Seis

Castro é novamente um membro de pleno direito do plantel do FC Porto. Tem um enorme potencial para ser uma figura de elevado rendimento durante a época de 2012/2013 e vai usar um número nas costas que é um dos mais mediatizáveis que até tem potencial de rima para músicas das claques. Assim sendo, revisitemos os números 6 que passaram pelo nosso plantel:

 

1995/1996 Péter Lipcsei
1996/1997 Arnold Wetl
1997/1998 Barroso
1998/1999 Emílio Peixe
1999/2000 Emílio Peixe
2000/2001 Emílio Peixe
2001/2002 Costinha
2002/2003 Costinha
2003/2004 Costinha
2004/2005 Costinha
2005/2006 Ibson
2006/2007 Ibson
2007/2008 Paulo Assunção
2008/2009 Fredy Guarín
2009/2010 Fredy Guarín
2010/2011 Fredy Guarín
2011/2012 Fredy Guarín
2012/2013 André Castro

Nove

Jackson Martinez é o novo nove do FC Porto. A camisola é pesada pela história que carrega mas todos temos a esperança que Jackson ajude a libertar esse peso e a brilhar intensamente com esse mítico número nas costas. Aqui estão os detentores dessa camisola desde que a numeração foi tornada fixa em 1995/1996:

 

1995/1996 Domingos
1996/1997 Domingos
1997/1998 Grzegorz Mielcarski
1998/1999 Grzegorz Mielcarski
1999/2000 Domingos
2000/2001 Domingos
2001/2002 Juan Esnáider
2002/2003 Edgaras Jankauskas
2003/2004 Edgaras Jankauskas
2004/2005 Luis Fabiano
2005/2006 Benni McCarthy
2006/2007 Lisandro López
2007/2008 Lisandro López
2008/2009 Lisandro López
2009/2010 Radamel Falcao
2010/2011 Radamel Falcao
2011/2012
2012/2013 Jackson Martinez

Vinte-e-nove

 

Não quero que o nosso novo pontão-de-lançazão fique desiludido comigo logo à partida e como o moço tem ar de quem me espetava uma lapada no focinho que me punha a comer por uma palhinha até o Sporting ser campeão, optei por repetir o post de ontem, desta vez adaptado ao novo númbaro do austríaco, o vinte e nove:

 

1995/1996
1996/1997 Romeu
1997/1998 Costinha (GR)
1998/1999 Deco
1999/2000 Deco
2000/2001 Folha
2001/2002 Paulo Costa
2002/2003
2003/2004 Hugo Almeida
2004/2005 Hugo Almeida
2005/2006 Bruno Moraes
2006/2007 Bruno Moraes
2007/2008 Edgar
2008/2009 Rabiola
2009/2010 Orlando Sá
2010/2011
2011/2012 Marc Janko

Três

Lucho está de volta e baixou cinco valores. Nas costas, pelo menos, porque o oito está agora a ser usado por João Moutinho, o que levou Lucho a escolher o três. A história do número três no FC Porto é longa e com algumas nuances curiosas. Aqui estão os detentores dessa camisola desde que a numeração foi tornada fixa em 1995/1996:

 

1995/1996 Rui Jorge
1996/1997 Rui Jorge
1997/1998 Rui Jorge
1998/1999 Fernando Nélson
1999/2000 Rubens Júnior
2000/2001 Fernando Nélson
2001/2002
2002/2003 Pedro Emanuel
2003/2004 Pedro Emanuel
2004/2005 Pedro Emanuel
2005/2006 Ricardo Costa
2006/2007 Pepe
2007/2008 Pedro Emanuel
2008/2009 Pedro Emanuel
2009/2010 Raul Meireles
2010/2011
2011/2012 Lucho González

O número de James

O dezanove é um número que guarda uma mística interessante para mim, como já devem ter percebido. Foi o acaso que me colocou no caminho dele, quando a mudança das Antas para o Dragão me atribuiu o lugar que pude ir confirmar naquela curiosa sala por baixo da bancada central do antigo estádio, onde se processou o câmbio. A camisola com o mesmo número aqui do meu cantinho acaba por ser curiosamente uma das que mais em foco tem estado por estes dias, muito por culpa do rapaz que a veste e que tem brilhado a bom nível: James Rodriguez.

Vamos então rapidamente percorrer o passado e ver quem são os anteriores donos da mesma camisola:

  • João Manuel Pinto (1995/1996 até 1999/2000)
  • Juan Antonio Pizzi (2000/2001)
  • Rafael (2001/2002)
  • Carlos Alberto (2003/2004 até 2004/2005)
  • Tomislav Sokota (2005/2006 até 2006/2007)
  • Ernesto Farías (2007/2008 até 2009/2010)

James, que já usa o número desde o ano passado, tem como rivais numéricos um central que jogou mais vezes a ponta-de-lança que alguma vez teria imaginado (sir Bobby, may God rest your mad soul!) e que se vendeu para o vermelhão; um hispano-argentino que esteve cá meio-ano numa época infeliz para as nossas cores (Boavista campeão) e marcou três golos sem nunca ter sido titular; um ex-jogador de futebol de praia que depois de 17 golos no Paços de Ferreira passou para…zero no FC Porto; um brasileiro genial no campo e a arranjar problemas fora dele, mas que pode dizer aos netos que marcou um golo na final da Champions; um croata que veio do Benfica e que qual gajo com prisão de ventre…tentava…tentava…mas não saía nada de jeito; e finalmente “El tecla”, o argentino perito em marcar golos a equipas já derrotadas mentalmente.

Alguns jeitosos, outros nem tanto. James pode ser o melhor 19 que o FC Porto já viu. Só depende dele.