Leitura para um sábado tranquilo

  • Laurindo Feliciano – Football / Soccer series
  • Footysphere – Leyton Orient install ‘The Gibbet’ for football training in 1956
  • Posse de Bola – Aquecimento & Finalização – José Mourinho
  • Football Shirts News – One Three Lions’ fan reveals enthralling England Shirt Collection
  • Arseblog – Announcement: Together – The Story Of Arsenal’s Unbeaten Season
  • Leitura de Jogo – Outras formas de ler o futebol brasileiro
  • Bleacher Report – Biggest Summer Transfer Needs for Barcelona
  • KCKRS – Some Designer On Reddit Re-imagined All 32 World Cup Jerseys
  • Dave Williams @ Behance – Brazil 2014 World Cup Poster
  • Star Sports – Tim Sherwood has the unfortunate English disease of a surfeit self-belief
  • Maillots de Sport – Les plus gros contrats d’équipementiers en 2014
  • Footie Map – Mapa mundial de clubes de futebol e outras modalidades

 

Na estante da Porta19 – Nº17

Cinco Escudos Azuis: A História da Selecção Nacional de Futebol” traz-nos todo o percurso da nossa Selecção, desde os primeiros tempos da formação das Quinas, começando a representar o nosso país no longínquo ano de 1921 e atravessando mares e continentes levando a nossa bandeira a todo o mundo com o símbolo que nos é tão querido. De Cândido de Oliveira a Scolari em 2004, o livro é escrito pelo assessor de imprensa da Selecção na altura em que foi lançado, Afonso de Melo, notório benfiquista doente e que merece de mim todo o desrespeito pelas atitudes clubísticas que toma mas que louvo o trabalho feito em prol da Selecção que quase todos apoiamos. É uma história interessante para todos os portugueses, especialmente para percebermos que apesar de todos os problemas, chatices, casos Saltillo e outros que tais, continua a ser um elemento potencialmente agregador de nomes, factos e acima de tudo de um símbolo que é nosso e que devia pugnar por continuar a ser nosso, do povo, de todos nós.

Sugestões de locais para compra:

Leitura para uma sexta-feira tranquila

 

Leitura para uma quarta-feira tranquila

 

Na estante da Porta19 – Nº16

Dou a palavra ao Miguel Lourenço Pereira, citando directamente do seu artigo sobre as origens de Chapman no Huddersfield:

Foi a maior revolução táctica dos primeiros 50 anos do século XX. Manteve-se até aos anos 50 em muitos países como o principal sistema táctico. Caiu em desuso com a popularidade do 4-2-4 hungaro e brasileiro (que depois passariam ao formato 4-4-2 e 4-3-3 a partir dos anos 60). E resultou obra de uma mente privilegiada que resultou como peça chave na evolução táctica do jogo. Herbert Chapman morreu no zénite da sua carreira e não teve tempo para ver a real consequência da sua inovação. Quando, em 1934, caiu fulminado após uma pneumonia, o seu Arsenal era a melhor equipa britânica. E provavelmente do Mundo. Faltavam 20 anos para que nascesse a Taça dos Campeões Europeus mas se a prova tivesse sido realizada nessa década seria provavél que o clube londrino tivesse aplicado o mesmo monopólio que o Real Madrid. A aplicação do WM era a chave do sucesso gunner. Isso e a insistência de Chapman em rodear-se dos melhores. O técnico tardou alguns anos em fazer do seu modelo vencedor. Mas quando deu na tecla certa a equipa nunca mais o desiludiu. Contratou os melhores, montou uma geração de talentos únicos como Highbury Park não voltaria a conhecer. E dominou a First Division anos a fio. Para a história ficou o seu papel como treinador do Arsenal.

Herbert Chapman, Football Emperor: A Study in the Origins of Modern Soccer” retrata toda a história deste génio do futebol. Vale a pena.

Sugestões de locais para compra: