o papo. Quando o Sá está fora, férias na baliza. Não sou adepto de adaptar clichés porque fujo deles mais depressa que o Hernâni quando vê a bola, mas era menino para andar aqui à procura de mais alguns porque hoje foi o dia do contra. Tudo correu bem, as bolas entravam na baliza, os passes até podiam correr mal mas um acabou por dar origem um auto-golo e até o VAR jogou a nosso favor. Espanto, surpresa, explosões de felicidade, amigos! Vamos a notas:

(+) O público, a equipa e o público com a equipa. Cinco dias depois de sofrermos uma das derrotas numericamente mais pesadas da nossa história, o Dragão encheu-se. E não houve assobios, críticas aos jogadores, ao treinador ou a quem quer que fosse. Houve apoio, constante e sonoro (a enorme assobiadela ao período em que Xistra esteve à espera do VAR foi notável) e apesar do primeiro golo ter aparecido bastante cedo, a malta pareceu sempre estar ao lado da equipa, sem apontar dedos nem puxar “galão de adepto” para insinuar que A ou B não estão lá com gosto. E é notável verificar que muitos destes adeptos já passaram por algo semelhante, com Arsenais ou Bayerns, e muitas vezes foram os primeiros a contribuir para a instabilidade em campo. A equipa ajuda pela forma como se bate e se empenha nos jogos, mas os adeptos parecem estar enfeitiçados – e digo isto de uma forma positiva, atenção – pelo futebol da equipa e valorizam o suor em detrimento de alguma excelência técnica e táctica que parece sempre ficar um pouquinho abaixo de outros tempos. Há simbiose, união de vontades e caminhos, que se nota em campo. Que termine bem, é tudo que peço.

(+) Soares. Está todo bem disposto em campo, marca golos e assiste outros e que bom que o está a fazer numa altura em que Aboubakar está todo parido das canetas. Com uma moral inversamente proporcional à capacidade técnica, Tiquinho continua a marcar, continua a jogar e acima de tudo continua a sorrir e a fazer sorrir, descansando os adeptos em relação ao futuro próximo e fazendo a equipa continuar na frente da Liga. Já agora, podes fazer o mesmo na quarta-feira? Agradecido, rapaz.

(+) Alex Telles. Só mais duas assistências. Continua a ser um jogador subvalorizado e se sempre me pareceu limitado tecnicamente, a verdade é que compensa alguma incapacidade para o 1×1 com uma força de vontade, garra e capacidade técnica específica no gesto que um defesa lateral é obrigado a fazer melhor: o cruzamento. E que continue assim, porque só hoje foram mais dois direitinhos para a cornadeira de um avançado. Não lhe posso pedir mais que isto.

(+) Pressão alta. Esta pressão alta surge depois de uma combinação de factores: a necessidade de Sérgio Conceição mostrar aos adeptos que a malta está viva e que o jogo com o Liverpool foi apenas um jogo e que o resto da época é para ser encarado com seriedade e vigor competitivo; a resposta a um estilo de jogo construído desde o guarda-redes como o Rio Ave fez nos outros dois jogos (e hoje também); um treino activo para o que terá de ser a nossa abordagem na quarta-feira, contra o Estoril. Funcionou muito bem, a malta agradeceu e o resultado subiu também à custa disso e só não subiu mais por algumas más decisões na finalização. Good show, chaps.

(-) Brahimi nos exageros. Até nem fez um jogo mau. Tentou sempre furar pela ala e até pelo meio acabou por ser uma peça importante, com aquelas pausas mesmo antes de endossar a bola para Marega ou Hernâni quase marcarem por várias vezes. Ou seja, não esteve mal. Só esteve mal numa coisa: em não saber parar. E é só por causa disso que me chateou, porque o que fez bem equilibra-se com o que fez…demais, porque não parecia conseguir soltar a bola naqueles momentos em que enfia a cabeça no chão e tenta fintar metade do universo conhecido e quando não consegue entra em modo parvo “eh pá eu tentei”. Sim, Yacine, mas não precisas de tentar sempre, homem. Há alturas em que podes passar a bola a outro e fazer com que seja ele a tentar. Só tenho medo que comece a deixar que as pernas ditem o jogo e se esqueça que é tão melhor que isso.

