Baías e Baronis – FC Porto 0 vs 2 Juventus

Ao ver o treino da Juventus, só me surpreendia com a potência dos remates. A colocação dos disparos. A facilidade com que a bola ia parar de jogador a jogador com uma assertividade acima da média. Muito acima da média. E essas impressões foram facilmente confirmadas durante o jogo, onde recebemos uma bela lição de futebol a sério, que nos fez perceber que não se pode falhar a estes níveis da forma como o fizemos. Fomos bravos, tentamos o que podíamos, mas dois murros bem dados nos dentes fizeram cair por terra aquilo que na cabeça de alguns ainda era um bonito sonho. Vamos a notas:

(+) Juventus. É só olhar para eles e vê-se logo que é outra safra diferente da nossa. São homens, atletas com qualidades físicas largamente superiores às nossas, com um desenvolvimento de jogo na relva quilómetros acima do nosso, onde cada jogador sabe o que fazer, quando fazer e como o fazer, com uma dinâmica a meio-campo assustadora e que mostra bem o que é ser uma das melhores equipas do planeta. Notava-se a paciência na construção dos lances, mesmo contra dez jogadores, como quem acaricia um gato e sussurra: “Calma, meu doce, isto vai lá devagar, não é preciso andarmos a voar de um lado para o outro”. Fizeram um jogo sólido, inteligente, tecnicamente sem falhas, tacticamente olímpico. Daí não ter saído do Dragão triste mas resignado. Afinal de contas, eles são muito melhores que nós.

(+) O esforço dos nossos. O ponto anterior parece indicar que não jogámos nadinha, o que não é verdade. Sim, a Juve esteve por cima mesmo com onze jogadores do nosso lado, mas as coisas ainda podiam correr bem com muito suor e alguma sorte. Pois a sorte foi mandada ao charco quando o Telles teve aquela segunda paragem cerebral (já a primeira tinha sido bem rijinha e o cartão podia bem ter tido outra cor) e ainda nos calcaram a sorte quando um dos melhores jogadores do FC Porto 2015/2016 ofereceu o primeiro golo e se esqueceu de defender no segundo. Os nossos, mortais perante colossos, lá tentaram e o espírito de solidariedade foi imenso mas não chegou. Não creio que chegasse mesmo com onze. E com sorte. Mas fizeram por isso.

(+) O público. Nunca baixou os braços, manteve-se constante e ruidoso no apoio à equipa e mesmo que muita gente tenha começado a sair bem antes do jogo terminar, a verdade é que não houve assobios nem críticas. Houve apenas compreensão para com um grupo de miúdos-quase-adultos que fizeram o que sabiam e tentaram usar as armas que conseguiam e que lhes deram para contrariar a melhor equipa que passou no Dragão este ano. Muitas palmas, muitos cânticos, muita pressão sobre a Juventus e o árbitro. Não chegou.

(-) Outplayed, outclassed, outnumbered, outgunned. Não temos pernas. Não temos ossos. Não temos pulmão. Não temos músculos. Não temos altura. Não temos calo. Tudo lugares comuns mas tudo aplicável ao FC Porto 2016/2017, uma equipa cheia de rapazes com talento, que aqui no nosso campeonato conseguem até resultados decentes e exibições aceitáveis, mas que não pode pensar em fazer frente a equipas que estão num nível competitivo vários degraus acima do nosso. Homens contra miúdos, atletas contra amadores, arranjem o duelo que acharem mais conveniente, mas a verdade, difícil de aceitar mas fácil de provar, é que não temos estaleca para isto. Nuno parece ter gostado do que viu em Guimarães e assumiu uma postura mais defensiva, de contenção, com Herrera a tapar a direita, Brahimi solto entre a esquerda e o meio e dois médios-centro que oscilavam verticalmente. Sem organizador de jogo porque seria difícil manter a bola, a opção prendia-se no envio de bolas directas para Soares ou pelas alas, quer por Herrera quer por Brahimi. Mas o facto de usar Herrera naquele lado é sintomático da falta de opções que temos e se pensarem bem, com as características para arrancar com a bola no meio-campo e a transportar para a frente, para Nuno se manter fiel à estratégia poderia escolher o mexicano…ou o outro mexicano. Não há mais. Notou-se sempre que havia défice de construção mas a ideia era essa. Resultadista, cínica, triste, mas essa. E ser italiano contra italianos raramente funciona.

(-) Todos os mexicanos. Pode soar um bocado “trumpish”, mas as mudanças mexicanas que Nuno promoveu acabaram por não conseguir qualquer resultado prático, porque Layún “deu” o primeiro golo e facilitou imenso para o segundo, Herrera não funcionou nem na ala (demasiado lento a pensar e agir) nem no meio (perdido no meio de camisolas brancas) e Corona…bem, Corona é um caso de estudo, porque se convertesse aí uns 30% do talento que tem em empenho e esforço e mentalidade competitiva…provavelmente não estaria cá. Os três estiveram mal.

(-) Telles. Rapaz, tu tens de ir ao médico. Acredito que estejas sempre empenhadíssimo no jogo e focas-te no que tens a fazer enfiando umas tábuas ao lado dos olhos e só vês o adversário e aquelas perninhas prontas para serem colhidas como uma foice humana a segar erva. E até nem és mau nisso, mas fazê-lo duas vezes seguidas? Depois de teres levado um amarelo na primeira? Rapaz, tens de ir ao médico. Pede-lhe que te receite uma treta qualquer para acalmares os nervos e para pensares um bocadinho mais antes de te mandares como um demente atrás da bola, em particular quando ela está atrás das pernas de um adversário. É que parecendo que não, deste cabo de tudo. A culpa não é só tua, mas lá que empurraste a bola de neve que causou a avalanche, lá isso…


E agora? É difícil ganhar em Turim? Dou a palavra a Anthony Hopkins em frente a Tom Cruise, em MI:2, quando lhe diz: “This is not mission difficult, it’s mission impossible”…

Ouve lá ó Mister – Juventus

Companheiro Nuno,

Só vi a Juventus uma vez ao vivo. Foi há quinze anos, ainda nas Antas, onde Del Piero, Buffon e companhia vieram dar cá um saltinho num jogo bem engraçadito, cheio de lances perigosos em ambas as balizas, numa visão quase contrária ao que é uma equipa italiana a jogar fora de casa. Ora vê lá se ainda te lembras:


Porto – Juventus (0-0) 10.10.2001 por juventusmemories

E esta Juventus é um pouco diferente da norma italiana que nos habituamos a colar às equipas lá da terra desde há muitos anos. São mais dinâmicos, mais fantasistas e mais agressivos (sim, mais) na disputa da bola. São gajos perigosos no ataque, rijos na defesa e compactos na organização. São uma equipa de topo mundial, Nuno, não preciso de cantar mais elogios aos cabronnes. Por isso, não temos nada a perder. Talvez o orgulho ferido se perdermos o jogo ou meia-dúzia de camisolas rasgadas em caso de frustração por não conseguirmos o que queremos. Mas não temos nada a perder e é exactamente por isso que vamos cair em cima deles como se fossemos mongóis a invadir a China. Dragão Khan, carago!!! Não há Deco mas há Óliver, falta um Capucho mas há um Brahimi, não trocava o Danilo de agora pelo Costinha d’altura e entre Pena e Soares, fico com o último. As saudades que me dão ao ver aquela malta vão ser ultrapassadas pela alegria da memória deste jogaço! Vamos a isso, Nuno, faz com que aquele moço que esteve na baliza (e hoje por lá andará novamente) queira lembrar-se do primeiro jogo e não do último!!!

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – FC Porto 5 vs 0 Leicester

15350683_690974957743294_4334566786517787632_n

Às vezes há noites assim, em que tudo parece correr bem, o adversário não consegue conter a nossa organização e vontade, os lances surgem com fluidez nascida da tranquilidade e os golos aparecem naturalmente, orgânicos, fáceis, a espaços com a grandiosidade das escolhas certas nos momentos certos. Foi assim ontem à noite e poderia ter sido bem mais complicado se o Leicester não tivesse optado por alinhar com uma segunda equipa, mas fizemos bem mais do que o suficiente para vencer. Noutros jogos não chegou. Ontem sobrou e ainda bem. Vamos a notas:

(+) Todos. Não consigo encontrar uma única nota negativa na exibição de ontem. A equipa jogou com harmonia, entrega e boas decisões. Abriu quando precisava de abrir, fechou quando era necessário conter, travou a batalha do meio-campo de uma forma inteligente, criando os espaços necessários para que os melhores conseguissem brilhar e mostrou-se calma nos momentos certos. A organização de Óliver foi perfeita, os lances individuais de Brahimi estiveram quase sempre no ponto, o trabalho de André Silva e Jota foi bem delineado e melhor executado, o controlo de bola de Corona foi Messiesco e a disponibilidade física de Maxi foi de topo. Quando tudo corre bem nem precisamos de destacar o individual porque ontem quem brilhou mais foi a equipa como um todo, numa mensagem de paz para fora do relvado e o regresso da empatia com os adeptos. Sim, foi só um jogo. Sim, o adversário não era tão forte como o que nos defrontou no jogo em Inglaterra, com menos rotinas e muito menos talento. Mas quem não consegue ganhar a um Tondela, um Setúbal, dois Belenenses ou um Chaves não tem suporte moral para assumir que vai conseguir vencer um Leicester B. E esta vitória é, tal como a do Braga, um resultado que ajuda a fazer uma equipa. Esperemos que dure.

(+) Os golos. Marcaram-se alguns golaços ontem à noite, desde o remate de primeira (com o pé esquerdo) de Corona ao calcanhar de Brahimi (um argelino tem de marcar assim na Champions, está no contrato moral), seguindo o tiro de Jota, a cabeça de André Silva e o penalty do mesmo. Várias opções, várias formas diferentes de enfiar a bola lá dentro. A prova de que quando tudo corre bem não há Marafonas que evitem os golos.

(+) O penalty do André. Tomemos como comparação o que fez este mesmo menino no passado fim-de-semana contra o Braga. O nervosismo na corrida, o ligeiro inclinar do corpo para o lado, suficiente para denotar para onde iria chutar, na tentativa de acertar na baliza esperando que o guarda-redes falhe a aposta. Os ombros encolhidos, tensos, trémulos. O lamento no falhanço, mais um falhanço, mais uma oportunidade adiada para celebrar. E depois olhemos para o jogo de ontem e o lance em tudo parecido e ao mesmo tempo tão diferente. A leveza no movimento. O enganar do guarda-redes, a colocação da bola, a facilidade aparente de uma oportunidade que é tudo menos fácil. Há uma enorme diferença entre marcar um penalty quando se está confiante ou quando se imita Atlas a suportar o peso do mundo nos braços erguidos acima da cabeça.

(-) Talvez seja preciso rever as regras da Champions. Este ano correu tudo bem mas podia ter sido bem diferente. Sei que é uma opção técnica de cada treinador e se Ranieri deixou metade da equipa em Inglaterra só podemos ficar satisfeitos e pensar que nos sorriu a sorte. Mas o FC Porto teve uma vantagem que outros não tiveram e se daqui a uns anos estivermos no lugar do Copenhaga a pensar “porra, aqueles gajos levaram os mancos para Portugal mas nós jogámos contra uma equipa em condições!”, talvez fiquemos a criticar a organização por permitir este tipo de alheamento competitivo que favorece terceiros sem querer. Não sei se é viável ou sequer desejável, mas gostava muito de não ter de escrever um post a lamentar este tipo de facilitismos dados ao adversário…


Objectivo conseguido, oitavos da Champions no horizonte e mais alguns milhões no bolso. Noites perfeitas destas não aparecem todos os dias, por isso festejemos…pelo menos até Domingo!

Ouve lá ó Mister – Leicester

Companheiro Nuno,

Se um gajo se alhear das críticas a treinadores, dirigentes, árbitros, jornalistas, tudo que respira o mesmo ar que nós mas parece viver noutra galáxia bem longe cá do burgo, se conseguirmos fugir a essa realidade tão diária e pressionante e virmos o jogo contra o Braga da perspectiva de um amante da bola, a verdade é que foi um jogaço. Nem sempre bem jogado, com níveis de eficácia a roçar o zero mas emoção lá em cima a raspar tinta do poste. Excelente metáfora, não, especialmente tendo em conta o que se passou durante o jogo! Foi um grande jogo que vai deixar memórias vivas, excitantes, que durarão enquanto estivermos vivos e conscientes! Todos se vão lembrar do jogo em que quebramos a “Grande Barreira da Baliza Contrária” e logo aos noventa e cinco minutos do quinto jogo! Fucking epic, dude, I tell ya.

Mas ninguém se vai lembrar do jogo seguinte, garanto-te. Mesmo que ganhes, ninguém se vai lembrar deste. Mas é tanto ou mais importante que o jogo que passou, porque está em campo uma equipa bem melhor que o Braga, numa competição de nível mais exigente que o nosso campeonato e com uma exposição mundial que não se compara ao que temos por cá. Podes dar o spin que quiseres, a verdade é essa. E como já fizemos bastante caquinha nos jogos anteriores, este tem mesmo de ser ganho para limpar as teias de aranha das balizas adversárias de uma vez por todas!

Factor extra de motivação: ganhar a ingleses. Empurrar os focinhos deles para a lama e fazer com que abafem a moral e a cagança do costume. Vamos. Vamos. VAMOS!

Sou quem sabes,
Jorge

Baías e Baronis – Copenhaga 0 vs 0 FC Porto

371536_galeria_fc_kobenhavn_x_fc_porto_liga_dos_campeoes_2016_2017_fase_de_grupos_grupo_g-jpg

Só falta um ponto. Ou trẽs. Ou até nenhum, com muita sorte. Mas o ponto com que saímos daqui sabe a pouco especialmente depois de uma segunda parte em que estivemos bem por cima do adversário e onde podíamos ter morto a fase de grupos com um bocadinho mais de cabeça e tranquilidade na altura do último passe. Assim, mais uma vez, voltamos a depender de nós…e a termos de fazer alguma coisa pela vida. Vamos a notas que se faz tarde:

(+) Felipe e Marcano. Vai arranjando um bom lugar no banco, Boly, que só entras para a equipa se um destes meninos se lesionar. Continuam a mostrar um elevadíssimo sentido prático (potencial de perigo acima de 10%, bola c’as couves, clap clap, siga) e jogam rijo quando é preciso. E hoje foi bem preciso serem homens com H enorme, porque aquela malta do Copenhaga esteve a um capacete com cornos e uma dúzia de Brunhildas na bancada para serem Vikings de novo. Fortes no jogo aéreo, estiveram quase perfeitos em todo o jogo, com destaque para Felipe que continua a melhorar de jogo para jogo.

(+) Óliver. Bem acima de Otávio e Corona (com uma primeira parte para esquecer do mexicano e uma segunda parte mais engraçadita), o nosso trinta foi eficaz no passe e apesar da enormidade de escorregadelas foi dos mais clarividentes em posse e práticos no passe. Não é fácil ser hobbit numa terra de ogres mas Óliver foi um Frodinho bem jeitoso.

(+) Pequenos mas esforçadíssimos. Olá, Gravesen! Como estás, Bentdner? Tudo porreiro, Larsen? Cabrões dos escandinavos que jogam mais com os braços do que com os pés e que se devem ver como reencarnação de Leif Eriksen e do seu bando de malta bem disposta e esventradora. Do nosso lado, um bando de pequenos heróis que lutaram como podiam contra dez paredes que se mexiam muito mais que os nossos (é algo a que um dia voltarei em análise) e que chegavam primeiro a quase todas as bolas na primeira parte. E é verdade que somos pequenos mas houve muito esforço e muito suor e trabalho, aprendemos com os erros e a mudança de Otávio para o centro com Jota a inclinar mais para a esquerda ajudou a abrir um pouco o jogo e a conseguirmos empurrar os fulanos para trás e a conseguirmos ter a bola e progredir com ela nos pés. É pena não termos conseguido fazer nada de jeito com ela.

 

(-) Pequenos, esforçadíssimos…mas fracos. E agora, o contra-ponto. Somos pequenos, sim, mas continuo a achar que falta fibra. Esforço há e muito, mas falta fibra. André, Paulinho Santos, Doriva, Maniche, Paulo Assunção, todos estes rapazes eram pequenos mas não duvido que não teria ficado um único dinamarquês de pé em lances divididos. Também sei que este tipo de alma não se cria, nasce com a gente ou forma-se numa fase bem mais incipiente da vida, mas custa-me ver uma equipa do FC Porto que não consegue erguer-se a esse nível.

(-) O relvado. Se tivéssemos um treino de curling antes do jogo, talvez conseguíssemos acertar mais na bola e menos na relva. O relvado condicionou o jogo e o nosso mais do que o deles, porque a forma de jogar à Stoke é sempre engraçada para…espera, não é engraçada para ninguém. Pode obter resultados mas não vale bolha. E os nossos cachopos bem se viram à rasca, especialmente na primeira parte, perante aquela pseudo-relva que mais parecia um rinque de hóquei no gelo. Com jogadores a condizer, do lado deles.

(-) Maxi. A segunda parte foi melhorzinha (tal como aconteceu com Corona) mas a primeira parte mostrou um Maxi ainda muito longe da forma física que continuará a fazer dele titular do FC Porto. É uma pena Layún estar lesionado porque com o momento actual do uruguaio, o mexicano entra direitinho para o onze. Em alternativa, até o Fernando Fonseca ou o Dalot davam uma perninha bem mais decente…

(-) O penúltimo toque. Neste caso não foi (apenas) o último toque que falhou mas o penúltimo. Aquele leve toque para desmarcar o avançado, o cruzamento para a área, o soltar o lateral em corrida, a elegante colocação da bola em posição de remate letal. Falhou tudo. E o relvado é culpado, mais a pressão dos dinamarqueses…mas a culpa é nossa por não nos termos conseguido adaptar melhor a um jogo que, especialmente na segunda parte, esteve ao nosso alcance.


E é isto, mais uma vez deixamos tudo para o último jogo. Dependemos de nós…mas já aqui dependíamos e não conseguimos mais do que um empate. E contra o Leicester pode não chegar.