(-) WHAT THE FUCK, DUDE?!. Acho que há uma espécie de taser invisível que entra em acção em determinadas alturas e que afecta um ou outro jogador. Uns são reincidentes (Herrera, Felipe…) e outros parecem começar também a ser escolhidos como alvos (Soares, Telles…) numa ou noutra altura do jogo. Porque há pequenos passes como aquele do Herrera para trás ou do Corona também para trás ou do Felipe para a lateral ou até amortecimentos como o de Soares que me fazem acreditar numa espécie de entidade desconhecida e invisível que entra em campo e segreda uma ou duas palavras aos ouvidos dos rapazes e os deixa em modo imbecil durante uns segundos e os leva a cometer estas infantilidades. Há alturas, como hoje, que nada poderia vir ao mundo que causasse perigo para a nossa baliza, mas noutros jogos…aham…como na passada quarta-feira…em que o mal é bem maior. Vejam lá isso e purguem os tasers ou espíritos ou lá o que anda em campo a roçar-se nos cérebros dos rapazes. O povo agradece.


One down, many more to go. Agora, amigos, é manter a pressão alta na Amoreira e ganhar o jogo. Hoje foram cinco: na quarta-feira só precisamos de metade.

Baías e Baronis – FC Porto 0 vs 5 Liverpool

A caminho de casa lembrei-me dos tempos em que ouvia Mark Knopfler, aqui há qualquer coisa como uma data de anos, lembro-me de uma música que dizia “Sometimes you’re the windshield, sometimes you’re the bug”. Oh, minha gente, e que bug fomos nós hoje, ao chocarmos direitinho contra uma espécie de windshield mutante, com vidro que se molda a qualquer estrutura e que varre todos os bugzinhos que lhe aparecem pela frente, esmagando-os com firmeza por muito que tentem, e bem, soltar-se. Uma derrota épica e tão perto estivemos de poder, sei lá, vencer mesmo esta merda. Não, não estou a brincar. Vamos a notas:

(+) O Dragão no pós-jogo. Custou a todos, mas não tenho a menor dúvida que quem saiu mais derrotado do Dragão não foram os adeptos mas sim os jogadores. Porque se viram atropelados por uma máquina de futebol a quem tudo correu bem e que, apesar de bem oleada e mecanizada para este estilo de parte-jogo-quebra-meio-campo-siga-corre-chuta-bol, acabou por ter sorte nos momentos-chave. E os jogadores do FC Porto, com todas as suas falhas e ineficácias, não mereciam sair com o peso de uma derrota tão grande. E o público reconheceu isso, tentando transmitir um pouco de carinho, de colo, de ombro para que percebam que nós, cá fora, também sofremos e também não percebemos muito bem é que tudo correu tão mal. E sentir o estádio de pé a aplaudir o esforço e a entoar cantigas de incentivo…foi um bom momento, dos poucos bons momentos de uma noite memorável pelos piores motivos.

(+) A estratégia até ao primeiro golo. Foi cautelosa mas interessante. Tapar o jogo pelo centro, impedindo que os médios recebessem a bola e obrigando o Liverpool a abrir para as alas, com Otávio e Soares lado a lado a bloquear jogo central. Recuperando a bola, trocas rápidas pelo meio para que um lateral (normalmente Ricardo) conseguisse subir no momento certo para receber a bola (e seguro, só quando Mané estivesse controlado e a descer) e assim criar uma linha de passe ou desequilibrar o esquema do Liverpool. Tudo parecia assentar bem, apesar da pouca audácia na recuperação de bola, balanceada com um bom jogo interior. Só houve um problema: o golo deles estragou tudo e a equipa nunca mais foi a mesma.

(+) Um Liverpool rijo, prático, directo. Pois. São bons que se fartam, estes estupores, e correu-lhes tudo bem. Mas é tudo assente numa capacidade pragmática de luta, sentido prático e correria daquele trio de ataque que deve dar suores frios a qualquer equipa que os apanhe pela frente. Mané, Salah e Firmino foram terríveis pela velocidade de execução, de desmarcação e acima de tudo pela capacidade de aplicar uma filosofia do mais eficaz e simples que há no futebol: corrida sem bola, passe rápido e remate pronto. Consta que o treinador é alemão e os rapazes não são ingleses de gema. Blimey, they sure fucking looked like it.

(-) A implosão. Blammo, scrammo, sámmo. Encontrei um adepto contrário no WC do café onde fui beber uns finos antes do jogo e no meio de uma conversa semi-alcoolizada (se acham que é complicado perceber o sotaque, experimentem entender scouse arrastado pela cerveja…) diz-me o idiota qualquer coisa como: “eh pá, mas nós somos uma equipa, pá…3-1 ao intervalo com o City e só ganhamos 4-3! fuckin’ell, amirite?”. Yes, mate. Fuck off, mate. Porque o principal culpado desta derrota não são eles, somos nós. Porque nós é que achamos que conseguimos manter a posse de bola no meio de pernas enormes e gajos rijos que comem perús inteiros ao pequeno-almoço. Porque nós é que ficamos a pedir faltas ao árbitro que não marcou uma única falta por agarrõezinhos e empurrõezinhos, ao passo que os outros continuavam a correr, mesmo puxados e empurrados. Porque nós é que temos um guarda-redes que tinha de falhar naquele momento quando não podia falhar. Porque nós é que acabámos vários ataques com golos sofridos depois de perdermos a bola sem terminar o ataque com um remate nem que fosse para a nossa senhora das couves galegas queimadas pela geada. Porque nós é que perdemos bolas porque parecemos ter perdido a capacidade de tapar o adversário e impedir que ele nos roube a bola. Porque nós é que falhámos golos que o Liverpool, na mesma situação, não hesitou nem tremeu nem falhou. Porque nós deixamos que a ansiedade tomasse conta de nós e desmanchamo-nos todos depois do terceiro golo deles. Sim, eles são melhores. Corrijo: são muito melhores. São mais caros, mais maiores, mais grandes, mais enormes. E tinham caído como as torres do Aleixo se nós tivéssemos tido mais pernas, mais força e acima de tudo mais cabeça.


Eliminatória perdida e um jogo em Anfield que, como todos, é para ganhar, se possível por seis! What? Achavam que ia dar isto por perdido? Foda-se, era só o que me faltava agora ir cumprir calendário seja onde for!!!

Baías e Baronis – Chaves 0 vs 4 FC Porto

foto retirada do zerozero

Simpático. Quando comparamos este jogo com o jogo de Moreira, vemos uma diferença muito grande: pernas. Pernas de alguns jogadores que, não tendo o mesmo nível dos homens que costumam ocupar o lugar, fazem a diferença porque a maior parte das vezes o facto de estarem a 100% significa que consigam fazer o mesmo que os outros, num nível bem inferior de pernedo, já não conseguem. Soares, Maxi e Otávio (sim!) deram à equipa um boost muito importante num jogo que foi bem mais fácil do que seria previsível. Vamos a notas:

(+) Soares. Dois golos (um dos quais num remate estupendo que seria ainda mais notável se o Sérgio Oliveira não tivesse iluminado metade de Trás-os-Montes com o golo dele) e uma exibição de trabalho, de constante luta e empenho em ajudar os colegas e a tentar limpar a imagem dos últimos tempos. Parecia o Soares que cá apareceu aqui há um ano e que quase sempre que tocava na bola criava perigo. Pois seja bem vindo de volta, caríssimo!

(+) A primeira parte de Otávio. Não tenho outra hipótese senão congratular-me por ter mexido com ele. Fui eu, obviamente, que peguei pelos virtuais colarinhos do super-saiyan e lhe disse para man-up-ar o jogo dele. E ele, diligente ao ponto de me fazer sentir mal por ter criticado tanto a sua performance contra o Sporting, procedeu a fazer um jogo bem acima da média do ano, a jogar primeiro em 4-3-3, depois em 4-whatever-thefuck-coiso e finalmente como segundo avançado, sempre em bom nível e acima de tudo prático e objectivo. Gostei de ver e este Otávio pode aparecer sempre, mesmo com aquela coisa na cabeça. Fuuuuuuuuuuusão para ti também.

(+) Sérgio Oliveira. Para lá do golão que marcou, está cheio de moral e nota-se em campo, porque se mexe mais e melhor. Porque se empenha nos lances a 100% e parece querer mostrar ao treinador que é ele que vai continuar a jogar mesmo depois de Danilo estar em condições. Não vai acontecer (a não ser nalguns jogos mais pontuais, aposto) mas é muito bom saber que Sérgio está aí como uma opção válida para o onze ou para o banco. Suplentes perto do nível dos titulares. Oh brother, don’t let this end.

(+) Reyes. Sim, eu sei, levou ali com um nó do Mattheus que ainda deve estar à procura dos rins, mas esteve muito bem nas dobras, excelente na intercepção e quase perfeito na capacidade de ler o jogo que é, ou parece ser, a sua maior mais-valia que aplica nos jogos. Se na quarta-feira não houver Marcano, será uma dupla Reyes/Osório no centro da defesa. Só espero que se entendam bem.

(-) Há faltas fixes e depois há as faltas do Maxi. Até nem fez um mau jogo, longe disso. Mas fez algumas imbecilidades que me enervaram, primeiro com um possível penalty onde Maxi estica o braço de uma forma muito evidente para o lado e para cima do adversário e depois com algumas entradas e puxões que podiam perfeitamente ter feito com que levasse um cartão e depois outro. Não tenho grandes dúvidas que na decisão de colocar Ricardo em campo com um resultado tão fácil pesou também a eventualidade do uruguaio ser mandado para o balneário mais cedo…

(-) Marega. Chiça. Ei pá. Porra. Oh. Foda-se. Tudo isto são pequenas expressões que soltei ao ver Marega hoje em campo, num dos piores jogos que fez pelo FC Porto, incluindo a primeira passagem. Incapaz de pensar com a bola nos pés e sem velocidade e grande capacidade para criar perigo, foi exactamente o Marega que aprendemos a odiar. Pouco prático, esteve trapalhão e aposto que até agora não faz ideia como é que a bola que “rematou” acabou por entrar na baliza. Enfim, mesmo num mau jogo acaba por marcar…


Jornada tranquila. À tarde. Uau, memories…

Baías e Baronis – FC Porto 1 vs 0 Sporting

foto retirada do zerozero

Eu avisei que o problema era dos calções! Foi o terceiro jogo contra o Sporting e a terceira vez que demos um banho de bola a uma equipa que insiste em apequenar-se quando nos defronta e que apareceu no Dragão para não perder. E perdeu, só que não perdeu pelo que merecia ter perdido, porque apesar do jogo ter sido mais tenso e bem mais partido que o anterior, acabou por ter um vencedor sem espinhas, a única equipa que tentou de facto vencer o jogo. Vamos a notas:

(+) Sérgio Oliveira. Uff, rapaz. Depois de um bom jogo contra o Braga, foi a peça fundamental no meio-campo do FC Porto e fez esquecer que há um jovem que costuma jogar por ali que consta que é um dos melhores médios centro do país, para não dizer da Europa. E Sérgio mostrou hoje uma vontade e uma capacidade de luta como poucas vezes o tinha visto a fazer, tantas vezes o tendo criticado exactamente por lutar pouco e trabalhar a velocidades dignas de locomotivas a vapor sem carvão para alimentar a caldeira. Sérgio esteve em todo o lado, a apoiar no ataque e a recuperar na defesa, reduzindo Battaglia a um Battaglinha e fazendo com que o meio-campo fosse todo nosso excepto nas subidas em contra-ataque de Gelson (mais rápido que todos os jogadores do FC Porto individualmente e acima da soma das velocidades dos colegas de equipa). E ainda enviou uma bola ao ferro que merecia que tivesse entrado. Está bem e pode continuar no onze. Deve, aliás.

(+) Ricardo. Não fosse aquela má leitura de espaços numa das últimas jogadas da partida e tinha feito um jogo quase perfeito contra um internacional argentino e outro português que lhe apareceram pela frente, qual deles o mais odioso. Veloz a subir pelo flanco, prático na intercepção e rijo no combate contra os adversários, foi uma ameaça constante pelas corridas que fez na ala e na forma como se entendeu com os colegas sempre que era preciso aparecer em apoio. Que jogaço.

(+) A equipa na pressão alta. Todos trabalhavam. Todos lutavam e subiam e procuravam cortar as pseudo-jogadas do Sporting logo desde o início, que habitualmente consistiam em três conceitos complicados: a) receber a bola e procurar o Gelson; b) tentar tudo para lhe colocar a bola e c) entrelaçar os dedos e rezar baixinho. Foi aqui que começamos a ganhar o jogo, pela forma como quisemos sempre carregar em cima do adversário e procurar tapar, bloquear e construir depois com mais calma e mais cabeça. Cansou, como tem cansado sempre (Brahimi e Marega estão ambos a precisar MESMO de parar um bocadinho…), mas hoje teve os seus frutos.

(-) As saídas com bola não-muito-controlada em zona defensiva. São capazes, de uma vez por todas, de acabar com a Paulofonsequização da defesa no início da construção?! Mas agora temos obrigatoriamente de sair com a bola controladíssima em todos os centímetros que temos para percorrer quando estamos sob pressão? É que a inversão de hábitos, do pontapé demente sem pressão para o drible curto quando pressionado provoca um efeito chicote no meu pescoço que um dia pode mesmo vir a lixar tudo. Hoje estivemos perto de desperdiçar uma vantagem (que já era curta) com uma idiotice do género. Vejam lá isso, sim?

(-) Otávio. Pouco mais que zero. O facto de termos agora mais números no plantel não significa que tenhamos subido a qualidade de uma forma tremenda, porque continua a haver alguns rapazes que puxam o nível para baixo. Otávio é um moço que tem bons pés, boa capacidade técnica e…é um conas. É um conas porque não mete o pé à bola quando devia, porque deixa que as bolas saltem à sua frente em vez de as atacar e porque gosta mais de fintar sem progredir do que de jogar à bola. E pode pintar o cabelo da cor que quiser, porque se continuar a jogar assim vai continuar a ser um conas e a não ter espaço a não ser que o treinador se lembre de o meter mais uma vez. O Oleg, defesa esquerdo da B, jogaria mais que ele com um pé amarrado ao pescoço e garanto que o Oleg não é grande espingarda.

(-) Coentrão. Mantenho a minha irracionalidade quando desejo que o Coentrão acabe todos os jogos com uma derrota, seja com que camisola for. E não percebo como é que ainda não teve a decência de fazer a única coisa aceitável que um homem da sua estatura moral poderia fazer, que é abdicar já da Selecção e de tudo que tem a ver com ela. E manter-se por debaixo da pedra de onde sai todos os dias para rastejar para um qualquer relvado onde procede a espalhar a “irreverência” e “espírito combativo” que exibe jogo após penoso jogo. Devia perder tudo. Chegava à estação de combóios, havia greve. Apanhava uma moeda do chão, era uma peseta. Pedia chocos, vinham calamares mal fritos. Tudo, tudo devia ser uma derrota na vida deste gajo.

(-) Sporting. É isto que esta malta tem? É só isto? Foi um jogo de Gelson+10, em que nem o Bruno a jogar recuado fez com que houvesse construção de jogo com pouco mais clarividência que não o envio directo da bola para o único homem do Sporting que parecia com vontade de jogar futebol. Jesus, mais uma vez, entrou para não perder. Não fosse o facto dos nossos avançados andarem tão inspirados e frescos como um asmático a correr uma maratona e tinham saído do Dragão com cinco no bucho. E era tão lindo.


Em Alvalade podemos voltar a jogar de calções brancos, daqui a setenta e tal dias. Afinal, um empate a zero chega.

Baías e Baronis – FC Porto 3 vs 1 Braga

foto retirada do zerozero

Não foi um jogo fácil. Entramos bem, a trocar bem a bola e depois o Telles cruzou e foi golo. O Braga entrou bem para a segunda parte e marcou e depois o Telles cruzou e foi golo. Mais uns eventos inconsequentes até que o Telles cruzou e foi golo. Era fácil reduzir o jogo aos cruzamentos do Telles mas a equipa esteve bem, foi superior ao Braga e ganhou com naturalidade apesar de algumas inconsistências no meio-campo que apesar do muito suor…não colmata a 100% a falta de Danilo. Naturalmente. Vamos a notas:

(+) Os laterais. Alex Telles tem sido um dos jogadores mais esforçados que vi a jogar pelo FC Porto desde sempre. É incrível ver o homem jogo após jogo a voar pelo flanco, a percorrer quilómetros sem reclamar, a ajudar os colegas e a entender-se tão bem com Brahimi que parecem irmãos que cresceram juntos nas ruas de Paris ou Caxias do Sul. Três assistências com outros tantos cruzamentos perfeitos, algo que o rapaz do outro lado raramente consegue porque não é tão bom a cruzar…mas compensa com outra capacidade, oh se compensa. Raramente se vê um lateral a ser tão ofensivo com esta qualidade, a romper pelo centro em diagonais em elevada velocidade e em progressão. Fez pelo menos três sprints de 40/50 metros e é jogador para estar em qualquer clube do Mundo.

(+) Brahimi. Dêem-lhe espaço, defesas. Sim, força. Abram um metro para o homem seguir. Vá, atrevam-se. Dignem-se a serem abordados por este milagreiro que não só consegue driblar em pouco espaço mas também percorre dezenas de metros e arrasta uma equipa inteira para a frente. E não tendo estado directamente envolvido em nenhum dos golos, foi dele o terceiro pelo sprint que deu para recuperar uma bola que parecia perdida e que depois endossou para Telles cruzar para a mona perfeitinha do Vincent. Se há alguém que merece ser campeão este ano é ele. E Danilo. E Herrera também. Ah, e o Telles. Muitos merecem, pronto!

(+) Herrera. O capitão lutou imenso. O capitão correu muito. O capitão fez com que o colega do lado, que tem a capacidade de aceleração de uma locomotiva a vapor, também corresse muito. O capitão esteve bem no meio campo e ajudou a pressionar à frente. O capitão garantiu que o Braga não arrancasse o jogo depois do 3-1 porque viu que Sá ainda não tinha chegado à baliza depois de festejar com os colegas. O capitão, em suma, esteve muito bem.

(+) Sá. Duas defesas enormes conseguiram manter a equipa focada no jogo e roubaram a esperança ao Braga de conseguir voltar à luta, a primeira das quais com uma mancha espectacular com a mão alta que levou as bancadas a saltar em aplauso. Pareceu sempre confiante a sair às bolas aéreas e bem precisa de a ganhar depois de alguns jogos com pequenas falhas. Preferia ver Iker na baliza mas Sá não está a fazer com que me dê vontade de arrancar o pouco cabelo que tenho. Yet.

(-) Corona. Mais um jogo que confirma que este jovem oscila mais que um pêndulo preso a um elástico. Incapaz de desequilibrar com consistência e de abordar os lances com agressividade e vontade de resolver. É quase uma antítese de Brahimi, que até poderia funcionar como contra-peso à irreverência de Yacine mas acaba por fazer com que seja apenas lento, frouxo e sem ideias. Não deixa de lutar, mas parece sempre jogar com pouca…fúria, vá. And me no likey coninhas.

(-) Paulinho em terra de ninguém. A estreia de Paulinho podia ter sido pior mas não era fácil. E a culpa é repartida entre ele e o treinador, que o atirou para o meio de um palco onde estava sozinho e foi obrigado a correr em zonas que não conhece, sem apoio de colegas com quem não tem rotinas e entregue à função de tapar um meio-campo forte com…bem, com ninguém, sozinho. O pouco que fez foi mau e inconsequente, mas jogou fora da posição. Atenua mas não justifica tudo.

(-) Permeabilidade na zona central. Enquanto formos aguentando jogos complicados como este e conseguirmos sair com uma vitória, vou ficar satisfeito. Mas houve demasiada permissividade naquele meio-campo, especialmente pelo eixo, onde Herrera e Sérgio lutaram imenso e fizeram o que podiam e sabiam (com as limitações que têm) mas nem sempre conseguiram impedir Danilo e companhia de furar por ali dentro. E se havia um Danilo do outro lado, muita falta fez o que joga com as nossas cores.


Mais um jogo complicado, um dos mais difíceis no Dragão até ao final do ano, que vencemos. A seguir a este, no Dragão, serão “só” Sporting, Liverpool, Rio Ave e de novo Sporting. Ouchie.